Acesso ao implante dentário osteointegrado no Sistema Único de Saúde (SUS): descrição do panorama nacional.

  • Ana Maria Ribeiro de Almeida Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Glauco Silva Cerávolo Amaral Gurgel
  • Cecília Godoi Campos Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)
  • Eliete Albano de Azevedo Guimarães Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ)

Resumo

Objetivo: Verificar o acesso ao implante dentário osteointegrado no Sistema Único de Saúde (SUS). Métodos: Estudo epidemiológico descritivo realizado a partir de dados secundários do DATASUS relativos à realização no SUS de implantes dentários osteointegrados, por região do Brasil, no período de janeiro de 2011 a dezembro de 2014. Para a análise descritiva dos dados foi realizada a distribuição de frequência em relação ao gênero, raça, faixa etária, local de atendimento e o cálculo dos indicadores - Número de implantes dentários osteointegrados por mil habitantes segundo região brasileira, Número de implantes dentários osteointegrados por mil habitantes no Brasil e Média de implantes por pacientes atendidos com necessidade de implante. resultados: A região Sul foi responsável pela realização de maior número de implantes dentários no país (81,75%), o número de procedimentos realizados pela região Nordeste representou apenas 0,5% do total realizado no país, as regiões Centro-Oeste e Sudeste juntas realizaram menos de 20%  do total. A região Norte ainda não realizou o procedimento. O gênero feminino (63%), a raça branca (49%) e a faixa etária de 20 a 59 anos (67,8%) tiveram maior acesso ao implante dentário osteointegrado no SUS. Os Centros de Especialidades Odontológicas foram responsáveis pela realização de 79,2% dos implantes dentários osteointegrados, e 11,5% foram realizados em hospitais. Em relação à população brasileira, o número de implantes dentários osteointegrados por mil habitantes foi 0,14. Conclusão: O acesso ao implante dentário osteointegrado no SUS representa um grande avanço em relação à integralidade da atenção à Saúde Bucal no Brasil, mas este ainda é incipiente e muito desigual entre as regiões brasileiras. descritores: Saúde bucal. Implantes dentários. Saúde pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Ribeiro de Almeida, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Mestre em Saúde Pública, Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), referência técnica em Saúde Bucal na Superintendência Regional de Saúde (SRS), Divinópolis, Minas Gerais, Brasil.
Glauco Silva Cerávolo Amaral Gurgel
Especialista em Saúde Coletiva, Associação Brasileira de Odontologia (ABO-MG), Auditor do SUS na Superintendência Regional de Saúde (SRS) Divinópolis, Minas Gerais, Brasil.
Cecília Godoi Campos, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)
Doutoranda em Saúde Coletiva pela CPqRR/ FIOCRUZ, Mestre em Ciências da Saúde pela EERP/USP. Coordenadora Regional de Atenção Primária na Superintendência Regional de Saúde (SRS) Divinópolis, Minas Gerais, Brasil
Eliete Albano de Azevedo Guimarães, Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ)
Pós-doutora em Saúde Coletiva pela CPqRR/FIOCRUZ, Docente da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Divinópolis, Minas Gerais, Brasil

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. A Política Nacional de Saúde Bucal no Brasil: o registro de uma conquista histórica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. SB 2000: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Resultados Principais. Brasília; Ministério da Saúde, 2004.
3. Figueiredo N, Goes PSA. Construção da atenção secundária em saúde bucal: um estudo sobre os Centros de Especialidades Odontológicas em Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25 (2): 259-67.
4. Gigante EC, Guimarães JP. A trajetória da saúde bucal pelas políticas públicas no Brasil a partir da criação do SUS. Cad Saúde Desenvol. 2013; 3(2): 66-77.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal. Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
6. Borges CM, Campos ACV, Vargas AMD, Ferreira EF. Perfil das perdas dentárias em adultos segundo o capital social, características demográficas e socioeconômicas. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(6):1849-58.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria SAS Nº 718: nota técnica. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
8. Teixeira, ER. Implantes dentários na reabilitação oral. In: Mezzomo E, Suzuki RM, (Org.). Reabilitação oral comtemporânea. São Paulo: Santos; 2006 p. 401-41.
9. Awad MA, Lund JP, Shapiro SH, Locker D, Klemetti E, Chehade A, et al. Oral health status and treatment satisfaction with mandibular implant overdentures and conventional dentures: a randomized clinical trial in a senior population. Int J Prosthod. 2003;16(1):390-6.
10. Bramanti E, Matacena G, Cecchetti F, Arcuri C, Cicciù M. Oral health-related quality of life in partially edentulous patients before and after implant therapy: a 2-year longitudinal study. Oral Implantol (Rome). 2013; 6(2):37-42.
11. Kuoppala R, Näpänkangas R, Raustia A. Outcome of implant-supported overdenture treatment – a survey of 58 patients. Gerodontology. 2012; 29(2):577-84.
12. Turkyilmaz I, Company AM, McGlumphy EA. Should edentulous patients be constrained to removable complete dentures? The use of dental implants to improve the quality of life for edentulous patients. Gerodontology. 2010; 27:310.
13. Vernize MD, Loyola EAT. A implantodontia no Sistema Único de Saúde e a reabilitação bucal do idoso brasileiro: uma revisão crítica de literatura. Rev Gest Saúde. 2013; 9(3): 20-35.
14. Szuster DA, Silva GM, Andrade EI, Acúrcio FA, Caiaffa WT, Gomes IC, et al. Potencialidades do uso de bancos de dados para informação em saúde: o caso das Terapias Renais Substitutivas (TRS) - morbidade e mortalidade dos pacientes em TRS. Rev Méd Minas Gerais. 2009;19(4):308-16.
15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas populacionais para os municípios brasileiros. Rio de Janeiro; 2014.
16. Peres KG, Peres MA, Boing AF, Bertoldi AD, Bastos JL, Barros AJD. Redução das desigualdades sociais na utilização de serviços odontológicos no Brasil entre 1998 e 2008. Rev Saúde Pública. 2012; 46(2):250-58.
17. Rocha RACP, Goes PSA. Comparação do acesso aos serviços de saúde bucal em áreas cobertas e não cobertas pela Estratégia Saúde da Família em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(12):2871-80.
18. Peres MA, Barbato PR, Reis SCGB, Freitas CHSM, Antunes JLF. Perdas dentárias no Brasil: análise da Pesquisa Nacional de Saude Bucal 2010. Rev. Saúde Pública. 2013; 47(3):78-89.
19. Braz RM, Oliveira PTR, Reis AT, Machado NMS. Avaliação da completude da variável raça/cor nos sistemas nacionais de informação em saúde para aferição da equidade étnico-racial em indicadores usados pelo Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde. Saúde Debate. 2013; 37:554-62.
20. Guiotoku SK, Moysés ST, Moysés SJ, França BHS, Bisinelli JC. Iniquidades raciais em saúde bucal no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2012:31(2):135–41.
21. Bastos JL, Antunes JLF, Frias AC, Souza MLR, Peres KG, Peres MA. Color/race inequalities in oral health among Brazilian adolescents. Rev Bras Epidemiol. 2009; 12(3):313-24.
22. Goes PSA, Figueiredo N, Neves JC, Silveira FMM, Costa JFR, Pucca Júnior GA, et al. Avaliação da atenção secundária em saúde bucal: uma investigação nos centros de especialidades do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012; 28 Suppl: S81-89.
23. Machado FCA, Silva JV, Ferreira MAF. Fatores relacionados ao desempenho de Centros de Especialidades Odontológicas. Ciênc Saúde Coletiva . 2015; 20(4): 1149-63.
24. Correia LOS, Padilha BM, Vasconcelos SML. Métodos para avaliar a completitude dos dados dos sistemas de informação em saúde do Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(11):4467-78.
Publicado
2016-11-18
Como Citar
de Almeida, A. M. R., Gurgel, G. S. C. A., Campos, C. G., & Guimarães, E. A. de A. (2016). Acesso ao implante dentário osteointegrado no Sistema Único de Saúde (SUS): descrição do panorama nacional. Arquivos Em Odontologia, 52(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3706
Seção
Artigos