Estratégias para resolutividade assertiva da campanha de diagnóstico e prevenção do câncer bucal

  • Patrícia Lucca Dantas Voi Secretaria Municipal da Saúde de Ribeirão Preto
  • Carolina Baraldi Araújo Restini Universidade de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
  • Suzie Aparecida de Lacerda Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
  • Milton Faria Júnior Universidade de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Resumo

Objetivo: Avaliar a efetividade das Campanhas de Prevenção do Câncer Bucal na cidade de Ribeirão Preto nos anos de 2010-2014, inseridas durante as Campanhas de Vacinação contra a Gripe em idosos. Métodos: A partir do banco de dados da Secretaria Municipal de Ribeirão Preto, do Centro de Atendimento Especializado em Diagnóstico Oral (Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, USP) e da Universidade de Ribeirão Preto, foram reunidas as informações para avaliação da resolutividade desta ação. Resultados: De 57.682 pacientes examinados, 1.121 foram encaminhados aos centros de referência para elucidação diagnóstica. Houve consistência na proporção de pacientes examinados e encaminhados. Foram diagnosticados 2,89% de pacientes com lesões malignas, 9,15% com lesões pré-malignas e 62,92% com lesões benignas. Análises específicas indicaram 74,96% de resolutividade. Conclusão: As estratégias usadas durante as campanhas de prevenção do câncer bucal apresentam resolutividade e recomendamos que passem a ser incluídas em Campanhas como a de vacinação contra gripe em idosos.

Descritores: Neoplasias bucais. Políticas públicas de saúde. Promoção da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Lucca Dantas Voi, Secretaria Municipal da Saúde de Ribeirão Preto
Mestre, Secretaria Municipal da Saúde de Ribeirão Preto, Universidade de Ribeirão Preto, Programa de Mestrado em Saúde e Educação Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Carolina Baraldi Araújo Restini, Universidade de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Doutorado, Universidade de Ribeirão Preto, Programa de Mestrado em Saúde e Educação, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Suzie Aparecida de Lacerda, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Doutora, Professora de Semiologia e Diagnóstico, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Milton Faria Júnior, Universidade de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Doutorado, Universidade de Ribeirão Preto, Programa de Mestrado em Saúde e Educação, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Referências

1. Rosin MP, Poh CF, Elwood JM, Williams M, Gallagher R, Macaulay C et al. New hope for an oral cancer solution: together we can make a difference. J Can Dent Assoc. 2008; 74:261-6.
2. Warnakulasuriya S. Global epidemiology of oral and oropharyngeal cancer. Oral Oncol 2009; 45:309-16.
3. Camargo-Cancela M, Voti L, Guerra-Yi M, Chapuis F, Mazuir F, Mazuir M et al. Oral cavity cancer in developed and in developing countries: population-based incidence. Head Neck 2010; 32: 357-67.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. [Internet] Rio de Janeiro: INCA; 2014. [acesso em 2014 mar 30]. Disponível em: .
5. Silva PSL, Leão VML, Scarpel RD. Caracterização da população portadora de câncer de boca e orofaringe atendida no setor de cabeça e pescoço em hospital de referência na cidade de Salvador - BA. Rev CEFAC. 2009; 11: 441-7.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal. Brasília; Ministério da Saúde; 2010. [acesso em 2014 mar 30]. Disponível em: .
7. Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot E. Patologias epiteliais. In: Patologia oral & maxilofacial. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2009, 388-425.
8. Hospital A.C. Camargo. Tipos de câncer. [Internet] São Paulo: 2014. [acesso em 2014 mar 30]. Disponível em: .
9. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Campanha de combate ao fumo alerta sobre malefícios do narguilé. [Internet] Brasília: Ministério da Saúde; 2012. [acesso em 2014 fev 2016]. Disponível em: .
10. Conway DI, Petticrew M, Marlborough H, Berthiller J, Hashibe M, Macpherson LM. Socioeconomic inequalities and oral cancer risk: a systematic review and meta-analysis of case-control studies. Int J Cancer. 2008; 122:2811-9.
11. Torres-Pereira C. Oral cancer public policies: is there any evidence of impact? Braz. Oral Res. 2010; 24 Suppl 1: 37-42.
12. Petti S. Lifestyle risk factors for oral cancer. Oral Oncol. 2009; 45:340-50.
13. Petersen PE. Oral cancer prevention and control—the approach of the World Health Organization. Oral Oncol. 2009; 45(4–5):454-60.
14. Marron M, Boffetta P, Zhang ZF, Zaridze D, Wünsch-Filho V, Winn DM et al. Cessation of alcohol drinking, tobacco smoking and the reversal of head and neck cancer risk. Int J Epidemiol. 2010; 39:182-96.
15. Czerninski R, Zini A, Sgan-Cohen HD. Lip cancer: incidence, trends, histology and survival: 1970-2006. Br J Dermatol. 2010;162(5):1103-9.
16.Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva 2000; 5:163-78.
17. Martins JS, Abreu SCC, Araújo ME, Bourget MMM, Campos FL, Grigoletto MVD et al. Estratégias e resultados da prevenção do câncer bucal em idosos de São Paulo, Brasil, 2001 a 2009. Rev Panamá Salud Pública 2012; 31:246-52.
18. Araújo CS, Lima RC, Peres MA, Barros AJD. Utilização de serviços odontológicos e fatores associados: um estudo de base populacional do Sul do Brasil. Cad Saúde Pública 2009; 25: 1063-72.
19. Sankaranarayanan R, Ramadas K, Thomas G, Muwonge R, Thara S, Mathew B et al. Oral Cancer Screening Study Group. Effect of screening on oral cancer mortality in Kerala, India: a cluster-randomized controlled trial. Lancet. 2005; 365(9475):1927-33.
20. Falcão MML, Alves TDB, Freitas VS, Coelho TCB. Conhecimento dos cirurgiões-dentistas em relação ao câncer bucal. RGO. 2010; 58:27-33.
21. Prieto L, Silva OMP, Accioly Júnior. H, Oliveira EF, Blachman IT. A re¬presentação social do câncer bucal para os profissionais de saúde e seus pacientes. Rev Odontol UNESP. 2005; 34: 185-91.
22. Rede Globo. Canal G1. Pacientes reclamam de demora em atendimento em pronto-socorro de Ribeirão Preto. [Internet] Jornal EPTV segunda edição, Ribeirão Preto, 7 mar. 2015. [acesso em 2016 mar 7]. Disponível em: <1 http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/jornal-da-eptv-2edicao//videos/v/pacientes-reclamam-de-demora-em-atendimento-em-pronto-socorro-de-ribeirao-preto/4233713/>.
23. Mota RR, David HM. Crescente escolarização do agente comunitário de saúde: uma indução do processo de trabalho? Trab Educ Saúde. 2010; 8:229-48.
24. Biazevic MGH, Castellanos RA, Antunes JLF, Michel-Crosato E. Tendências de mortalidade por câncer de boca e orofaringe no Município de São Paulo, Brasil, 1980/2002. Cad Saúde Pública 2006; 22:2105-14.
25. Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública 2007; 23:565-74.
26. Travassos C, Viacava F, Pinheiro R, Brito A. Utilização dos serviços de saúde no Brasil: gênero, características familiares e condição social. Rev Panamá Salud Pública 2002; 11:365-73.
27. Melo AUC, Albuquerque Júnior RLC, Melo MFB, Ribeiro CF, Santos TS, Gomes ACA. Análise das estimativas de incidência de câncer de boca no Brasil e em Sergipe (2000 - 2010). Odontol Clín Cient. 2012; 11: 65-70.
Publicado
2017-08-18
Como Citar
Voi, P. L. D., Restini, C. B. A., Lacerda, S. A. de, & Faria Júnior, M. (2017). Estratégias para resolutividade assertiva da campanha de diagnóstico e prevenção do câncer bucal. Arquivos Em Odontologia, 52(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3720
Seção
Artigos