Percepção de boca seca em adultos usuários de próteses removíveis

  • Monalisa Sena da Costa
  • Natália Spadini de Faria Universidade de Ribeirão Preto - UNAERP
  • Yara Terezinha Corrêa Silva Sousa
  • Silvio Rocha Corrêa da Silva

Resumo

Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar a percepção de boca seca em uma amostra de pacientes, de uma clínica de um curso de odontologia, usuários de próteses totais.

Métodos: Fizeram parte do estudo 80 pacientes, que responderam a um questionário com 12 questões que caracterizavam o participante e abordava a sensação de boca seca e como a pessoa a percebia. O questionário foi pré-testado antes de sua aplicação definitiva. A análise estatística foi realizada por meio do Teste Exato de Fischer para identificar a associação da xerostomia com as variáveis independentes, com nível de significância de 5%.

Resultados: Os participantes do estudo tinham, em média, 62,3 anos de idade e 55% eram do gênero feminino. Metade (50,0%) dos participantes percebiam a boca seca e 72,5% apresentavam alguma doença crônica, principalmente a hipertensão (36,1%) e a diabetes (17,1%) e estas doenças se refletiam na alta (78,8%) utilização de medicamentos de uso contínuo. Apresentavam hábitos bucais nocivos 38,8% dos participantes, principalmente o tabagismo e o bruxismo. A sensação de boca seca foi associada ao gênero, a presença de mau hálito, ao uso de medicamentos contínuos e a sensação de ardência na boca.

Conclusão: A partir dos dados coletados pode-se concluir que a xerostomia foi frequente na população estudada e deve ter impacto negativo na qualidade de vida dessas pessoas.

Descritores: Saliva. Xerostomia.

Publicado
2019-05-14
Seção
Artigos