Solidariedade, cooperação ou complementaridade? Incursões entre a perspectiva relacional e o planejamento territorial

Autores

  • Reinaldo Onofre dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..13327

Palavras-chave:

Planejamento Territorial, Perspectiva Relacional, Solidariedade Territorial

Resumo

O objetivo desse trabalho é qualificar e discutir a noção de solidariedade territorial sob a perspectiva relacional. O exercício exigiu uma passagem por algumas ideias que movem a sociologia relacional e a análise de redes sociais, passando pelos estudos desses campos para algumas notas sobre o conceito de redes geográficas. No planejamento territorial, regional ou urbano, a preocupação com as redes geográficas parte da complementaridade econômica e cooperação política, sem dar muita atenção à solidariedade territorial propriamente dita. A ênfase dos estudos é dada à promoção do desenvolvimento por meio do estabelecimento de laços entre as regiões menos integradas e o fortalecimento das interações intrarregionais, com fomento às conexões também fora da região. Mesmo que este processo possa partir de investimentos nos atributos das localidades para, por conseguinte, determinar as relações econômicas e socioespaciais, o que realmente se observa na realidade é o inverso. As políticas do espaço são resultado de relações sociais assimétricas e, por isso, o projeto a ser realizado não é fruto de um consenso, senão por meio do convencimento alienante ou ações autoritárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reinaldo Onofre dos Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Geografia - IGC/UFMG.

Referências

BENÉVOLO, L. As origens da urbanística moderna. Lisboa: Presença, 1981

CASTELLS, M.; BORJA, J. As Cidades como atores políticos. Novos Estudos, nº 45. São Paulo: CEBRAP. P. 152-166, 1996

CORRÊA, R. L. Interações espaciais. In: CASTRO, I. E de; GOMES, P. C da C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.) Explorações geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006, p. 279-318.

CORRÊA, Roberto Lobato. Trajetórias geográficas; 2ºed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001

COSTA, G.M.; COSTA, H.S.M.. Novas e velhas diferenças: desafios à gestão metropolitana do Vale do Aço. Cadernos de Geografia, v. 12, n. 18, 1o. sem. 2002. Belo Horizonte: Editora PUCMINAS, pp. 58 - 73

DEGENNE, A; FORSÉ, M. Introducing social networks. London: SAGE, 1999. 248p.

EMIRBAYER, M. Manifesto for a Relational Sociology. The American Journal of Sociology, vol. 103, nº2, set. 1997.

FRIEDMANN, J Planning in the public domain: from knowledge to action. Princeton 1987

GRANOVETTER, M. The Strength of Weak Ties. The American Journal of Sociology, vol. 78, nº6, may. 1973.

MARES GUIA, V. R.. A gestão na Região Metropolitana de Belo Horizonte: avanços e limites. In: Fernandes, E. (org) Direito urbanístico e política urbana no Brasil. Belo Horizonte: Del Rey, 2001 p. 407 – 426

MARQUES, E.; BICHIR, R.; PAVEZ, T.; ZOPPI, M.; MOYA, M.E.; PANTOJA, I. Redes Pessoais e Pobreza em São Paulo. In: DIAS, L. (org.) O uso das redes sociais nas ciências humanas. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007

MATOS, R.E.S.; BRAGA, F. Redes geográficas, redes sociais e movimentos da população do espaço. In: MATOS, R.E.S. (org) Espacialidades em rede: população, urbanização e migração no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: C/Arte Editora, 2005

QUANDT, C.;SOUZA,Q. Metodologia de análise de redes sociais. In: DUARTE, F; QUANDT, C; SOUZA, Q. (orgs.). O tempo das redes. São Paulo: Perspectiva, 2008. Pl31-64

RAVENSTEIN, E. G. As Leis da migração. Journal of the statistical society, 1885 In: MOURA, H. A. (coord) Migração Interna: textos selecionados. BNB/ ETENE, Fortaleza, 1980

ROLNIK, R.; SOMEKH, N. Governar as metrópoles: dilemas da recentralização. In: Gonçalves, M. F.; Brandão, C. A.; Galvão, A. C. (orgs). Regiões e cidades, cidades nas regiões: o desafio urbano-industrial. São Paulo: Editora UNESP/ANPUR, 2003, pp. 449 - 464.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Edusp, 2002

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. São Paulo: EDUSP; 2a edição (2004); 433 p.

SANTOS, R. O. Quis custodiet ipsos custodes? algumas notas sobre os agentes da organização do espaço urbano. In: XII Simpósio Nacional de Geografia Urbana, Belo Horizonte, 2011

SOUZA, M. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006

STEWART, John. Demographic gravitation: evidence and applications Sociometry, Vol. 11, No. 1/2 (Feb. - May, 1948), pp. 31-58

VAINER, C. B. Planejamento territorial e projeto nacional – os desafios da fragmentação. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 9, n. 1, maio de 2007, p. 9 – 23. (http://www. anpur.org.br/revistas/ rev_ANPUR_v9_ n1.pdf).

VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria. In: ARANTES; MARICATO & VAINER. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

2012-06-01

Como Citar

Santos, R. O. dos. (2012). Solidariedade, cooperação ou complementaridade? Incursões entre a perspectiva relacional e o planejamento territorial. Revista Geografias, 24–34. https://doi.org/10.35699/2237-549X.13327

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)