Análise de áreas suscetíveis a escorregamentos na bacia de drenagem de Fradinhos, Vitória/ES, frente ao Plano Diretor Urbano e uso e cobertura da terra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X%20.2018.19215

Palavras-chave:

Escorregamentos translacionais, Plano Diretor Urbano, Uso e cobertura da terra

Resumo

Escorregamentos em áreas urbanas são um problema ambiental que afeta socioeconomicamente a população residente. No Brasil, a região Sudeste é palco constante deste processo. Uma das tipologias de movimentos de massa mais recorrentes é a de escorregamentos translacionais, o qual também se manifesta em Vitória/ES. Em função disto analisou-se as áreas de suscetibilidade a escorregamentos translacionais na bacia de drenagem de Fradinhos, através do modelo SHALSTAB, levando em consideração o zoneamento definido pelo Plano Diretor Urbano de Vitória/ES e das classes de uso e cobertura da terra. As áreas de mais alta suscetibilidade estão associadas, principalmente, com as Zonas de Proteção Ambiental (ZPA) e Especiais de Interesse Social (ZEIS). A ZPA ocupa a maior área da bacia (76,3%) e tem as maiores frequências relativas entre todos os níveis de suscetibilidade a escorregamentos, com destaque para baixa e média (31,3% e 24,2%, respectivamente). A ZEIS tem suscetibilidade a escorregamentos variando entre baixa e incondicionalmente instável, com predominância desta última classe, com 1,9% da área total da bacia. Faz-se necessário limitar a expansão urbana para as encostas da bacia de drenagem de Fradinhos, já que a expansão urbana pode contribuir para o aumento das áreas de instabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, C P. Escorregamentos no Rio de Janeiro: inventário, condicionantes geológicas e redução do risco. 1996. 269 f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia Civil, Departamento de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade Católica do Rio

de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM). D3080/D3080M: Standard Test Method for Direct Shear Test of Soils Under Consolidated Drained Conditions. Montgomery County: ASTM, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9604:Abertura de poço e trincheira de inspeção em solo, com retirada de amostras deformadas e indeformadas. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL: Folha SF 23/24 Rio de Janeiro/Vitória. Rio de Janeiro, 780p. 1983.

______. Estatuto da Cidade. Lei 10257/2001. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7802.htm>. Acesso em: 20 jun. 2018.

COELHO, A. L. N. et al. Mapeamento geomorfológico do estado do Espírito Santo. IJSN, Vitória, (Nota Técnica 28), 21p. 2012.

COROMINAS, Jordi et al. Recommendations for the quantitative analysis of landslide risk. Bulletin of Engineering Geology and the Environment, v. 73, n. 2, p. 209–263, 2014.

COUTO, J. O. N. INVENTÁRIO DOS MOVIMENTOS DE MASSA DA BACIA DE DRENAGEM DE FRADINHOS-ES. 94 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel) – Curso de Geografia, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. 2018.

COMPANHIA DE PESQUISAS DE RECURSOS MINERAIS. GEOBANK. Disponível em: <http://geobank.cprm.gov.br/>. Acesso em: 18 maio 2015.

CUNHA, A. D. M.; FEITOZA, H. N.; FEITOZA, L. R.; OLIVEIRA, F. S.; LANI, J. L.; CARDOSO, J. K. F.; TRINDADE, F. S. ATUALIZAÇÃO DA LEGENDA DO MAPA DE RECONHECIMENTO DE SOLOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E IMPLEMENTAÇÃO DE INTERFACE NO GEOBASES PARA USO DOS DADOS EM SIG. Geografares, 2(22), 32–65. 2016.

EFFGEN, J. F. SUSCETIBILIDADE A ESCORREGAMENTOS TRANSLACIONAIS NA BACIA DE DRENAGEM DE FRADINHOS, VITÓRIA/ES. 120 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Geografia, Departamento de Geografia, Universidade

Federal do Espírito Santo, Vitória.2018.

ENVIRONMENTAL SYSTEM RESEARCH INSTITUTE (ESRI). (2015).ArcMap 10.3. Disponível em: <http://www.esri.com>. Acesso em: 20 jun. 2015.

FERNANDES, N. F. (2016). Modelagem em Geografia Física: Teoria, Potencialidades e Desafios. Espaço Aberto, v. 6, n. 1, p. 209-247.

FERNANDES, N. F.; AMARAL, C. P. Movimentos de Massa: Uma abordagem geológico-geomorfológica. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Org.). Geomorfologia e Meio Ambiente. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro: pp. 123-194. 2011.

FERNANDES, N. F.; GUIMARÃES, R. F.; GOMES, R. A. T.; VIEIRA, B. C.; MONTGOMERY, D. R.; GREENBERG, H. Condicionantes Geomorfológicos dos Deslizamentos nas Encostas: Avaliação de Metodologias e Aplicação de Modelo de Previsão de Áreas Susceptíveis. Revista Brasileira de Geomorfologia, S.l., v. 2, n. 1, p.51-71, jul. 2001. Disponível em: <http://www.ugb.org.br/home/

artigos/SEPARATAS_RBG_Ano_2001/Revista2_Artigo05_2001.pdf>. Acesso em: 09 nov. 2015.

______. Topographic controls of landslides in Rio de Janeiro: field evidence and modeling. Catena, [s.l.], v. 55, n. 2, p.163-181, jan. 2004. Elsevier BV. http:// dx.doi.org/10.1016/s0341-8162(03)00115-2. Disponível em: <http://gis.ess.

washington.edu/grg/publications/pdfs/Fernandes_et_al.pdf>. Acesso em: 09 nov. 2015.

GOLDEN SOFTWARE. Surfer™ 14. Disponível em:<http://www.goldensoftware. com/products/surfer>. Acesso em: 10 ago. 2017.

GOULART, A. C. O. Condicionantes geoambientais na evolução do relevo de um Maciço Costeiro. 2005. 215 f. Tese (Doutorado) - Curso de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

GUERRA, A. J. T. Encostas urbanas. In: Geomorfologia Urbana. GUERRA, A. J. T. (org.). Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 13-42. 2011.

GUIDICINI, G; NIEBLE, C.M. Estabilidade de taludes naturais e de escavação. Blucher, São Paulo. 1983.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Manual Técnico de Uso da Terra. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. Disponível em:<http://downloads.ibge.gov.br/downloads_geociencias.htm>. Acesso em: 06 jun. 2016.

______. Vitória. Disponível em: <http://cod.ibge.gov.br/96J>. 2016. Acesso em: 13 set. 2016.

______. Portal de Mapas. Disponível em: <http://portaldemapas.ibge.gov.br/ portal.php#homepage>. 2017. Acesso em: 01 fev. 2017.

______. Evolução da divisão territorial do Brasil 1872-2010: Evolução da população urbana. [2010]. Disponível em: <https://geoftp.ibge.gov.brorganizacao_do_territorio/estrutura_territorial/evolucao_da_divisao_territorial_

do_brasil_1872_2010/evolucao_da_populacao_urbana_mapas.pdf>. Acesso em:02 out. 2018.

INSTITUTO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS (IEMA). Governo do Estado do Espírito Santo. Ortofotomosaico do Espírito Santo, 2012. 2012a. Colorida, resolução espacial de 0,25m.

______. Curvas de Nível e Pontos Cotados do Espírito Santo, 2012. 2012b. 5m de equidistância.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (IPT). Ocupação de encostas. IPT, São Paulo, 216p. 1991.

LISTO, F. L. R.; VIEIRA, B. C. Mapping of risk and susceptibility of shallowlandslide in the city of São Paulo, Brazil. Geomorphology, v. 169–170, p. 30– 44, out. 2012. Disponível em:<http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0169555X12000311>. Acesso em: 28 fev. 2017.

MARTINS, T. D.; VIEIRA, B. C.; FERNANDES, N. F.; OKA-FIORI, C.; MONTGOMERY, D. R. Application of the SHALSTAB model for the identification of areas susceptible to landslides: Brazilian case studies. Revista de Geomorphologie, v. 19, p. 136–144, 2017. Acesso em: 02 fev. 2018.

MELO, C. M.; KOBIYAMA, M. APLICAÇÃO DO MODELO SHALSTAB NO ESTUDO DE ESCORREGAMENTOS NO BRASIL: REVISÃO. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 19, n. 4, 1 out. 2018. Disponível em: <http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php/rbg/article/view/1372>. Acesso em: 10 out. 2018.

MENON JÚNIOR, W.; ZAIDAN, R. T. CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DA TERRA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO YUNG (JUIZ DE FORA-MG) COM A LEGISLAÇÃO DE PARCELAMENTO DO SOLO E SUA EVOLUÇÃO ENTRE OS ANOS 1968 E 2010. Formação (Online), v. 3, n. 23, p. 217–247, 2016a.

______. Mapeamento de estabilidade de encostas: o caso da bacia hidrográfica do córrego Yung (Juiz de Fora - MG). Revista de Geografia, v. 6, n. 2, 2016b.

MICROSOFT. Pacote Office 365. [s.l.]: Microsoft, 2018.

MONTGOMERY, D. R.; DIETRICH, W. E. A physically based model for the topographic control on shallow landsliding. Water Resources Research, v. 30, n. 4, p.1153- 1171. 1994.

O’LOUGHLIN, E. M. Prediction of Surface Saturation Zones in Natural Catchments by Topographic Analysis. Water Resources Research, v. 22, n. 5, p.794-804, maio 1986.

SALAROLI, I. S. Movimentos de massa no município de Vitória-ES: Inventário, caracterização e indicativos de um modelo comportamental. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Espírito

Santo, Vitória. 2003.

SELBY, M. J. Hillslope materials and processes. 2. ed. Oxford University Press Inc., New York, 451 p. 1993.

SILVA, E. L.; GOMES, R. A. T.; GUIMARÃES, R. F.; CARVALHO JÚNIOR, O. A. Emprego de modelo de susceptibilidade a escorregamentos rasos para gestão de riscos de desastres no município de Vitória-ES. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 25, n. 1, p. 119-132, Abr. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-45132013000100010&lng=en&nr m=iso>. Acesso em: 25 maio 2015.

TARBOTON, D. G. ______. Terrain Analysis Using Digital Elevation Models (TauDEM). Disponível em:<http://hydrology.usu.edu/taudem/taudem5/>. Acesso em: 07 dez. 2015.

TOMINAGA, L. K. Escorregamentos. In: TOMINAGA, L. K.; SANTORO, J.; AMARAL, R. (Org.). Desastres Naturais: conhecer para prevenir. Instituto Geológico, São Paulo, pp. 11-24.

VASCONCELOS, J. O. Vitória: um roteiro de 2 dias para conhecer a cidade. 2017. Disponível em: <https://blogdestinoes.com.br/vitoria-roteiro-2-dias/>. Acesso em: 09 set. 2018.

VIEIRA, B. C. (2007). Previsão de escorregamentos translacionais rasos na Serra do Mar (SP) a partir de modelos matemáticos em bases físicas. 213 f. Tese (Doutorado) - Curso de Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

VITÓRIA (Município). Lei nº 9271, de 21 de maio de 2018. Plano Diretor Urbano do Município de Vitória. 2018a. Vitória, ES, Disponível em: <http://www.vitoria. es.gov.br/minhavitoriapdu.php>. Acesso em: 24 maio 2018.

______. Plano de contingência do município de Vitória/ES. Vitória. 42 p. 2013.

______. Vitória em Dados. 2018b. Vitória. Disponível em: <http://legado.vitoria. es.gov.br/regionais/home.asp>. Acesso em: 02 out. 2018.

______. Laudos Geológico-Geotécnicos: 1999-2015. 2016. Vitória. Obs.: obtidos diretamente com a Secretaria, via Sr. Nelson Almeida, em 2016.

YAMAMOTO, J. K.; LANDIM, P. M. B. Geoestatística: conceitos + aplicações. SãoPaulo: Oficina de Textos, 2013. 2. ed. 215p.

ZAIDAN, R. T. RISCOS DE ESCORREGAMENTOS NUMA BACIA DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA – MG. 113 f. Tese (Doutorado) – Curso de Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2006.

ZAIDAN, R. T.; FERNANDES, N. F. ZONEAMENTO DE SUSCEPTIBILIDADE A ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS APLICADO À BACIA DE DRENAGEM URBANA DO CÓRREGO DO INDEPENDÊNCIA - JUIZ DE FORA (MG). Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 10, n. 2, p. 57–76, 2009.

_______. Análise de risco de escorregamentos nas encostas edificadas da bacia de drenagem urbana do córrego do Independência - Juiz de Fora (MG). Revista de Geografia, v. 5, n. 1, p. 17–32, 2015.

Downloads

Publicado

2020-02-05

Como Citar

Effgen, J. F. ., Couto, J. O. N. do ., & Marchioro, E. . (2020). Análise de áreas suscetíveis a escorregamentos na bacia de drenagem de Fradinhos, Vitória/ES, frente ao Plano Diretor Urbano e uso e cobertura da terra. Revista Geografias, 26(1), 57–72. https://doi.org/10.35699/2237-549X .2018.19215

Edição

Seção

Artigos