O espaço de batalha urbicida na cidade do Rio de Janeiro

Autores

  • Márcio José Mendonça UFES

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X%20.2021.25529

Palavras-chave:

Militarização, Guerra Urbana, Espaço de Batalha, Urbicídio, Rio de Janeiro

Resumo

O artigo operando, metodologicamente, pelos conceitos de espaço de batalha e urbicídio mostra que o espectro urbano de militarização da cidade do Rio de Janeiro, não pode mais ser concebido numa concepção “tradicional” de superfície, seja esta zonal ou em rede, mas deve ser inteligível como um todo, isto é, como um volume, levando em conta seus múltiplos rearranjos espaciais e novas formas de desapropriação violenta, que caracterizam o urbicídio e evidenciam a configuração da cidade, se não no todo, pelo menos de certas áreas, espacialmente segregadas, em espaços de batalha complexos. O Rio de Janeiro ilustra, justamente, esse cenário complexo de sobreposição de escalas e reorganização dos territórios, associando representações e ações, no espaço e territórios, que questionam a abordagem da noção horizontal da geografia, da cartografia clássica. Para elucidar essas mudanças territoriais propomos um modelo espacial de compreensão da atual dinâmica de militarização da cidade, em perspectiva tridimensional, construído de maneira intuitiva, que se revela original e questionador das formas tradicionais de conceber o espaço como território em disputa por diferentes grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COWARD, Martin. Urbicide in Bosnia. In: GRAHAM, Stephen (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ldt., 2004, p. 154-171.

______. Urbicide: the politics of urban destruction. Nova York: Routledge, 2009.

ELDEN, Stuart. Land, terrain, territory. Progress in Human Geography, v. 34, p.799-817, abril. 2010.

GRAHAM, Stephen. Cities as strategic sites: places annihilation and urban geopolitics In: ____(Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004a. p. 31-53.

GRAHAM, Stephen. Cities under siege: the new military urbanism. Londres: Verso, 2011.

______. Constructing urbicide by bulldozer in the occupied territories. In: ____. Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004b. p. 192-213.

______. Introduction: cities, warfare, and states of emergency. In: ____. Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004c. p. 1-25.

______. Vertical geopolitics: Baghdad and after. Antipode: a radical journal of geography, v. 36, p. 12-23, 2004d.

HAESBAERT, Rogério O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

______. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MENDONÇA, Márcio José. A cidade como espaço de batalha: de Gaza ao Rio de Janeiro. Geousp – Espaço e Tempo, v. 21, n. 3, p. 685-702, 2017.

______. A cidade como espaço de batalha urbicida. 2019. 309 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2019a.

______. Geografia do policiamento aéreo nas metrópoles brasileiras. GeoTextos, v. 15, n. 1, p. 89-111, 2019b.

______. Militarização volumétrica no Rio de Janeiro: entre o tráfico de drogas e o policiamento. GEOgraphia, v. 20, n. 44, p. 71-83, 2018.

SHAW, Martin. New wars of the city: relationship of “urbicide” and “genocide”. In: GRAHAM, Stephen (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ldt., 2004, p. 141-153.

SOUZA e SILVA, Jailson de; FERNANDES, Fernando; BRAGA, Raquel. Grupos criminosos armados com domínio de território: reflexões sobre a territorialidade do crime na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. In: Justiça Global. Segurança, tráfico e milícia no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2008, p. 16-24.

SOUZA, Marcelo Lopes de. A prisão e a ágora: reflexões em torno da democratização do planejamento e da gestão das cidades. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

______. Cidade e militarização, de “norte” a “sul”. In: GRAHAM, Stephen. Cidades sitiadas: o novo urbanismo militar. São Paulo: Boitempo, 2016.

______. Fobópole: o medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

______. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CORRÊA, Roberto Lobato; GOMES, Paulo C. da Costa; CASTRO, Iná Elias de (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009, p. 77-116.

WEIZMAN, Eyal. Hollow land: Israel’s architecture of occupation. Nova York: Verso, 2012.

______. Strategic points, flexible lines, tense surfaces, and political volumes: Ariel Sharon and the geometry of occupation. In: GRAHAM, Stephen (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ldt., 2004. p. 172-191.

______. The politics of verticality. 2002. Texto de 11 partes disponibilizado entre 23 de abril e 01 de maio de 2002. In: Open Democracy. Disponível em: < http://www.opendemocracy.net/ecology-politicsverticality/article_801.jsp>. Acesso em: 26 de mar. 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Como Citar

Mendonça, M. J. (2021). O espaço de batalha urbicida na cidade do Rio de Janeiro. Revista Geografias, 29(1), 23–42. https://doi.org/10.35699/2237-549X .2021.25529

Edição

Seção

Artigos