MEMÓRIAS DE RESISTÊNCIA

Autores

  • Carlos Roberto Drawin Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia de Belo Horizonte / Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

movimento estudantil, Ação Popular, ditadura militar  no Brasil

Resumo

A primeira parte do artigo contém uma reflexão sobre o estatuto filosófico da memória, valendo-se principalmente das contribuições de Paul Ricouer, a quem perturbava o “inquietante espetáculo que apresentam o excesso de memória aqui, o excesso de esquecimento acolá”. A partir desse quadro teórico, recorda-se a sua atuação no movimento estudantil belo-horizontino, que teve na FAFICH um dos seus principais esteios — atuação iniciada em 1967, a qual o levou posteriormente a ingressar na organização de esquerda AP (Ação Popular), no âmbito da qual participou em muitos episódios de combate à ditadura militar, instalada em 1964 no Brasil, a qual entrava numa fase de recrudescimento da repressão em 1968 com a decretação do AI-5. Destacase nesse texto não apenas o interesse sócio-político do relato, mas também a sua contribuição para a memória do departamento de filosofia da FAFICH, na medida em que narra sobre a sua experiência, inicialmente, de aluno e, posteriormente de professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARREGUY, Clara. “Fafich”. Belo Horizonte: Conceito editorial, 2014.

DOSSE, François. “O desafio biográfico. Escrever uma vida”. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

FREUD, Sigmund. “Luto e melancolia”. In: “Obras Completas”. V. 12. Tradução e notas de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

JERVOLINO, Domenico. “Introdução a Ricoeur”. São Paulo: Paulus, 2011.

MEDEIROS FILHO, Barnabé. “1964: o golpe que marcou a ferro uma geração”. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 2014.

RICOEUR, Paul. “A memória, a história o esquecimento”. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

RICOEUR, Paul. “Tempo e narrativa. V.1: a intriga e a narrativa histórica”. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010 a.

RICOEUR, Paul. “Tempo e narrativa. V.3: o tempo narrado”. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010 b.

ROBIN, Régine. “A memória saturada”. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2016.

VALLE, Maria Ribeiro do. “1968: o diálogo é a violência. Movimento estudantil e ditadura militar no Brasil”. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2008.

Downloads

Publicado

2021-01-28