‘QUARUP’: A ‘DESEDUCAÇÃO’ DO PÚBLICO

Autores

  • Sérgio Alcides Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Antonio Callado, romance brasileiro, ditadura militar, engajamento político

Resumo

O romance Quarup, de Antonio Callado, publicado em 1967, marcou o ambiente cultural e o debate público sobre o papel da intelectualidade diante da crise política vivida no Brasil desde o golpe militar de 1964. Tem sido observada nesse livro a oscilação entre a utopia e o desencanto. No entanto, a pesquisa sobre a sua primeira recepção mostra que o polo desencantado inicialmente não despertou tanta atenção quanto o apelo ao engajamento político do intelectual, no sentido proposto por Jean-Paul Sartre. Este artigo discute esse fato a partir da análise de alguns dos principais aspectos do contexto da publicação do romance.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, M. de. “Macunaíma. O herói sem nenhum caráter”. Edição crítica coordenada por T. P. A. Lopez. Paris, Brasília: Association Archives de la littérature latino-américaine, des Caraïbes et africaine du XXe siècle, CNPq, Col. Archives, 1988.

ARRIGUCCI JR., D. “O sumiço de Fawcett”. In: “Outros achados e perdidos”. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARRUDA CALLADO, A. “Antonio Callado: cadeira 8, ocupante 4”. Rio de Janeiro, São Paulo: Academia Brasileira de Letras, Imprensa Oficial, Série Essencial, 2012.

ARRUDA CALLADO, A. (ed.). “Antonio Callado: fotobiografia”. Recife: Cepe, 2013.

DEBRAY, R. “Révolution dans la révolution? Lutte armée et lutte politique en Amérique Latine en 1966”. Paris: Maspero, 1967.

CADERNO B. “Quarup. A dança do Brasil de hoje”. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 1 de agosto de 1967, “Caderno B”, p. 5.

CALLADO, A. “O esqueleto na lagoa verde. Um ensaio sobre a vida e o sumiço do Coronel Fawcett”. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação do Ministério da Educação e Saúde, 1953.

______. “Assunção de Salviano”. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954.

______. “A madona de cedro”. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

______. “Pedro Mico e Colar de coral (teatro)”. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro do Ministério da Educação e Cultura, 1957a.

______. “Os industriais da seca e os ‘galileus’ de Pernambuco”. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1960.

______. “Tempo de Arraes. Padres e comunistas na revolução sem violência”. Rio de Janeiro: José Álvaro Editor, 1964.

______. “Quarup”. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

______. “A revolução na revolução?” Jornal do Brasil, 17 de junho de 1967a, “Suplemento do Livro”, p. 3.

______. “Antonio Callado fala sobre ‘Quarup’”. Entrevista. Diário de Notícias. Rio de Janeiro, 23 de julho de 1967b, “2ª Seção”, p. 2.

______. Texto de “orelha”. In: CONY, C. H. “Matéria de memória”. 3ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

______. “Dois livros que saíram da prisão”. Folha de S. Paulo, 4 de abril de 1993, “Livros”, p. 11.

______. “Quarup”. 23ª edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 2014.

CONY, C. H. “Pessach: a travessia”. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

______. “Matéria de memória”. 3ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

______. “‘Quarup’ percorre dez anos de história brasileira não-oficial”. Folha de S. Paulo, 4 de abril de 1993, “Livros”, p. 11.

CORTINA, A. “Leitor contemporâneo: os livros mais vendidos no Brasil de 1966 a 2004”. Tese de livre-docência. Araraquara SP: Unesp, 2006.

CHIAPPINI, L. “Antonio Callado e os longes da pátria”. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

FERNANDES, M. “Vis-à-vis, homem e obra”. Correio da Manhã, 10 de agosto de 1967, “2º Caderno”, p. 1.

GULLAR, F. “‘Quarup’, ou ensaio de deseducação para brasileiro virar gente”. Revista da Civilização Brasileira 15. Rio de Janeiro, setembro de 1967.

HABERMAS, J. “The Structural Transformation of the Public Sphere. An Inquiry into a Category of Bourgeois Society”. Tradução de T. Burger. Cambridge MA: MIT Press, 1992.

JARDIM, E. “Tudo em volta está deserto. Encontros com a literatura e a música na época da ditadura”. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017.

KOSELLECK, R. “Crítica e crise”. Tradução de L. Villas Bôas. Rio de Janeiro: UERJ/Contraponto, 1999.

KUSHNIR, B. “Depor as armas: a travessia de Cony e a censura no Partidão”. In: REIS FILHO, D. A. (ed.). “Intelectuais, história e política: séculos XIX e XX”. Rio de Janeiro: 7Letras, 2000.

LEMOS, R. “Artur da Costa e Silva”. In: ABREU, A. A. de (ed.). “Dicionário históricobiográfico brasileiro”. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, CPDOC, 2001. Disponível em http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/arturda-costa-e-silva. (Acessado em 5 de fevereiro de 2020).

LIMA, N. T., & HOCHMAN, G. “Pouca saúde, muita saúva, os males do Brasil são... Discurso médico-sanitário e interpretação do país”. Ciência & Saúde Coletiva 5, 2, 2000.

LIMA SOBRINHO, B. “Entre o romance e o jornalismo”. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 4 de setembro de 1967, p. 6.

MELLO E SOUZA, G. de. “O tupi e o alaúde. Uma interpretação de ‘Macunaíma’”. 2ª edição. São Paulo: Editora 34, Duas Cidades, 2003.

MORAES, E. de. “‘Quarup’”. Diário de Notícias. Rio de Janeiro, 15 de julho de 1967, “2ª Seção”, p. 3.

NODARI, A. “Virar o virá, virá o virar”. In PENNA, J. C. “O tropo tropicalista”. Rio de Janeiro: Circuito/Azougue, 2008, pp. 9-19.

OLIVEIRA, F. de. Texto de “orelha”. In: CALLADO, A. “Quarup”. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

OLIVEIRA, J. C. “‘Pessach’”. Jornal do Brasil, “Caderno B”. Rio de Janeiro, 9 de junho de 1967a, p. 3.

RIDENTI, M. “Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV”. São Paulo: Unesp, 2016.

SARTRE, J.-P. “Présentation des Temps Modernes” (1945). In: ______. “Situations, II. Littérature et engagement”. Paris: Gallimard, 1948.

TAYLOR, C. “Modern Social Imaginaries”. Durham NC: Duke UP, 2004.

VENTURA, Z. “1968, o ano que não terminou”. 3ª edição, revista. São Paulo: Planeta do Brasil, 2008.

Downloads

Publicado

2021-01-28