O PROBLEMA DA PENETRABILIDADE COGNITIVA DA PERCEPÇÃO: UM CASO DE VÍCIO INTELECTUAL?

Autores

  • José Renato Salatiel Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Penetrabilidade cognitiva da percepção, epistemologia da virtude, percepção, justificação epistêmica, vícios intelectuais

Resumo

A percepção, o modo pelo qual sentimos o mundo, é comumente distinta da cognição, o modo pelo qual o pensamos. Entretanto, a percepção parece exercer um papel importante na justificação de crenças empíricas, ainda que haja divergência a respeito de como isso ocorre. A hipótese da penetrabilidade cognitiva da percepção problematiza ambas essas afirmações. Segundo essa teoria, estados cognitivos anteriores podem afetar a etiologia do conteúdo sensório da experiência, gerando, como efeito, uma espécie de insensibilidade aos estímulos externos. Como resultado, lançam-se suspeitas quanto à isenção do “tribunal” da experiência. Este artigo tem o propósito de discutir casos de má penetrabilidade cognitiva como consequências de vícios intelectuais. Vícios intelectuais são traços de caráter, como dogmatismo e preconceito, que impedem o exercício apto e responsável da inquirição e outras práticas epistêmicas. Essa abordagem tem a dupla vantagem de, por um lado, elucidar esse “comércio ilegal” entre percepção e cognição, e por outro, responder ao problema da circularidade epistêmica, causado pela penetrabilidade cognitiva da percepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAEHR, J. “The inquiring mind: On intellectual virtues and virtue epistemology”. Oxford: Oxford University Press, 2011.

BATTALY, H. “Virtue epistemology”. Philosophy Compass, Vol. 3, Nr. 4, pp. 639-663, 2008.

______. “Can closed-mindedness be an intellectual virtue?”. Royal Institute of Philosophy Supplement, Vol. 84, pp. 23-45, 2018.

CASSAM, Q. “Vice epistemology”. The Monist, Vol. 99, pp. 159-180, 2016.

GASCÓN, J. Á. “Pursuing objectivity: How virtuous can you get?”. OSSA Conference Archive, Nr. 137, 2016. [Online] Disponível em https://scholar.uwindsor.ca/ossaarchive/OSSA11/papersandcommentaries/137. Acessado em 31 de agosto de 2019.

GEORGAKAKIS, C.; MORETTI, L. “Cognitive penetrability of perception and epistemic justification”. The Internet Encyclopedia of Philosophy (IEP), 2019. [Online] Disponível em https://www.iep.utm.edu/cog-pene/. Acessado em 19 de maio de 2019.

HAACK, S. “Evidence and inquiry: Towards reconstruction in epistemology”. Malden: Blackwell Publishing, 1993.

HOOKWAY, C. “How to be a virtue epistemologist”. In: DePAUL, M., ZAGZEBSKI, L. (eds.). Intellectual virtue: Perspectives from ethics and epistemology. Oxford/New York: Oxford University Press, 2003. pp. 149-60.

HUEMER, M. “Compassionate phenomenal conservatism”. Philosophy and Phenomenological Research, Vol. 74, Nr. 1, pp. 30-55, 2007.

MACPHERSON, F. “Redefining illusion and hallucination in light of new cases”. Philosophical Issues, Vol. 26, Nr. 1, pp. 263-296, 2016.

MOURA, C. “PM confunde guarda-chuva com fuzil e mata garçom no Rio, afirmam testemunhas”. El País. Rio de Janeiro, 19 set. 2018. [Online] Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/19/politica/1537367458_048104.html. Acessado em 16 de julho de 2019.

PAYNE, K. B. “Prejudice and perception: The role of automatic and controlled processes in misperceiving a weapon”. Journal of Personality and Social Psychology, Vol. 81, Nr. 2, 181, pp. 181-192, 2001.

PYLYSHYN, Z. “Things and places: how the mind connects with the world”. Cambridge, MA: MIT Press/ Bradford Book, 2007.

RAFTOPOULOS, A. “Cognition and perception”. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2009.

______. “Cognitive penetrability and the epistemic role of perception”. Switzerland: Palgrave Macmillan, 2019.

SIEGEL, S. “Cognitive penetrability and perceptual justification”. Noûs, Vol. 46, Nr. 2, pp. 1-22, 2011.

______. “The epistemic impact of the etiology of experience”. Philosophical Studies, Vol. 162, Nr. 3, pp. 697-722, 2012.

______. “How is wishful seeing like wishful thinking?”. Philosophy and Phenomenological Research, Vol. 95, Nr. 2, pp. 408-435, 2016.

______. “The rationality of perception”. Oxford: Oxford University Press, 2017.

SILINS, N. “Cognitive penetration and the epistemology of perception”. Philosophy Compass, Vol. 11, Nr. 1, pp. 24-42, 2016.

TABAK, B. Policial do Bope confunde furadeira com arma e mata morador do Andaraí. G1 RJ. Rio de Janeiro, 19 maio 2010. [Online] Disponível em http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2010/05/policial-do-bope-confunde-furadeira-com-arma-e-matamorador-do-andarai.html. Acessado em 03 de agosto de 2019.

TUCKER, C. “If dogmatists have a problem with cognitive penetration, you do too”. Dialectica, Vol. 68, Nr. 1, pp. 35-62, 2014.

ZAGZEBSKI, L. T. “Virtues of the mind: An inquiry into the nature of virtue and the ethical foundations of knowledge”. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

Downloads

Publicado

2021-06-08

Como Citar

Salatiel, J. R. (2021). O PROBLEMA DA PENETRABILIDADE COGNITIVA DA PERCEPÇÃO: UM CASO DE VÍCIO INTELECTUAL?. Revista Kriterion, 61(147). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/kriterion/article/view/34479

Edição

Seção

Artigos