METAFÍSICA TEÓRICA E METAFÍSICA PRÁTICA EM SCHOPENHAUER À LUZ DA INFLUÊNCIA DE FRANCIS BACON

Autores

  • Luan Corrêa da Silva Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Metafísica teórica, metafísica prática, magia, Schopenhauer, Bacon

Resumo

O presente artigo tem por objetivo caracterizar a “metafísica prática” em Schopenhauer. Segundo essa caracterização, a metafísica prática corresponde ao correlato prático da “metafísica teórica” e, desse modo, ao correlato empírico do discurso filosófico. Para Schopenhauer, isto equivale a afirmar a possibilidade de comprovação, via experiência, da tese metafísica fundante de “O mundo como vontade e como representação”, a saber, da identidade metafísica da vontade subjacente ao plano da multiplicidade aparente. Por funcionar como uma espécie de prova empírica desta tese metafísica, a metafísica prática é também Experimentalmetaphysik, isto é, “metafísica experimental”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES. “Metafísica”. Texto Grego com tradução ao lado. Ensaio Introdutório de Giovanni Reale. Tradução portuguesa de Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 2002.

BACON, F. “Novum Organum”. With introdution, notes by Thomas Fowler, D.D., F.S.A, second edition. Oxford: At the Clarendon Press, 1889.

_____. “De Augmentis Scientarum”. In: The Works of Francis Bacon, Baron of Verulam, Viscount St. Alban, and Lord High Chancellor of England (14 vols.) Collected and edited by James Spedding, Robert Leslie Ellis and Douglas Denon Heath. London, 1857-1874; facsimile reprint Stuttgart-Bad Cannstatt, 1961a. Vol. II, pp. 73-503, Vol. III, pp. 7-192.

_____. “Of the dignity and advancement of leraning”. In: The Works of Francis Bacon, Baron of Verulam, Viscount St. Alban, and Lord High Chancellor of England (14 vols.) Collected and edited by James Spedding, Robert Leslie Ellis and Douglas Denon Heath. London, 1857–1874; facsimile reprint Stuttgart-Bad Cannstatt, 1961b. Vol. VIII, pp. 385-520, Vol. IX, pp. 13-378.

_____. “O progresso do conhecimento”. Tradução, apresentação e notas Raul Fiker. São Paulo: Ed. UNESP, 2007.

BRUN, J. “Schopenhauer et le Magnétisme”. Schopenhauer-Jahrbuch, Bd. 69, pp. 155-167, 1988.

CHASTENET, A.-M.-J. de. (Marquês de Puysegur). “Memórias para servir à história e ao desenvolvimento do magnetismo animal”. Idealização e Realização Jacob Melo, tradução de Cleone Teodoro Reis. Fortaleza: Premius, 2015.

FLORSCHÜTZ, G. “Schopenhauer und die Magie – die praktische Metaphysik?”. Schopenhauer-Jahrbuch, Bd. 93, pp. 471-484, 2012.

KANT, I. “Prolegômenos a toda metafísica futura que queira se apresentar como ciência”. Lisboa: Edições 70, 1988.

LÓPEZ, D. “Die Magie in Schopenhauers Metaphysik: ein Weg, um uns als “magisches Nichts” zu erkennen”. Schopenhauer-Jahrbuch, Bd. 95, pp. 159-166, 2014.

MESMER, F. A. “Memória de F. A. Mesmer, doutor em medicina, sobre suas descobertas (1799)”. In: FIGUEIREDO, P. H. Mesmer, a ciência negada e os textos escondidos. Tradução do francês dos textos de Mesmer de Álvaro Glerean. Bragança Paulista: Lachâtre, 2005. pp. 509-564.

PRADO, J. L.P. do. “Metafísica e ciência: a analogia da vontade entre o micro e o macrocosmo”. 2019. 415 f. Tese (Doutorado em Filosofia). Departamento de Filosofia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

RIVERA, A. F. “Los sueños de un idealista explicados por los sueños de la parapsicologia”. Schopenhaueriana. Revista española de estudios sobre Schopenhauer, Nr. 2, 2017.

ROSSI, P. “Francis Bacon: De magia à ciência”. Tradução Aurora Fornoni Bernardini. Londrina: Eduel, Curitiba: Ed. UFPR, 2006.

ROSU, D.-C. “From Natural History to Natural Magic: Francis Bacon”s Sylva Sylvarum”. 2013. Doctoral Thesis from Radboud University Nijmegen and from the University of Bucharest, Bucharest, 2013.

SCHOPENHAUER, A. “Sämtliche Werke”. Hrsg. von Paul Deussen. München: Piper Verlag, 1911-1942a. 16 Bände.

_____. “Ensayo sobre la visión de espectros y lo que se relaciona com ella”. In: Parerga y Paralipomena I. Trad. Pilar López de Santa Maria. Madrid: Trotta, 2006. pp. 249-327.

_____. “Sobre a filosofia e seu método”. Organização e tradução F. C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2010.

_____. “Sobre a visão e as cores”. Tradução de E. J. Paschoal. São Paulo: Nova. Alexandria, 2003.

_____. “Sobre a vontade na natureza”. Tradução, prefácio e notas de G. V. Silva. Porto Alegre: L&PM, 2013.

_____. “O mundo como vontade e como representação, 1º tomo”. Tradução, apresentação, notas e índices de J. Barboza. 2. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2015a.

_____. “O mundo como vontade e como representação, segundo tomo: Suplementos aos quatro livros do primeiro tomo”. Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. São Paulo: Ed. Unesp, 2015b.

_____. “Über die vierfache Wurzel des Satzes vom zureichenden Grunde“. In: Sämtliche Werke. Hrsg. von Paul Deussen. München: Piper Verlag, 1911-1942b. Bande 3. p. 101-268.

SILVA, L. C. da. “Metafísica prática em Schopenhauer”. 2017. 177 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Departamento de Filosofia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017a.

_____. “Schopenhauer e a magia”. Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, Vol. 8, Nr. 1, pp. 19-46, 2017b.

Downloads

Publicado

2021-06-08

Como Citar

Corrêa da Silva, L. (2021). METAFÍSICA TEÓRICA E METAFÍSICA PRÁTICA EM SCHOPENHAUER À LUZ DA INFLUÊNCIA DE FRANCIS BACON. Revista Kriterion, 61(147). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/kriterion/article/view/34480

Edição

Seção

Artigos