NIETZSCHE E O NASCIMENTO DA ÓPERA A PARTIR DO ESPÍRITO ALEXANDRINO

Autores

Palavras-chave:

Nietzsche, Lindner, Ópera, Tragédia, Alexandrino

Resumo

O artigo pretende apresentar a origem da ópera moderna, no pensamento do jovem Nietzsche, em paralelo ao nascimento da tragédia grega antiga com cuja comparação pretendemos mostrar como se dá a formação da primeira sob a insígnia de uma restrição pulsional. A ideia é apresentar a origem da ópera, como Nietzsche a entendia a partir da leitura de Zur Tonkunst de Ernst Lindner, como uma crítica ao processo de racionalização ocidental que aprisionou a força produtora da Natureza a partir da sobreposição da consciência à força inconsciente produtora da arte autêntica. Mesmo no caso de um gênero dramático que se utiliza da música, a forma de expressão que em tese exprime a própria Ideia do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Juventino Bastos de Moraes, Universidade de São Paulo

Possui graduação, licenciatura e mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Desde 2013, desenvolve pesquisa em história da filosofia contemporânea voltada para o pensamento alemão pelo prisma da filosofia de Friedrich Nietzsche. Com sua dissertação de mestrado, buscou apresentar o helenismo no pensamento Nietzsche articulado tanto ao filelenismo alemão dos séculos XVIII e XIX quanto à sua importância para construir uma nova imagem de trágica da Grécia enquanto apologeta do movimento musical wagneriano. Atualmente, é doutorando também pela Universidade de São Paulo onde dá seguimento à sua pesquisa que teve início durante o mestrado. A ideia agora é apresentar uma interpretação da noção de gênio no jovem Nietzsche, com a qual pretende propor uma nova gênese da ideia de Vontade de Potência, para com isso iluminar as ideias políticas do autor em toda sua profundidade enquanto apologeta wagneriano.

Referências

ARALDI, C. “O simbolismo das criações apolíneas e dionisíacas: uma análise crítica da estética do jovem Nietzsche”. Reflexão, Campinas, 34 (96), jul./dez, 2009.

GOETHE, J.W., SCHILLER, F. “Briefwechsel zwischen Schiller und Goethe”. Stuttgart: J.G. Cotta, 1881. Vol. 1.

GUIDO, A. A. “Sobre a estética kantiana do belo e do sublime”. In: Ensaios de filosofia em homenagem a Carlos Alberto R. de Moura (org. D. Morato Pinto, L. Moutinho, M. Sacrini, Monica Sival). Curitiba: UFPR, 2015.

KANT, I. “Crítica da Faculdade do Juízo”. Trad. V. Rohden e A. Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

LINDNER, E. O. “Zur Tonkunst”. Berlin: I. Guttentag, 1864.

MORAES, R. “Uma cultura para Shakespeare e Beethoven”. Cadernos Nietzsche, Guarulhos/Porto Seguro, Vol. 42, Nr. 3, pp. 45-67, setembro/dezembro 2021.

NIETZSCHE, F. “Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe”. Editores: G. Colli e M. Montinari, Berlin/New York: Walter de Gruyter, 1988.

________. “O Nascimento da Tragédia”. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

________. “O drama musical grego”. In: A visão dionisíaca do mundo. Trad. e org. Marco S. P. Fernandes & Maria C. S. Souza. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

________. “Introdução à tragédia de Sófocles”. Trad. Marcos Sinésio P. Fernandes, São Paulo: Martins Fontes, 2006.

________. “Introdução ao estudo dos diálogos de Platão”. Trad. Marcos Sinésio P. Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 2020.

________. “Música e Palavra (Fragmento Póstumo Nr. 12[1], da primavera de 187”. In: Discurso, Nr. 37. Trad. O. Giacoia Jr., 2007.

________. “Sócrates e a Tragédia”. In: A visão dionisíaca do mundo, op. cit.

SCHILLER, F. “A noiva de Messina”. Trad. M. Suzuki. São Paulo: Sesi-SP Editora, 2018.

SCHLEGEL, F. “Sobre o estudo da poesia grega”. Trad. C. L. Medeiros. São Paulo: Iluminuras, 2018.

SCHOPENHAUER, A. “O mundo como Vontade e Representação”. Trad. J. Barboza. São Paulo: Ed. UNESP, 2005. Vol. 1.

SCHOPENHAUER, A. “O mundo como Vontade e Representação”. Trad. J. Barboza. São Paulo: Ed. UNESP, 2015. Vol. 2.

TOMLINSON, G. “Metaphysical Song: An Essay on Opera”. New Jersey: Princeton University Press, 1999.

TORRES FILHO, R. “O simbólico em Schelling”. In: Ensaios de filosofia ilustrada. São Paulo: Iluminuras, 2004.

WAGNER, R. “Beethoven”. Trad. A. Hartmann. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

________. “Quatre poèmes d’opéras”. Trad. R. Wagner. Paris: Librairie Nouvelle, 1861.

WILSON, J. E. “Schelling und Nietzsche (Zur Auslegung Der Frühen Werke Friedrich Nietzsches)”. Berlin/New York: W. de Gruyter, 1996.

Downloads

Publicado

29-05-2023

Como Citar

MORAES, R. J. B. de. NIETZSCHE E O NASCIMENTO DA ÓPERA A PARTIR DO ESPÍRITO ALEXANDRINO. Revista Kriterion, [S. l.], v. 64, n. 154, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/kriterion/article/view/38452. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos