As Marés de Aventura

O Surfe no Município de Salinópolis entre Ações e Possibilidades

  • Emilly Yasmin Corrêa Dias Universidade do Estado do Pará (UEPA)
  • Patrícia Chaves de Araújo Universidade do Estado do Pará (UEPA)
Palavras-chave: Esportes, Atividades de Lazer, Políticas Públicas, Esportes Aquáticos

Resumo

O presente trabalho apresenta análises acerca das políticas públicas de incentivo ao surfe no município de Salinópolis/PA, apresentando o espaço da cidade como local propício para o desenvolvimento deste esporte. A metodologia consistiu em consulta bibliográfica, pesquisa de campo realizada através de observação e perguntas semi estruturadas que destacaram as falas de nove colaboradores, sendo sete atletas presentes no ranking estadual (2017), e dois gestores de ações de incentivo ao surfe no município. Foi utilizada uma abordagem fenomenológica, de enfoque qualitativo, e o método da análise de conteúdo (BARDIN, 2011). Para compreender os aspectos desta pesquisa foram utilizados Mascarenhas, (2007); Bahia e Nascimento, (2014) no âmbito do lazer e políticas públicas, Ribeiro (2003), Knijinck e Cruz (2010) e Dias (2008) para a trajetória histórica do surfe; Santos (1996; 2015) e Brunhs (1997) para a apropriação espacial. Os resultados apontam que, apesar da visibilidade e do reconhecimento dos atletas salinopolitanos, não ocorre investimento do poder público para o surfe em Salinópolis/PA, sendo que o desenvolvimento e apoio à modalidade depende da mobilização de associações. Conclui-se que, por não haver investimento do poder público voltado para o surfe em Salinópolis/PA, mesmo o meio ambiente sendo favorável à prática desse esporte, vê-se como relevante a criação de projetos voltados ao surfe que envolvam o ambiente natural da cidade em programas de lazer e preservação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, C. Lugar de memória... memórias de um lugar: patrimônio imaterial de Igatu, Andaraí/BA. Pasos: Revista de Turismo y Patrimonio cultural, v. 6, n. 3, p. 569-590, 2008.

BAHIA, Mirleide Chaar; NASCIMENTO, Durbens Martins (Org.). Estado, sistemas produtivos e populações tradicionais. Belém: NAEA/UFPA, 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRACHT, V.; ALMEIDA, F.Q. A política de esporte escolar no Brasil: a pseudo valorização da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 24, n. 3, p.87-101, maio, 2003.

BRASIL. CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO CONAMA n.º 001, de 23 de janeiro de 1986. Publicado no D.O.U. em 17.fev.1986. Disponível em: https://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html. Acesso em 17 ago. 2017.

BRUHNS, Heloísa T. O corpo visitando a natureza: possibilidades de um diálogo crítico. In: SERRANO, Célia; BRUHNS, Heloísa T. (Org.). Viagens à natureza: turismo, cultura e ambiente. Campinas: Papirus, 1997, p. 125-140.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino da Educação Física. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

DIAS, Cleber Augusto G. Urbanidades da natureza: o montanhismo, o surfe as novas configurações do esporte no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e Cultura popular. Tradução de Maria de Lourdes Santos Machado. São Paulo: Perspectiva, 2014.

FIGUEIREDO, Silvio Lima et al.. Lazer, esporte e turismo: importância e uso das áreas verdes urbanas em Belém/PA/Brasil. Licere (Online), v. 16, p.30-45, 2013. Disponível em: https://www.anima.eefd.ufrj.br/licere/pdf/licereV16N01_a6.pdf. Acesso em: 25 maio 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/salinopolis/panorama Acesso em: 20 nov. 2016.

KAMPION, Drew; BROWN, Bruce. Uma História da Cultura do Surf. São Paulo: Taschen, 2003.

KNIJNIK, Jorge Dorfman; CRUZ, Lívia Oliveira. Amazonas dos sete mares: a imagem corporal de surfistas brasileiras. Revista NUFEN, v. 2, n. 2, p.55-74, 2010.

MARINHO, Alcyane. Atividades na natureza, lazer e educação ambiental: refletindo sobre algumas possibilidades. Revista Motrivivência, n. 22, p.47-70, 2004.

MASCARENHAS, Fernando. Outro Lazer é possível! Desafio para o Esporte e Lazer da Cidade. In: CASTELLANI FILHO, Lino (Org.). Gestão Pública e Política de Lazer: a formação de agentes sociais. Campinas: Autores Associados, 2007, p.17-40.

MASCARENHAS, Fernando. Lazer e utopia: limites e possibilidades de ação política. Revista Movimento, v. 11, n. 3, p. 155-182, set./dez.,2005.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

PEREIRA, Marcela Andresa Semeghini. O Direito ao Lazer: construção crítica do trabalho humano valorado segundo a ordem econômica constitucional. Rio de Janeiro: NEA, 2016.

PRINS, Gwyn. História oral. In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 1992, p.163-198.

RANIERI, Leilanhe Almeida. Morfodinâmica costeira e uso da orla oceânica de Salinópolis (Nordeste do Pará). Tese, Doutorado em Oceanografia Geológica. Universidade Federal do Pará, Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica, Belém, 2014.

RIBEIRO. Alexandre G. Uma história social do surfe. Monografia. Dep. História, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2003.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 24. ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

Publicado
2019-03-30
Como Citar
Dias, E. Y. C., & Araújo, P. C. de. (2019). As Marés de Aventura. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(1), 189-210. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.12319
Seção
Artigos Originais