Contribuições Teóricas e Metodológicas da História Conceitual para os Estudos do Lazer

  • Flávia da Cruz Santos Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Palavras-chave: História do Lazer, História Conceitual, Teoria da História

Resumo

Considerando que a definição de lazer ainda é uma questão para os estudiosos que se dedicam a este tema, este trabalho intenciona apontar a proposta teórico-metodológica da história dos conceitos, do historiador alemão Reinhart Koselleck (2006), como possibilidade teórica e metodológica para a melhor elaboração conceitual desse fenômeno. Koselleck (2006) evidencia a necessidade de diferenciação entre um conceito científico e um conceito empírico, e indica os procedimentos metodológicos para a construção de cada um deles. Sua proposta consiste em reconstituir uma mostra dos usos do conceito, realizados pelos atores de um determinado contexto, o que inclui a palavra que o nomeia, mas a ultrapassa, incluindo seu significado histórico. O que nos permitirá compreender o lazer ao longo do tempo e, assim, defini-lo melhor nas investigações contemporâneas que realizamos do passado. Nos permitirá, ainda, verificar a capacidade heurística do atual conceito de lazer, analisando o seu alcance temporal e a validade de suas balizas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Melvina Afra Mendes de. O vai e vem dos conceitos: de categoria analítica a categoria nativa ou vice versa. O caso do sincretismo. Debates do NER, Porto Alegre, v. 1, n. 19, 2011. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/debatesdoner/article/view/19025. Acesso em: 23 set. 2017.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BURKE, Peter. The invention of leisure in early modern Europe. Past and Present, n. 146, p. 136-150, Feb., 1995.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. O nativo relativo. Mana, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 113-148, abr. 2002. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132002000100005. Acesso em: 02 ago. 2017.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. 2ª edição. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

DIAS, Cleber. Emergência histórica do lazer no Brasil. In: ISAYAMA, Helder Ferreira; OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de. (Org.). Produção de conhecimento em estudos do lazer. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2014, p. 49-64

DIAS, Cleber. Epopeias em dias de prazer: uma história do lazer na natureza (1779-1838). Goiânia: Editora UFG, 2013.

DIAS, Cleber. Teorias do Lazer e modernidade: problemas e definições. Licere, Belo Horizonte, v.12, n.3, set. 2009.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva / SESC, 1999.

GOMES, Christianne Luce; MELO, Victor Andrade de. Lazer no Brasil: trajetória de estudos, possibilidades de pesquisa. Movimento, vol. 9, núm. 1, Janeiro-abril, 2003. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/2661/1294. Acesso em: 02 jul. 2017.

MARCASSA, L. A invenção do lazer: educação, cultura e tempo livre na cidade de São Paulo (1888 - 1935). 2002. 204 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2002.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e humanização. Campinas: Papirus, 1983.

MASCARENHAS, F. Entre o ócio e o negócio: teses acerca da anatomia do lazer. 2005, 307f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

MELO, Victor Andrade de. Sobre o conceito de lazer. In: Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v. 8, n. 23, set-dez, 2013.

________. O lazer (ou a diversão) e os estudos históricos. In: ISAYAMA, Hélder, SILVA, Sílvio Ricardo. Estudos do lazer: um panorama. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

________. Esporte e lazer: conceitos. Rio de Janeiro: Apicuri/Faperj, 2010.

MELO, Victor A; ALVES JUNIOR, Edmundo D. Introdução ao lazer. Barueri: Manole, 2003.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUC-Rio, 2006a.

_____________. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134-146, 1992. Disponível em: <http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/101.pdf>. Acesso em: 29 nov. 2013.

JASMIN, Marcelo Gantus; FERES JÚNIOR, João. História dos conceitos: dois momentos de um encontro intelectual. In: JASMIN, Marcelo Gantus; FERES JÚNIOR, João (orgs.). História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio/Edições Loyola/Iuperj, 2006.

PEREIRA, Luísa Rauter. “Substituir a revolução dos homens pela revolução do tempo” - Uma história do conceito de povo no Brasil: revolução e historicização da linguagem política (1750-1870). 2011. Tese (Doutorado em Ciência Política). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011.

________. O Conceito de Soberania: dilemas e conflitos na construção e crise do Estado Imperial Brasileiro (1750-1870). Intellèctus, Rio de Janeiro, ano IX, n. 2, 2010.

________. A história e o diálogo que somos: a historiografia de Reinhart Koselleck e a hermenêutica de Hans-Georg Gadamer. Dissertação (Mestrado em História Social) - PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2005.

REIS, Leoncio; CAVICHIOLLI, Fernando; STAREPRAVO, Fernando. A ocorrência histórica do lazer: reflexões a partir da perspectiva configuracional. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, vol. 30, n. 3, 2009. Disponível em: http://www.revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/248. Acesso em: 14 jul. 2017.

SANTOS, Flávia da Cruz. Uma história do conceito de divertimento na São do século XIX (1828-1889). 2017. Tese (Doutorado em Estudos do Lazer). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

____________. Lazer no Brasil: primeiras aproximações a uma outra história. In: MONTEIRO, Mônica; DIAS, Cleber (orgs.). Lazer e periferia: um olhar a partir das margens. Rio de Janeiro: Instituto Usina Social, 2009.

SEBASTIÁN, Javier Fernández. Introdução: Hacia una história atlántica de los conceitos políticos. In: __________ (Org.) Diccionario político y social del mundo iberoamericano: la era de las revoluciones 1750-1850, vol. I. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, Fundación Carolina; Soc. Estatal de Conmemoraciones Cult, 2009.

___________. Trocando em miúdos. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, ano 9, n. 98, p. 52-57, novembro 2013. Entrevista concedida a Bruno Garcia e Cristiane Nascimento.

THOMPSON, Edward Palmer. Tempo, disciplina de trabalho e o capitalismo industrial. In: ______. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Publicado
2019-03-30
Como Citar
Santos, F. da C. (2019). Contribuições Teóricas e Metodológicas da História Conceitual para os Estudos do Lazer. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(1), 359-380. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.12325
Seção
Artigos de Revisão