Currículos e Resistências

“Libertem Ângela Davis e Todos os Presos Políticos”

  • Lucas Vinícius Cintra Mendes Instituto Federal de São Paulo (IFSP) – Campus Salto
  • Cathia Alves Instituto Federal de São Paulo (IFSP) – Campus Salto
Palavras-chave: Identidade de Gênero, Estudos Culturais, Currículo, Ângela Davis

Resumo

Esse texto é fruto de um trabalho da disciplina de “Orientação Sexual” num curso de pós-graduação em “Temas Transversais”, a partir da consideração de Ângela Davis como um dos ícones a serem mais investigados e conhecidos por todos nós. O objetivo desta pesquisa foi identificar os discursos presentes no documentário “Libertem Ângela Davis...”, para tal, o recurso metodológico qualitativo utilizado foi a análise de discurso foucaultiana. Ao considerar o documentário como um “texto cultural” que ensina modos de ser, ou seja, divulga um currículo, destacamos que esse vídeo discursa representações e significados pautados na luta do movimento dos negros e negras que resistem aos diversos tipos de preconceitos e enfrentam suas batalhas. O documentário se desenha a partir da história de Ângela, mulher, negra, filósofa, professora e ativista. Ângela Davis com coragem e conhecimento, nos provoca a refletir sobre as questões do papel da mulher negra e nessa trajetória ela narra que queria estar lá, ela queria estar presente, ela queria participar da história. Portanto, no momento atual, também queremos estar lá e queremos participar da história, conhecer e divulgar Ângela Davis é uma das formas de vivermos a história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Cathia. O Lazer no Programa Escola da Família: análise do currículo e da ação dos educadores universitários (Tese de Doutorado). Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Programa de Pós-Graduação em Estudos do Lazer. Belo Horizonte: UFMG/EEFTO, 2017.

CUNHA, Marlécio M. da Silva. O dispositivo pedagógico da nordestinidade no currículo do forró eletrônico. In: PARAÍSO, Marlucy A. Pesquisas sobre currículos e culturas. Ed CRV: Curitiba, 2010.

CUNHA, Marlécio M. da Silva. Currículo, música e gênero: o que ensina o forró eletrônico? (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Belo Horizonte: UFMG/FAE, 2011.

CUNHA, Marlécio M. da Silva. Afinidade e afinações pós-críticas em torno de currículos de gosto duvidoso. In: MEYER, Dagmar E. PARAISO, Marlucy A. (org) Metodologias de pesquisas pós-critica em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

DAL’IGNA, Maria C. Família S/A: um estudo sobre a parceria família-escola. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

DAL’IGNA, Maria C. Grupo focal na pesquisa em educação: passo a passo. In: MEYER, Dagmar E. PARAISO, Marlucy A. (org) Metodologias de pesquisas pós-critica em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

DAMICO, José. Juventudes governadas: dispositivos de segurança e participação no Guajuviras (Canoas-RS) e em Grigny Centre (França). Tese (Doutorado em Educação). Programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação, Porto Alegre, 2011.

DAVIS, Ângela. A liberdade é uma luta constante. Trad. CANDIANI, Heci R. São Paulo: Boitempo, 2018.

FISCHER, Rosa M. B. Foucault e o desejável conhecimento do sujeito. Educação e Realidade, v.24, n.1, p.39-59, jan/jun, 1999.

FISCHER, Rosa M. B. Mídia e educação da mulher: uma discussão teórica sobre modos de enunciar o feminino na tv. Estudos Feministas. Ano 9, 586, 2º Sem, 2001a.

FISCHER, Rosa M. B. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, n. 114, novembro, 2001b.

FISCHER, Rosa M. B. Problematizações sobre o exercício de ver: mídia e pesquisa em educação. Revista Brasileira de Educação. Maio/Jun/Jul/Ago, n. 20, 2002.

FISCHER, Rosa M. B. Foucault revoluciona a pesquisa em educação? PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 21, n. 02, p. 371-389, jul./dez. 2003.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Curso no College de France (1975-1976). 4ª tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. vol. IV. Estratégia, poder-saber. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003, p. 222 – 305.

GIROUX, Henry A. Cultura, política y practica educativa. Barcelona: Grão, Biblioteca de Aula, 2001.

GIROUX, Henry A. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: SILVA, Tomaz T. (org). Alienígenas na sala de aula: Uma introdução aos estudos culturais em educação. 11 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

HOOKS, B. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, no16. Brasília, janeiro - abril de 2015, p. 193-210. 2015.

LYNCH, S. Libertem Ângela Davis e todos os presos políticos. Documentário, 2012.

MAGALHÃES, Joanalira Corpes; RIBEIRO, Paula Regina Costa. (RE) pensando as representações de gênero nos episódios de Peppa Pig. Rev. Diversidade e Educação, v.2, n.4, p. 38-41, jul./dez. 2014.

MELO, Victor. “Vai malandra”, Anitta e a urgência da animação cultural. Licere, Belo Horizonte, v.21, n.2, jun/2018.

MENDES, Claudio L. Controla-me que te governo: os jogos para computador como formas de subjetivação e administração do eu. Tese (Doutorado Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, 2004.

MENDES, Claudio L. O corpo em Foucault: superfície de disciplinamento e governo. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, n. 39, p. 167-181, abril de 2006.

PARAISO, Marlucy A. Contribuições dos Estudos Culturais para a Educação. Presença Pedagógica, v.10, n. 55, jan/fev, 2004.

PARAISO, Marlucy A. Currículo e Diferença. In: Paraíso, Marlucy A. Pesquisas sobre currículos e culturas. Ed CRV: Curitiba, 2010 a.

PARAISO, Marlucy A. Currículo e formação profissional em lazer. Isayama, Helder F. (org). Lazer em estudo: Currículo e formação profissional. Campinas: Papirus, 2010b.

PARAISO, Marlucy A. Currículo e formação profissional em lazer. ISAYAMA, Helder F. (org). Lazer em estudo: Currículo e formação profissional. Campinas: Papirus, 2010c.

PINAR, Willian F. A Reconceptualização dos Estudos Curriculares. In: Paraskeva, João M. (org). Discursos Curriculares Contemporâneos. Edições Pedago: Portugal, 2007.

PINAR, Willian F. Recolocar os estudos culturais nos estudos curriculares. In: Paraskeva, João M. (org). Estudos Culturais, poder e educação. Portugal: Edições Pedago, 2011.

RIBEIRO, Vândiner. Os sem terra no currículo da mídia. In: PARAÍSO, Marlucy A. Pesquisas sobre currículos e culturas. Ed CRV: Curitiba, 2010.

RIBEIRO, Vândiner. Paraiso, Marlucy A. Currículo e MST: conflitos de saberes e estratégias na produção de sujeitos. Educ. Real. v.40 n.3. Porto Alegre July/Sept. 2015.

SALES, Shirlei R. Orkut.com.escol@: currículos e ciborguização juvenil. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Belo Horizonte, UFMG/FaE, 2010a.

SALES, Shirlei R. Interface entre currículo escolar e currículo do Orkut: ciborguização da juventude contemporânea. In: PARAÍSO, Marlucy A. Pesquisas sobre currículos e culturas. Ed CRV: Curitiba, 2010b.

SALES, Shirlei R. Etnografia + Netnografia + análise do discurso: articulações metodológicas para pesquisar em Educação. In: MEYER, Dagmar E. PARAISO, Marlucy A. (org). Metodologias de pesquisas pós-critica em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

SANCHES, Pedro A. Angela Davis e a abolição que não houve. Carta Capital. https://www.cartacapital.com.br/cultura/angela-davis-e-a-abolicao-que-nao-houve acesso 06 de agosto de 2018.

SILVA, Maria C. Currículo de filmes de animação: poder, governo e subjetividade dos/as infantis. In: PARAÍSO, Marlucy A. Pesquisas sobre currículos e culturas. Ed CRV: Curitiba, 2010.

SILVA, Tomaz T Currículo e identidade social: territórios contestados. In: SILVA, Tomaz T. (org). Alienígenas na sala de aula Uma introdução aos estudos culturais em educação. 11. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

SOUSA, Francisco. Tazos e Barbies: quando o currículo paralelo se cruza com o formal na educação de infância. Infância e educação: investigação e práticas, Revista do GEDEI. Porto: Porto Editora, 2004, p. 73-88.

Publicado
2019-06-24
Seção
Artigos Originais