Programa Lúdico para o Âmbito Corporativo

Interesse e Satisfação de Funcionários

Autores

  • Ana Paula Evaristo Guizarde Teodoro Universidade Estadual Paulista (UNESP/Rio Claro)
  • Gisele Maria Schwartz Universidade Estadual Paulista (UNESP/Rio Claro)

DOI:

https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16262

Palavras-chave:

Lúdico, Empresas, Treinamento

Resumo

Este estudo qualitativo objetivou avaliar o interesse e a satisfação de participantes de um programa lúdico para o âmbito corporativo e foi desenvolvido por meio de pesquisas bibliográfica e exploratória. A amostra contou com 25 funcionários de uma empresa, escolhida por conveniência, os quais participaram de um programa lúdico de longo prazo, visando refletir sobre problemas relacionados ao contexto do trabalho, de forma colaborativa, por meio de jogos. Os resultados da aplicação de escala do tipo Likert, analisados descritivamente pela Técnica de Análise de Conteúdo, indicam alto interesse e satisfação dos participantes frente às intervenções lúdicas realizadas durante o programa oferecido. Com base nesses resultados, torna-se relevante a ampliação das discussões sobre esta temática, no sentido de incentivar novas práticas envolvendo o lúdico e empresas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT Catálogo. ABNT NBR ISO 10015:2001, 2001. Disponível em: httpS://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=2661 . Acesso em: 30 dez. 2016.

ALVES, C. O papel do profissional de Educação Física como intermediário entre o adulto e o lúdico. 2007. 159 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) -Universidade Metodista de Piracicaba, Faculdades de Ciências da Saúde, Piracicaba-SP, 2007. Disponível em: http://www.unimep.br/phpg/bibdig/pdfs/2006/VODIBWMCUDCE.pdf . Acesso em: 9 abr. 2016.

ALVES, C.; MARCELLINO, N. C. Adulto e lúdico: atuação do profissional de Educação Física no lazer. Motriz, Rio Claro, v.16, n.1, p.103-112, jan./mar. 2010.

ALVES, J. C. C. A importância da comunicação interna e das atividades de Team Building. 2012. 79 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2012. Disponível em: http://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/5131/1/A%20import%C3%A2ncia%20da%20Comunica%C3%A7%C3%A3o%20Interna%20e%20as%20Atividades%20de%20Team.pdf . Acesso em: 05 fev. 2017.

ALVES, R. A gestação do futuro. Campinas: Papirus, 1987.

ALVES, W. M.; SILVA, G. L. R.; PROTIL, R. M.; ALBINO, P.M. B. Avaliação do Ciclo de Aprendizagem Vivencial em uma Cooperativa Agropecuária. Revista ELO - Diálogos em Extensão, Viçosa, v.5, n.1, p.1-10, ago., 2016.

ANDRADE, H. J. Uma análise da aprendizagem do gerenciamento de tempo em projetos baseada na utilização de um jogo. 2015. 145 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2015. Disponível em: http://repositorio.unifei.edu.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/257/dissertacao_andrade1_2015.pdf?sequence=1&isAllowed=y . Acesso em: 15 mar. 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BENNIS, W. A nova liderança. In: JÚLIO, C. A.; SILIBI NETO, J. (Orgs.) Liderança e gestão de pessoas: autores e conceitos imprescindíveis. São Paulo: Publifolha, 2002. p.31-46.

BEN-ZVI, T. The efficacy of business simulation games in creating Decision Support Systems: an experimental investigation. Decision Support Systems, Amsterdam, v.49, n.1, p.61-69, 2010.

BERTOLDO, I. M. Inclusão de atividades lúdicas na ginástica laboral. Revista Hórus, Ourinhos, v.4, n.2, p.241-263, out./dez., 2010. Disponível em: httpS://www.faeso.edu.br/horus/artigos%20anteriores/2010/inclusaoatividades.pdf. Acesso em: 6 mai. 2016.

BØRGESEN, K.; NIELSEN, R. K.; HENRIKSEN, T. D. Exploiting formal, non-formal and informal learning when using business games in leadership education. Development and Learning in Organizations: An International Journal, Bingley, v.30, n.6, p.16-19, 2016.

BORGES-ANDRADE, J. E.; ABBAD, G. Treinamento no Brasil: reflexões sobre suas pesquisas. Revista de Administração - RAUSP, São Paulo, v.31, n.2, p.112-125, 1996. Disponível em: httpS://repositorio.unb.br/bitstream/10482/1123/1/ARTIGO_Treinamento_Desenvolvimento_Pesquisas_Cient%C3%ADficas.pdf . Acesso em: 6 jul. 2016.

BRAGA, P. F.; SILVA, T. B. Estudo de treinamento e desenvolvimento de pessoas voltado para estratégias na organização. E-Locução, Extrema, v. 1, n.10, p.96-115, 2016.

CASTRO, D. C. O. Jogos recreacionais em treinamentos empresariais. 2008. 54 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Educação Física) – Instituto de Biociências, Departamento de Educação Física, Universidade Estadual Paulista – UNESP, 2008.

DATNER, Y. Jogos para educação empresarial: jogos, jogos dramáticos, role-playing, jogos de empresa. 2. ed. São Paulo: Ágora, 2006.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum, 1985.

DENEVE, K. M.; COOPER, H. The happy personality: a meta-analysis of 137 personality traits and subjective well-being. Phychological Bulletin, Washington, v.124, n.2, p.197-229, set., 1998.

DINSMORE, P. C. (Org.) TEAL, Treinamento Experiencial ao Ar Livre: uma revolução em educação empresarial: dicas de treinamento experiencial para revolucionar os negócios: cases de mudanças nas empresas, atividades experienciais ao ar livre, depoimentos marcantes. Rio de Janeiro: Editora SENAC Rio, 2004.

FIGUEIREDO, H. M. (Org.) Discussões sobre ginástica laboral. Recife: UFPE, 2010.

GALASSI, M.; GALASSI, J. Assert yourself! How to be own person. New York: Human Sciences Press, 1977.

GELIS FILHO; A.; BLIKSTEIN, I. Comunicação assertiva e o relacionamento nas empresas. GV Executivo, São Paulo, v.12, n.2, p.28-31, jul./dez., 2013.

GONÇALVES, A.; VILARTA, R. (Orgs.). Qualidade de vida e atividade física: explorando teoria e prática. Barueri: Manole, 2004.

GONÇALVES, N. O lado sério da brincadeira: um olhar para autoestima do educador. São Paulo: Cortez, 2013.

GRAMIGNA, M. R. M. Jogos de empresa e técnicas vivenciais. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall Brasil, 2006

HEIN, L. A. A eficiência do treinamento e desenvolvimento de pessoas: em busca de uma equipe de alta permormance – estudo de caso em uma empresa de tecnologia da região Noroeste- RS. 2016. 27 f. Artigo (MBA em Gestão Empresarial) - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ, Ijuí-RS, 2016. Disponível em: httpS://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/3943/Laise%20Aline%20Hein.pdf?sequence=1. Acesso em 05 fev. 2017.

HENRIKSEN, T. D.; BØRGESEN, K. Can good leadership be learned through business games? Human Resource Development International, Bingley, v.19, n.5, p.388-405, 2016.

JANOT, J. B. Juegos motrices cooperativos. 3. ed. Barcelona: Parramon Paidotribo, 1998.

KENT, K.; GOETZEL, R. Z.; ROEMER, E. C.; PRASAD, A.; FREUNDLICH, N. Promoting healthy workplaces by building cultures of health and applying strategic communications. Journal of Occupational and Environmental Medicine - JOEM, Chicago, v.58, n.2, p.114-122, fev., 2016.

KENWORTHY, J.; WONG, A. Developing managerial effectiveness: assessing and comparing the impact of development programmes using a management simulation or a management game. Developments in Business Simulations and Experiential Learning, Oklahoma, v.32, n.1, p.164-175, 2005.

KIRBY, A. 150 Jogos de treinamento. Tradução e adaptação: José Henrique Lamensdort. São Paulo: T&D Editora, 1995.

KOHLER, S. Workplace health promotion of large and medium-sized businesses: the relationship between and predictors of activities in two German states. International Journal of Workplace Health Management, Bingley, v.9, n.2, p.184-201, 2016.

KOUZES, J. M.; POSNER, B. O desafio da liderança. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

LEITE, N. Ginástica laboral: princípios e aplicações. 3. ed. Barueri: Manole, 2012.

LIMONGI-FRANÇA, A. C. Qualidade de vida no trabalho- QVT: conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LUPERINI, R. Dinâmicas e jogos na empresa: método, instrumento e práticas de treinamento. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

LUMPKIN, G. T.; DESS, G. G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. The Academic of Management Review, New York, v.21, n.1, p.135-172, jan., 1996.

MACIEL, M. G. Lazer corporativo: estratégias para o desenvolvimento dos recursos humanos. São Paulo: Phorte, 2009.

MARCELLINO, N. C. Pedagogia da animação. 9. ed. Campinas: Papirus, 2009.

MANSO, U. A. Reportagem. Treinamentos ao ar livre são programa de índio. Revista Exame.Com, São Paulo, out., 2012. Disponível em: https://exame.abril.com.br/revista-voce-rh/edicoes/23/noticias/programa-de-indio. Acesso em: 12 mai. 2016.

MAYO, E. The human problems of an industrial civilization. New York: Macmillan, 1933.

McGONAGLE, A. K.; BARNES-FARRELL, J. L.; MILIA, L. D. et al. Demands, resources, and work ability: A cross-national examination of health care workers. European Journal of Work and Organizational Psychology, Abingdon, v. 22, p.1-17, jul. 2013.

MEDEIROS, M. L.; NOGUEIRA, M. S.; VILLAR, A. C. Benefícios da aplicação de um programa de ginástica laboral à saúde de trabalhadores. Revista Eletrônica Faculdade Montes Belos, São Luís de Montes Belos, v.7, n.1, p.1-15, 2014. Disponível em: https://revista.fmb.edu.br/index.php/fmb/article/view/104/100. Acesso em: 15 mar. 2017.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOREIRA, C. E. R.; MUNCK, L. Estilos de aprendizagem versus treinamento vivencial ao ar livre. Revista de Administração UFSM, Santa Maria, v.3, n.1, p.9-25, jan./abr., 2010. Disponível em: https://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs2.2.2/index.php/reaufsm/article/view/2234/13632010. Acesso em: 23 set. 2014.

MOTTA, G. S.; MELO, D. R. A.; PAIXÃO, R. B. O jogo de empresas no processo de aprendizagem em Administração: o discurso coletivo de alunos. Revista de Administração Contemporânea – RAC, Rio de Janeiro, v.6, n. 3, p.342-359, mai./jun., 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rac/v16n3/v16n3a02.pdf. Acesso em: 05 fev. 2017.

MOTTA, G. S.; QUINTELLA, R. H.; MELO, D. R. A. Jogos de empresas como componente curricular: análise de sua aplicação por meio de planos de ensino. Organizações & Sociedades, Salvador, v.19, n.62, p.437-452, jul./set., 2012.

O’DONNELL, K. O espírito do líder: lidando com a incerteza permanente. São Paulo: Integrare Editora, 2010.

PACHECO, M. S.; BATISTA, J. S. Outdoor Training: um tipo de treinamento e desenvolvimento das empresas aplicado com seus executivos – uma prática considerada inovadora e tardia no Brasil. In: SEGet SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 2007, 4, Resende. Anais... Resende-RJ: Associação Educacional Dom Bosco – AEDB, 2007, p.1-15. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos07/1433_OUTDOOR%20TRAINING_SEGeT.pdf. Acesso em: 25 jul. 2015.

PARDO. C. A. R. Estructuración de las bases para la implementación y desarrollo del programa de pausas activas (gimnasia laboral) en los funcionarios de la U.D.C.A. Actividad Física y Deporte, Cartagena, v.1, n.1, p.43-57, 2015.

PELLIZZARO, R.; ALVES, J. N.; RIBAS, F. T. T.; BALSAN, L. A. G. A percepção dos colaboradores em relação ao processo de treinamento e desenvolvimento: um estudo de caso. Revista UNIABEU, Belford Roxo, v.7, n.15, p.305-319, jan./abr., 2014. Disponível em: https://www.uniabeu.edu.br/publica/index.php/RU/article/view/1133/pdf_88. Acesso em: 9 abr. 2016.

PORTO; J. B.; TAMAYO, Á. Valores organizacionais e civismo nas organizações. RAC – Revista de Administração Contemporânea, Maringá, v.9, n.1, p.35-52, 2005.

PROPER, K.; MECHELEN, W. V. Effectiveness and economic impact of worksite interventions to promote physical activity and healthy diet. World Health Organization - WHO, Geneva, v. n.1, p.1-63, 2008. Disponível em: https://www.who.int/dietphysicalactivity/Proper_K.pdf. Acesso em: 8 out. 2017

ROETHLISBERGER, F. J.; DICKSON, W. J. Management and the worker. Cambridge: Harvard University Press, 1939.

SANTOS, M. R. G. F.; LOVATO, S. Os jogos de empresas como recurso didático na formação de administradores. Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação - CINTED-UFRGS, Porto Alegre, v.5, n.2, p.1-10, dez., 2007. Disponível em: https://www.cinted.ufrgs.br/ciclo10/artigos/2aMagda.pdf. Acesso em: 7 jun. 2015.

SANTOS, R. S. Estratégias e Ações para Implantação de um Processo de Qualidade de Vida em uma Empresa. In: VILARTA, R.; GUTIERREZ, G. L. (Orgs.). Qualidade de Vida no ambiente corporativo. Campinas: IPES Editorial, 2008. p.101-110.

SAUAIA, A. C. A. Cases and business games: the perfect match! Developments in Business Simulation and Experiential Learning, Oklahoma, v.33, n.1, p.204-212, 2006.

SCHWARTZ, G. M. Homo expressivus: as dimensões estética e lúdica e as interfaces do lazer. In: BRUNS, H. T. (Org.). Temas sobre lazer. Campinas: Autores Associados, 2000. p.86-99.

SCHWARTZ, G. M. Lazer e empresa: peças do mesmo quebra-cabeça. In: MARCELLINO, N. C. (Org.). Lazer & empresas: múltiplos olhares. 4. ed. Campinas: Papirus, 2003. p.139-148.

SCHWARTZ, G. M.; TEODORO, A. P. E. G.; RODRIGUES, N. H.; DIAS, V. K. Educando para o lazer. Curitiba: CRV, 2016. (Coleção Educação Física: formação para o cotidiano escolar – vol. 4).

SECORD, P. F.; BACKMAN, C. W. Social psychology. New York: McGraw-Hill, 1964.

SELIGMAN, M. E. P.; CSIKSZENTMIHALYI, M. Positive psychology – an personality integracion. Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v.1, n.68, p.531-543, 2000.

SILVA, A. G.; SILVA, E. C.; SEPULVENE, R. G.; DIAS, M. Treinamento da CIPA por intermédio do lúdico. Revista Inovação & Tecnologia, São Caetano do Sul, v.1, n.1, p.53-60, jan./fev., 2017.

SILVA, K. S.; ROTHERMEL, L. A.; PEREIRA, J. Métodos de treinamento: um estudo feito na empresa de transporte de passageiro e Express. Nativa – Revista de Ciências Sociais do Norte do Mato Grosso, Guarantã do Norte, v.5, n.1, p.1-10, 2016.

SILVA, Z. O. Gestão por competências para o pleno desenvolvimento do potencial humano. Temiminós Revista Científica – TeRCi, Rio Bonito, v.6, n.2, p.145-151, jul./dez., 2016. Disponível em: https://www.cnecrj.com.br/ojs/index.php/temiminos/article/view/320/216. Acesso em: 22 jul. 2016.

TANIL, A. S. F. Dinâmicas lúdicas para os programas de ginástica laboral. Petrópolis: Vozes, 2013.

TEODORO, A. P. E. G.; SCHWARTZ, G. M. Oficina de vivências dentro dos interesses culturais de lazer – virtuais. In: AZEVÊDO, P. H.; BRAMANTE, A. C. (Orgs.). Gestão estratégica das experiências de lazer. Curitiba: Appris, 2017. p.311-318.

TEODORO, A. P. E. G. Webgames aplicados em treinamento indoor. In: SCHWARTZ, G. M.; TAVARES, G. H. (Orgs.). Webgames com o corpo: vivenciando jogos virtuais no mundo real. São Paulo: Phorte, 2015. p.129-141.

TWYFORD, D.; ALAGARAJA, M.; SHUCK, B. Human resource development in small business: an application of brethower's performance principles to on the job training. New Horizons in Adult Education & Human Resource Development, Malden, v.28, n.4, p.28-40, 2016. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/nha3.20159/full. Acesso em: 05 fev. 2017.

VALA, J.; MONTEIRO, M. B. (Orgs.). Psicologia social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

YUSOF, S. A. M.; RADZI, S.H.M.; DIN, S. N. S.; KHALID, N. A study on the effectiveness of task manager board game as a training tool in managing project. In: AIP Conference, 2016, Maryland. Proceedings… Maryland: AIP Publishing, 2016, v.1761, n.1, p. 0200741-0200746.

Downloads

Publicado

2019-12-24

Como Citar

Teodoro, A. P. E. G., & Schwartz, G. M. (2019). Programa Lúdico para o Âmbito Corporativo: Interesse e Satisfação de Funcionários. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(4), 66-94. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16262

Edição

Seção

Artigos Originais