Academias ao Ar Livre em Castanhal, uma Opção de Lazer e Convívio Social?

O Perfil e Discurso do Usuário

Autores

  • Carlos Cristiano Espedito Guzzo Junior Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Weber Lucas Almeida Silva Universidade do Estado do Pará (UEPA)

DOI:

https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16264

Palavras-chave:

Atividades de Lazer, Exercício, Promoção da Saúde

Resumo

Esta pesquisa objetivou compreender o perfil e discurso do usuário de academias ao ar livre no município de Castanhal. Esta é uma pesquisa qualitativa, tendo como instrumento de pesquisa um questionário estruturado. A pesquisa foi dividida em duas grandes etapas, sendo elas: 1- visita in loco com aplicação do questionário estruturado e do termo de livre consentimento; 2- analise dos dados coletado. A primeira etapa ocorreu nos meses de setembro e outubro de 2017. Os pontos de coleta de dados foram a Praça do Estrela e a Praça da Bíblia, tendo sido entrevistados 15 pessoas em cada praça, totalizando 30 entrevistados. Dentre os resultados obtidos tem-se que 70% dos usuários das AAL entrevistados são do sexo feminino, e que estes entrevistados apresentam idade média de 48,83 anos. Mais de 53% (exatamente 53,33%) estão com sobrepeso e mais de 26% estão com obesidade. É unanime o discurso de que o projeto contribui para a interação social, onde muitos dos usuários criaram laços de amizade entre si, buscando ajudar-se na realização dos exercícios e motivar para não se ausentarem das AAL. Conclui-se que as AAL em Castanhal tem grande importância, tanto para oportunizar a realização de atividades físicas pela população, bem como serem espaços de relações sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAZANINI, R. O. Ensino da Filosofia como um processo existencial humano nos cursos de Comunicação Social. São Paulo, 1993. 126 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Instituto Metodista de Ensino Superior.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 3. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010. 60 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Série Pactos pela Saúde 2006; v. 7).

BRASIL. IBGE. Censo Demográfico, 2018. Disponível em: www.ibge.gov.br . Acesso em: 10 set. 2018.

COHEN, D. A. MARSH, T. WILLIAMSON, S. GOLINELLI, D. MCKENZIE, T. L. Impact and costeffectiveness of family Fitness Zones: A natural experiment in urban public parks. Health & Place, n. 18, p. 39-45, 2012.

FERMINO, Rogério; REIS, Rodrigo; HALLAL, Pedro; KACZYNSKI, Andrew. Who are the users of urbans parks? A study with adults from Curitiba, Brazil. J phys Act Health, v. 12, n. 1, p. 58-67, 2015.

HAMMERSHMIDT, Simone; PORTELA, Bruno Sérgio. A utilização das academias ao ar livre como promoção da melhoria na qualidade de vida dos adolescentes. In: Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE: produções didático-pedagógicas. Paraná: Governo do Estado, 2014.

IEPSEN, A. M. SILVA, M. C. Perfil dos frequentadores das academias ao ar livre da cidade de Pelotas – RS. Revista Brasileira Atividade Física e Saúde, v. 20, n. 4, p. 413-424, 2015.

MANSKI, C. F. Identifications Problems in the Social Sciences. Cambridge: Harvard University Press, 1995.

MARANHO, M. C. A qualidade de vida nos ambientes urbanos – parques e academias ao ar livre no município de Curitiba. Tuiuti: Ciência e Cultura, n. 46, p. 45-61, Curitiba, 2013.

MARCELINNO, N. C. O Entendimento do Lazer. In: ______. (Org.) Políticas públicas setoriais de lazer: o papel das prefeituras. Campinas: Autores Associados, 1996.

MATOS, J. A. V. Modo de vida e a pratica de atividade física em academia a céu aberto: relações e contradições. Monografia. Belo Horizonte. 2014.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec: Abrasco, 1992.

______. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007. 406 p.

NOGUEIRA, R. S. FERNANDES, V. L.C. O espaço saúde e lazer: a academia ao ar livre em questão. UEPA. 2013.

RIBEIRO, V. T. Academias ao ar livre. 2010. Disponível em http://www.liveseg.com/academias_ao_ar_livre.html. Acesso em: 7 set. 2017.

RECHIA, Simone. Espaço e planejamento urbano na sociedade contemporânea: políticas públicas e a busca por uma marca identitária na cidade de Curitiba. Movimento, Porto Alegre, v. 11, n. 3, p. 49-66, setembro/dezembro de 2005.

SOUZA, C.A. FERMINO, R. C. AÑES, C. R. R. REIS, R. S. Perfil dos frequentadores e padrão de uso das academias ao ar livre em bairros de baixa e alta renda de Curitiba-PR. Revista Brasileira Atividade Física e Saúde, v.19, n.1, p. 86-97, 2014.

Downloads

Publicado

2019-12-24

Como Citar

Guzzo Junior, C. C. E., & Silva, W. L. A. (2019). Academias ao Ar Livre em Castanhal, uma Opção de Lazer e Convívio Social? O Perfil e Discurso do Usuário. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(4), 137-158. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16264

Edição

Seção

Artigos Originais