O Lazer como Afirmação da Identidade no Timing da Finitude

  • Claudia Franco Monteiro Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Cristiane Miryam Drumond de Brito Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Raquel de Magalhães Borges Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Campus Governador Valadares
Palavras-chave: Atividades de Lazer, Morte, Construção Social da Identidade

Resumo

Este trabalho é fruto de uma pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estudos do lazer e visa apresentar sua fundamentação teórica para um campo etnográfico referente a pessoas no timing da finitude da vida. Para tanto, apresenta as contribuições de importantes pensadores sobre o tema morte e atividade cotidiana/habituais como afirmação da identidade tais como Morin, Giddens e Kellehear. Propõe uma reflexão sobre o lazer dentro da perspectiva da filosofia existencial e investiga a possibilidade do lazer ser manifesto com um forte sentido de identidade e alinhado aos desejos mais autênticos no tempo da finitude. Mas também busca avançar para reflexões sobre o ser morrente, como um sujeito social e passível de interferências do mercado de consumo e da cultura de massa nas escolhas de atividades de lazer, além de outros determinantes como a condição sociocultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CAMUS, A. Mito de Sísifo: Ensaio sobre o Absurdo. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989. 102 p. apud (citado por) PUKE, N; MARCELLINO, N. C. O lazer existencial: uma possibilidade de resposta para o absurdo. Licere., v.16, n.3, p. 1-17., set., 2013.

______. O mito de Sísifo. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013, 160 p.

GERHARDT, T.E. Itinerários terapêuticos em situações de pobreza: diversidade e pluralidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(11):2449-2463, nov, 2006. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/2006.v22n11/2449-2463. Acesso em: 05 set. 2018.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. 2.ed. São Paulo: UNESP, 1991.180 p.

GIDDENS, A. Identidade e modernidade. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2002. 233 p.

GOMES, C.; ELIZALDE, R. Horizontes Latino-americanos do Lazer. Horizontes Latino americanos del ocio. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. 343p.

KELLEHEAR, A. Uma história social do morrer. São Paulo: Editora UNESP, 2016. 588 p.

KIERKEGAARD. S.The concept of dead, Londres, Macmillan, 1944. 99 p. apud GIDDENS, A. Identidade e modernidade. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2002. 233 p

KUBLER-ROSS, E. A morte: um amanhecer. São Paulo: Pensamento Ed. 2015. 110 p.

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a Morte e o Morrer. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1969.

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Morte – estágio final da evolução. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1975.

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Perguntas e respostas sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1979.

KÜBLER-ROSS, Elizabeth. A morte: um amanhecer. São Paulo: Pensamento, 1991. [2]

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. A roda da vida: memórias do viver e do morrer. Rio de Janeiro: GMT, 1998. Social Construction of Identity.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. La cultura-mundo. Respuesta a uma sociedad desorientada. Barcelona: Anagrama. In:_______. Mediaciones Sociales, 2010, p. 165-170.

MARCELLINO, N. C. Contribuições de autores clássicos modernos e contemporâneos para os estudos do lazer. Licere, belo horizonte, v. 13, n. 4, dez. 2010.

MARCELLINO, N.C. Algumas aproximações entre lazer sociedade. Rev. Iberoamericana, v.1, n.2, mai-set. 2007.

MORIN, E. O homem e a morte. 2. ed. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1988. 326 p

MORIN, E. A noção de sujeito. In:______. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001a. p. 117-128.

MORIN, E. O método II: a vida da vida. Porto Alegre: Sulina, 2001b. 433 p.

MORIN, E. Ciência com consciência. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. 350 p.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2006. 120 p.

NUNES, M. B. et al. Perfil epidemiológico de pacientes renais crônicos em programa dialítico. Rev enferm, v. 8, n.1, p. 69-76, jan. 2014.

PUKE, N; MARCELLINO, N. C. O lazer existencial: uma possibilidade de resposta para o absurdo. Licere, v. 16, n. 3, p. 1-17, set. 2013.

RICOEUR, P. Vivo até a morte: seguido de fragmentos. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012. 97 p

ROLNIK, S. Toxicômanos de identidade. In: LINS, D. (Org.). Cultura e subjetividade. Saberes nômades. Campinas: Papirus Ed., 1997. p.19-24

RUSSEL, B. O elogio ao Ócio. 4. ed, Rio de Janeiro: Sextante ed., 2002. 183 p.

SILVA, D. A. M. et al. Importância da recreação e do lazer. Brasília: Gráfica e Editora Ideal, 2011. 52 p.

Publicado
2020-03-24
Como Citar
Monteiro, C. F., Brito, C. M. D. de, & Borges, R. de M. (2020). O Lazer como Afirmação da Identidade no Timing da Finitude. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 23(1), 636-678. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2020.19805
Seção
Artigos de Revisão