A Composição do Tempo Social de Mulheres Professoras Durante a Pandemia

Autores

  • Amanda Raquel Rodrigues Pessoa Instituto Federal do Ceará (IFCE)
  • Marla Maria Moraes Moura Instituto Federal do Ceará (IFCE)
  • Isabel Maria Sabino de Farias Universidade Estadual do Ceará (UECE)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2021.29532

Palavras-chave:

Mulher Professora, Atividades de Lazer, COVID-19

Resumo

Esta pesquisa analisa a composição do tempo social de mulheres professoras no período de isolamento social imposto pela pandemia da COVID-19, especificamente a relação do ensino remoto com aspectos do cuidado de si, das obrigações domésticas e familiares, do trabalho e do lazer. Pautada numa abordagem com enfoque qualitativo e quantitativo, 44 mulheres responderam a um questionário misto sendo a análise pautada na análise de conteúdo de Bardin (2011). Os resultados revelaram que o ensino remoto comprometeu o tempo social em virtude da ampliação, intensidade, e das condições de trabalho. Os afazeres domésticos e familiares ainda permaneceram sob responsabilidade das mulheres comprometendo o lazer. Conclui-se que o tempo social no contexto pandêmico intensificou a sensação de sobrecarga e evidenciou a divisão desigual dos papeis sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, L. Educação remota: entre a ilusão e a realidade. Interfaces Científicas, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 348-365, 2020. Disponível em: http://periodicos.set.edu.br/index.php/educacao/article/view/9251/4047. Acesso em: 01 jul. 2020.

BARDIN, L. Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BATISTA, E. B. S. Home office na educação: um estudo sobre o trabalho remoto de professores em tempos de pandemia. Monografia (Especialização) – Curso de Administração, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Departamento de Ciências Administrativas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.

BEHAR, P. A. O Ensino Remoto Emergencial e a Educação a Distância. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2020. Disponível em: http://www.ufrgs.br/coronavirus/base/artigo-o-ensino-remoto-emergencial-e-a-educacao-a--distancia/. Acesso em: 10 jul. 2020.

BRABO, T. S. A. M. Cidadania da mulher professora. São Paulo: Ícone, 2005.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). PNAD Contínua 2019. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 22 nov. 2020.

______. Resolução n° 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 2016.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e Gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, set./dez.2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S010015742007000300003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 jul. 2020.

CAMARGO, L. O. L. O que é lazer. 3. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2003.

CHAMON, M. Trajetória de feminização do magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

CLEMENTE, A. C. F.; STOPPA, E. A. Lazer doméstico em tempos de pandemia da COVID-19. Licere, v. 23, n. 3, p. 460–484, set. 2020. Disponível em: http://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/25524. Acesso em: 20 out. 2020. DOI: http://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.25524.

COELHO, Virginia Paes; SILVA, Camilla de Alvarenga; FORTES, Débora Cristina Bahia. Trabalho e maternidade no cotidiano de professoras do ensino superior. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL, 8., 2012, Juiz de Fora. Anais [...]. Juiz de Fora:CIBS, 2012, p. 1-16. Disponível em: http://www.cibs.cbciss.org/arquivos/TRABALHO%20E%20MATERNIDADE%20NO%20COTIDIANO%20DE%20PROFESSORAS%20DO%20ENSINO%20SUPERIOR.pdf. Acesso em: 29 jul. 2020.

DUMAZEDIER, J. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva/SESC, 1994.

FORMOSINHO, J. (coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, 2009.

GARCIA, A. B. Trabalho feminino em dose dupla: onde está o lazer? Motrivivência, n. 32/33, p. 375-388, 2009. Disponível em: http://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2009n32-33p375. Acesso em: 17 jul. 2020.

GURGEL, T. Feminismo e luta de classe: história, movimento e desafios teórico-políticos do feminismo na contemporaneidade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 9., 2010, Florianópolis, 2010. Anais [...]. Florianópolis, 2010 p. 1-9. Disponível em: www.mulheresprogressistas.org/AudioVideo/FEMINISMO%20E%20LUTA%20DE%20CLASSE.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

HODGES, Charles et al.. The Difference Between Emergency Remote Teaching and Online Learning. EDUCAUSE Review, 2020. Disponível em: http://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remote-teaching-and-online-learning. Acesso em: 26 de junho de 2020.

MARCELLINO, N. C. Estudos do Lazer: uma introdução. Campinas: Autores Associados, 2012.

MARTINS, R. X. A COVID- 19 e o fim da Educação a Distância: um ensaio. Revista de Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 242-256, 2020. Disponível em: http://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/620. Acesso em: 26 jun. 2020.

MARUANI, M. La calificación, uma construcción social sexuada. Economía y Sociologia Del Trabajo, Madrid, n. 21-22, p. 41-50, 1993. Disponível em: http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=125255. Acesso em: 14 jul. 2020.

MONTENEGRO, G. M.; QUEIROZ, B. S.; DIAS, M. C. Lazer em Tempos de Distanciamento Social: Impactos da Pandemia de Covid-19 nas Atividades de Lazer de Universitários na Cidade de Macapá (AP). Licere, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 1–26, 2020. Disponível em: http://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/24785. Acesso em: 27 out. 2020. DOI: http://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.24785.

MORAES, R. F. Prevenindo conflitos sociais violentos em tempos de pandemia: garantia da renda, manutenção da saúde mental e comunicação efetiva. IPEA: Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia. 2020. Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9836. Acesso em: 02 out. 2020.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, Antônio. (Org.). Vidas de Professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2007.

OLIVEIRA, A. L. A espacialidade aberta e relacional do lar: a arte de conciliar maternidade, trabalho doméstico e remoto na pandemia de COVID-19. Revista Tamoios, São Gonçalo, v. 16, n. 1, ed. especial, p. 154-166, 2020. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tamoios/article/view/50448/33479. Acesso em: 20 out. 2020.

OLIVEIRA, F. A.; QUEIROZ, F. M.; DINIZ, M. I. Divisão sexual do trabalho entre homens e mulheres no contexto da pandemia da COVID 19. Revista Inter-Legere, v. 3, n. 28, p. c21486, 2 set. 2020. Disponível em: http://periodicos.ufrn.br/interlegere/articles/view/21486. Acesso em: 10 out. 2020.

PORTO, D. Trabalho doméstico e emprego doméstico: atribuições de gênero marcadas pela desigualdade. Revista Bioética, v. 16, n. 2, p. 287-303, 2008. Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/74. Acesso em: 06 jul. 2020.

PRONOVOST, G. Introdução à sociologia do Lazer. São Paulo: Editora Senac, 2011.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia da pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SCHWARTZ, G. M.; MOREIRA, J. C. C. O ambiente virtual e o lazer. In: MARCELLINO, N. C. (org.) Lazer e cultura. Campinas: Editora Alínea, 2007, p. 149-170.

SILVA, C. L.; BERGAMO, L. G.; ANTUNES, D.; PATREZE, N. S. Os dias entre o teto e o chão da casa: lazer e práticas corporais no contexto brasileiro em tempos da Covid-19. Licere- Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, v. 23, n. 3, p. 57–92, set. 2020. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1129264?src=similardocs. Acesso em: 04 out. 2020. DOI: https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.25111

SOARES, C. A distribuição do tempo dedicado aos afazeres domésticos entre homens e mulheres no âmbito da família. Gênero, Niterói, v. 9, n. 1, p. 9-29, 2008. Disponível em: http://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/30951. Acesso em: 27 jul. 2020.

SOUZA, K. R. et al. Trabalho remoto, saúde docente e greve virtual em cenário de pandemia. Trabalho, Educação e Saúde, v. 19, 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198177462021000100401&lng=en&nrm. Acesso em: 01 out. 2020.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 7. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

TEODORO, A. P. E. G et al. A Dimensão Tempo na Gestão das Experiências de Lazer em Período de Pandemia da Covid-19 no Brasil. Licere, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 126–162, 2020. Disponível em: http://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/25305 . Acesso em: 23 out. 2020 .DOI: http://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.25305

WERNECK, C. L. G; STOPPA, E. A.; ISAYAMA, H. F. Lazer e Mercado. Campinas: Papirus, 2001.

Downloads

Publicado

2021-03-17

Como Citar

Pessoa, A. R. R., Moura, M. M. M., & Farias, I. M. S. de. (2021). A Composição do Tempo Social de Mulheres Professoras Durante a Pandemia. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 24(1), 161–194. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2021.29532

Edição

Seção

Artigos Originais