Museus para Quem?

Interações entre Perfil de Público, Lazer e Turismo

Autores

  • Luiza de Souza Lima Macedo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Ana Paula Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2022.39107

Palavras-chave:

Museus, Atividades de lazer, Turismo

Resumo

O artigo reflete sobre turismo, museus e lazer a partir do estudo de público. Consiste em pesquisa quantitativa realizada em dois museus de ciências em Belo Horizonte, Minas Gerais. A amostra foi 342 formulários, distribuídos entre as instituições pesquisadas, sendo 171 em cada. Para a obtenção dos dados foram utilizados dois instrumentos: formulário para a abordagem quantitativa e a observação de campo, para dados qualitativos. Para o tratamento dos dados, foi utilizado o programa R, versão 3.6.1, com análise de regressão e correlação. Os resultados apontam que o perfil do público se assemelha a outros no contexto nacional e internacional e confirmam o status de elite dos espaços. No caso específico do Brasil, o fator cultural pode ser destacado como uma característica definidora do distanciamento da população. Uma surpresa identificada na pesquisa foi o baixo índice de visitantes que podem ser definidos como turistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOUKAS, N. Young visitors’ perceptions towards cultural destinations: the case of Delphi. Annals of Leisure Research, v.10, p. 431-453, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1080/11745398.2007.9686775. Acesso em: 10 out. 2021.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Org.). Pierre Bourdieu: escritos de Educação. 9. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2007. p. 39-64.

BOURDIEU, P.; DARBEL, A. O Amor pela Arte: os museus de arte na Europa e seu público. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2007.

BRANDÃO, Z. Operando com conceitos: com e para além de Bourdieu. Educação e Pesquisa – Revista da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, v. 36, n. 1, jan.-abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151797022010000100003&lng=pt&tlng=pt . Acesso em: 12 abr. 2021.

CAMARGO, L. O. L. Lazer: Concepções e significados. Licere, v.1, n.1, p. 28-36. 1998. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/1554 Acesso em: 10 out. 2021.

CHAGAS, M. S. Museus, memórias e movimentos sociais. Cadernos de Sociomuseologia, n. 41, 2012. Disponível em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/2654. Acesso: 02 fev. 2021.

DAMICO, J. S.; MANO, S. M. F.; KOPTCKE, L. S. Quem são e o que pensam os visitantes do Museu da Vida. Cadernos do Museu da Vida. v. 3. Núcleo de Estudos de Público e Avaliação em Museus – NEPAM, 2010.

DENDASCK, C. V.; LOPES, G. F. Conceito de Habitus em Pierre Bourdieu e Norbert Elias. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do conhecimento, v. 3, ed. 5, ano 1, p. 01-10, maio 2016.

DESVALLÉES, A.; MAIRESSE, F. (Org.).; SOARES, B. B.; CURY, M. X. (Tradução e comentários). Conceitos Chave de Museologia. Belo Horizonte, MG: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Superintendência de Museus e Artes Visuais: Secretaria de Estado de Cultura, 2016.

ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG. Pesquisa de público 2017. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: https://www.ufmg.br/espacodoconhecimento/wp-content/uploads/2018/01/Pesquisa-de-P%C3%BAblico-2017-2.pdf. Acesso em: 21 maio 2020.

GOMES, A. M. Aprender a cultura. In: LOUREIRO, Maria Helena Mourão; FIGUEIREDO, Betânia Gonçalves. Cultura e educação: parceria que faz história. Belo Horizonte: Mazza: Instituto Cultural Flávio Gutierrez, 2006. p. 29-43.

GOMES, C. L. Lazer, Trabalho e Educação: relações históricas, questões contemporâneas. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema de Informações e Indicadores culturais 2007-2018. Rio de Janeiro, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS (IBRAM). Museus e Turismo. Brasília-DF: IBRAM, 2014. Disponível em: http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2013/12/Museus_e_Turismo.pdf . Acesso em: 27 jan. 2019.

ISAYAMA, H. F.; LACERDA L. L. L. Marketing de serviços de lazer: estudo de caso do Museu de Artes e Ofícios de Belo Horizonte. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, v. 8, n. 4, p. 463-478, 2010. Disponível em: http://pasosonline.org/Publicados/8410/PS0410_03.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

ISAYAMA, H. F.; STOPPA, E. A. Introdução. In: ISAYAMA, H. F.; STOPPA, E. A. (Orgs.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Editora Autores Associados, 2017. p. 3-18.

JONCHERY, A.; VAN PRAËT, M. Ir com a família ao museu: otimizar as negociações. In: ELDELMAN, J.; ROUSTAN, M.; GOLDSTEIN, B. (Org.). O Lugar do público: sobre o uso de estudos e pesquisas pelos museus. 1. ed. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2014. p. 161-176.

KOPTCKE, L. S. et al. A presença feminina nos museus: perfil sociocultural e modalidades de visita. ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 32. Anais... Caxambú/MG, 2008. Disponível em: https://anpocs.com/index.php/encontros/papers/32-encontro-anual-da-anpocs/gt-7/gt29-8. Acesso em: 21 maio 2020.

KOPTCKE, L. S. Público, o X da questão? A construção de uma agenda de pesquisa sobre os estudos de público no Brasil. Museologia & Interdisciplinaridade. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília, v. 1, n. 1, jan.-jul. 2012. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/6854. Acesso em: 16 fev. 2020.

LOPES, R. A. Vamos ao Museu Hoje? Lazer e Educação em Visitas Mediadas. Dissertação de Mestrado – Programa de pós-Graduação em Estudos do Lazer, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2014.

MACEDO, L.S.L. Lazer e Aprendizagem: interseções a partir de visitas familiares a museus de ciências. Dissertação de Mestrado – Programa de pós-Graduação em Estudos do Lazer, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2020. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/34470.

MAGNANI, J. G. C. Do mito de origem aos arranjos desestabilizadores: notas introdutórias. In: MAGNANI, José Guilherme C.; SPAGGIARI, Enrico (Orgs.). Lazer de Perto e de Dentro: uma abordagem antropológica. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018. p. 12-34.

MALDONADO-TORRES, N. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, J.; MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2018. p.89-120.

MELO, V. A. Lazer: olhares multidisciplinares. Campinas: Alínea, 2010.

OLIVEIRA, A.P.G.S. Conectando trechos do caminho: turismo, lazer e desenvolvimento regional no contexto do projeto estruturador Rota das Grutas de Peter Lund. Tese de doutorado – Programa de pós-Graduação em Estudos do Lazer, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-B78E52. Acesso em: 01 abr. 2021.

PEDRÃO, C. C.; UVINHA, R. R. O Lazer do Brasileiro: discussão dos dados coletados em escolaridade, renda, classes sociais e cor/raça. In: ISAYAMA, H. F.; STOPPA, E. A. (Org.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Editora Autores Associados, 2017. p. 37-47.

SCHWAB, K. A.; DUSTIN, D. L. Towards a model of optimal family leisure. Annals of Leisure Research, v.18, n.2, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1080/11745398.2015.1007881. Acesso em: 10 out. 2021.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, n. 20, p. 60-70, maio-ago. 2002. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782002000200005.

SHEN, H., et al. Craft museum visitors’ interactive experiences, benefits and behavioural intentions: perspectives of Chinese parents, Leisure Studies, v.39, n.3, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1080/02614367.2019.1696390. Acesso em: 10 out. 2021.

SILVA, S. R. Apresentação. In: STOPPA, Edmur Antônio; ISAYAMA, Hélder Ferreira (Org.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Autores Associados, 2017. p. 1-2.

SOUTTO MAYOR, S. T.; ISAYAMA, H. F. O Lazer do Brasileiro: sexo, estado civil e escolaridade. In: ISAYAMA, H. F.; STOPPA, E. A. (Orgs.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Editora Autores Associados, 2017. p. 19-36.

TEIXEIRA COELHO. A Cultura e seu contrário: cultura, arte e política pós-2001. São Paulo: Ed. Iluminuras, 2008.

TEIXEIRA COELHO. O que é indústria cultural. Coleção Primeiros Passos. 35. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

VELHO, G.; CASTRO, E. V. O conceito de cultura e o estudo das sociedades complexas: uma perspectiva antropológica. Artefato: Jornal de Cultura, Conselho Estadual de Cultura, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, 1978.

YERKES, M. A., ROETERS, A.; BAXTER, J. Gender differences in the quality of leisure: a cross-national comparison. Community, Work & Family, v.23, n.4, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13668803.2018.1528968. Acesso em: 10 out. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-04

Como Citar

Macedo, L. de S. L., & Oliveira, A. P. (2022). Museus para Quem? Interações entre Perfil de Público, Lazer e Turismo. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 25(1), 315–342. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2022.39107

Edição

Seção

Artigos Originais