Pensar o museu como uma comunidade de prática

ambiente de aprendizagem organizacional coletiva e continuada para os profissionais

Autores

  • Cláudia Maria Alves Vilhena Vilhena Universidade Federal de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-8682-4403
  • Célia Dias Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-6658.2021.37144

Palavras-chave:

Profissionalismo nos museus, Comunidade de prática, Aprendizagem organizacional coletiva e continuada

Resumo

As comunidades de prática são formadas por pessoas que compartilham de um mesmo interesse ou ideal, cujo desenvolvimento pode ocorrer em qualquer tipo de ambiente. Os museus são instituições destinadas a representatividade das diferentes manifestações culturais. O objetivo do artigo é analisar possíveis conexões entre a comunidade prática e o exercício das ações museológicas executadas pelos profissionais de museus. A pesquisa apresenta abordagem qualitativa e utiliza a técnica bibliográfica. Os resultados apresentam a comunidade de prática como uma estrutura informal baseada nos relacionamentos e no conhecimento da equipe. Discute o ambiente museal como possível espaço vocacionado a aprendizagem coletiva junto aos profissionais. Concluiu-se que a comunidade de prática pode contribuir de forma eficaz na prática diária do trabalho nas instituições museais, ao desenvolver a coesão, a interação social e a criação do conhecimento organizacional coletivo entre a equipe de profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Dias, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestrado (2002) e doutorado em Ciência da Informação pela Escola de Ciência da Informação/UFMG (2010) e graduação em Biblioteconomia pela Escola de Ciência da Informação da UFMG (1990). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento (PPG-GOC/UFMG), professora adjunta do Departamento de Organização e Tratamento da Informação da Escola de Ciência da Informação e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento, PPG-GOC da UFMG. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Representação do Conhecimento e Recuperação da Informação - RECRI/UFMG e membro do NDE do curso de biblioteconomia/UFMG.

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, O. F de; SANTOS, C. A dos. Mediação, informação, competência em informação e criticidade. Competência e Mediação da Informação: percepções dialógicas entre ambientes abertos e científicos [recurso eletrônico] / Gabriela Belmont de Farias e Maria Giovanna Guedes Farias (organizadoras). – São Paulo: Abecin, 2019, p. 96-113.

Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Richele_Vignoli/publication/336854964_Dados_pessoais_dados_sensiveis_e_dados_pessoais_sensiveis_um_contributo_conceitual_para_a_Ciencia_da_Informacao/links/5db730d0a6fdcc2128e8051d/Dados-pessoais-dados-sensiveis-e-dados-pessoais-sensiveis-um-contributo-conceitual-para-a-Ciencia-da-Informacao.pdf. Acesso em: 14 nov. 2020.

BELLUZZO, R. C. B. O conhecimento, as redes e a competência em informação (COINFO) na sociedade contemporânea: uma proposta de articulação conceitual. Perspectiva em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 4, Número Especial, p. 48-63, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/135507/ISSN2236-417X-2014-04-48-63.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 19 fev. 2021.

CABELLEIRA, D. M. Comunidades de Prática – Conceitos e Reflexões para uma Estratégia de Gestão do Conhecimento. EnANPAD. 2007. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/ADI-B2953.pdf. Acesso em: 29 abr. 2020.

CÓDIGO DE ÉTICA DO ICOM PARA MUSEUS. 2006. Disponível em: http://www.mp.usp.br/sites/default/files/arquivosanexos/codigo_de_etica_do_icom.pdf. Acesso em: 12 jun. 2020.

DIB, S. F.; SILVA da, N. C. Competências em unidades de informação: metodologia para o desenvolvimento de equipes. Perspectiva em Ciência da Informação. Belo Horizonte: Ed. ECI, v. 14, n.2, p. 17-29, maio/ago. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pci/v14n2/v14n2a03.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

DUDZIAK, E. A. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/8194. Acesso em 16 nov. 2019.

FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Em busca da competência. Estratégias empresariais e formação de competências. São Paulo: Atlas, 2000.

GAZZOLA, S. B; PINHEIRO, R; LEITE, L. C; BELLUZZO, R. C. B. Aplicabilidade da Competência em informação nas análises de indicadores institucionais como subsídios para a tomada de decisão: uma análise de equipe gestora da Etec Antônio Devisate. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 16, p.1-26, 2020. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1376/1214. Acesso em: 21 jun. 2021.

GROPP, B. M.C. Uma abordagem etnográfica em comunidades de prática. Dissertação. São Paulo, 2005. 127f. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/990/1/Dissertacao%20Beatrice%20M%20Carola%20Gropp.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

GUIMARÃES, T. B. C; GONÇALVES, L. C; VALE, G. M. V. De comunidade de prática a rede de práticas: um estudo da evolução de uma comunidade startups da cidade de Belo Horizonte. In: Cad. EBAPE.BR, v. 16, n. 4, Rio de Janeiro, out. /dez. 2018, pp. 762-773. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cebape/v16n4/pt_1679-3951-cebape-16-04-761.pdf. Acesso em: 16 jul. 2020.

HIDALGO, G; KLEIN, A. Comunidades de prática como meio de desenvolvimento profissional de grupos em situação de vulnerabilidade social1. REAd | Porto Alegre, v. 23, n. especial. 2017, p. 93-125. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/read/v23nspe/1413-2311-read-23-spe-93.pdf. Acesso em: 02 mai. 2020.

HAKAMIES, I. Practice Makes ‘Museum People’. In: Museum & Society, July 2017. 15 (2), p.142-152. Disponível em: https://researchportal.helsinki.fi/en/publications/practice-makes-museum-people. Acesso em: 01 abr. 2020.

HARRIS, B. R. Communities as Necessity in Information Literacy Development: Challenging the Standards. In: THE JOURNAL OF ACADEMIC LIBRARIANSHIP. 2008, v. 34, n. 3, p. 248–255. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/222287505_Communities_as_Necessity_in_Information_Literacy_Development_Challenging_the_Standards. Acesso em: 31 jul. 2020.

HOY, M. Relationships, trust and learning: experiences of emerging professionals working in collecting institutions. In: Published online: Springer Science+Business Media B.V. 2011. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10502-011-9158-x. Acesso em: 01 abr. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Subsídios para a elaboração de planos museológicos / Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, 2016. Disponível em: https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2017/06/Subs%C3%ADdios-para-a-elabora%C3%A7%C3%A3o-de-planos-museol%C3%B3gicos.pdf. Acesso em: 03 abr. 2020.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne. Situated learning: Legitimate peripheral participation. Cambridge University Press. UK. 1991. 139p.

LOIOLA, E; NERIS, J; LEOPOLDINO, C. Aprendizagem organizacional. In: PEDRO F. BENDASSOLLI, JAIRO EDUARDO BORGES ANDRADE (Orgs.). Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015, p. 77-83.

LONGO, R. A importância do conhecimento e do profissional da informação para a estratégia corporativa num contexto de complexidade. In: LEONARDO FERNANDES SOUTO (Org.). Gestão da informação e do conhecimento: práticas e reflexões. 1. ed., 2014. v. 1, p. 153-172.

MARCONI, M. de A., LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica / Marina de Andrade Marconi, Eva Maria Lakatos. – 8. ed. – [3. Reimpr.]. – São Paulo: Atlas, 2017. 347p.

MARTY, P. F. Finding the skills for tomorrow: information literacy and museum information professionals. In: Museum management and curatorship 21 (2006) p. 317-335. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09647770600702104. Acesso em 01 abr. 2020.

MIRANDA, S. V. Aprendizagem organizacional e desenvolvimento de competências informacionais. In: TARAPANOFF, K. Aprendizado organizacional: contexto e propostas. Volume 2 / organizadora Kira Tarapanoff. – Curitiba, 2011, p. 243-285.

PUENTE-PALACIOS, K. Grupos e equipes. In: PEDRO F. BENDASSOLLI, JAIRO EDUARDO BORGES ANDRADE (Orgs.). Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015, p. 381-386.

RAY, J. Sharks, digital curation, and the education of information professionals. Joyce Ray, In: Museum Management and Curatorship. Institute of Museum and Library Services. 2009. 9th Floor, 1800 M Street NW, Washington, DC 20036-5802, USA. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09647770903314720. Acesso em 31 mar. 2020.

SILVAGGI, Antonia; ROMINA, Surace; PESCE, Federica; SANI, Margherita. The training needs of museums professionals in the digital field in Italy. The future of museum professionals in the digital Era. The success story of Mu.Sa 2020, p. 7-12. Disponível em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf. Acesso em: 18 jun. 2021.

VERGUEIRO, W; CASTRO FILHO, C. M. Gestão de pessoas em unidades de informação. Administração em unidades de informação. Rio Grande do Sul: Editora da FURG. 2007. Disponível em: http://www.repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/7627/Vergueiro%2C%20W.%20%20e%20Miranda%2C%20A.%20C.%20D..pdf?sequence=1. Acesso em 01 abr. 2020.

VILHENA, C. M. A; DIAS, C. da C. Competência em Informação e sua relevância para os profissionais de museus. Museus e museologia na América Latina: compartilhando ações para

a pesquisa, a qualificação profissional e a valorização de estratégias inclusivas [recurso eletrônico] / Organização Teresa Cristina Scheiner e Marcus Granato. – Rio de Janeiro: UNIRIO/PPG-PMUS/MAST, 2020, p. 36-49. EBOOK. Disponível em: http://www.unirio.br/ppg-pmus/livrofinalMUSEUSEMUSEOLOGIANAAMRICALATINA2020.pdf. Acesso em: 12 abr. 2021.

VILHENA, C. M. A; DIAS, C. da C. A mediação da informação entre os profissionais de museus: sinergia nas relações profissionais. In: ANAIS DO III ENCONTRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO E MEDIAÇÃO (III EPIM). On-line. Marília, SP. 2021. No prelo.

VISSER, Jasper. The Museum of the future. A Job Description for Future Museum Professionals. 2013. Disponível em: https://themuseumofthefuture.com/2013/01/21/a-job-description-for-future-museum-professionals/. Acesso em 25 jan. 2020.

WENGER, Etienne. Communities of practice: learning, meaning, and identity. Cambridge University Press. UK. 1999. 318p.

WENGER, Etienne; SNYDER, William. M. Comunidades de prática: a fronteira organizacional. Cambridge: Harvard Business Review, 2001.

WENGER, Etienne; MCDERMOTT, Richard; SNYDER, William. M. Cultivanting Communities of practice. A guide to managing knowledge. Harvard Business School Press. USA. 2002. 284p.

WENGER, Etienne. Chapter 11 Communities of Practice and Social Learning Systems: the Career of a Concept. C. Blackmore (ed.), Social Learning Systems and Communities of Practice, the Open University 2010. Published in Association with Springer-Verlag London Limited. Disponível em: https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-1-84996-133-2_11. Acesso em: 29 abr. 2020.

WHITE, H. The Goal Posts Have Moved: The Implications of New Paradigms for Professional Skills in Museums. In: Museum Internacional ICOM. 2016.p. 269 – 270. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/muse.12092. Acesso em: 01 abr. 2020.

YAFUSHI, C. A. P. A competência em informação para a construção de conhecimento no processo decisório: estudo de caso na Duratex de Agudos/(SP). 2015. 232f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2015. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/126599/000841884.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 21 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-04

Como Citar

VILHENA, C. M. A. V.; ´DIAS, C. da C. D. Pensar o museu como uma comunidade de prática: ambiente de aprendizagem organizacional coletiva e continuada para os profissionais. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, [S. l.], n. Especial, 2021. DOI: 10.35699/2237-6658.2021.37144. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/moci/article/view/37144. Acesso em: 7 dez. 2022.