Retórica em Homero? Uma análise da súplica de Odisseu a Nausícaa no Canto 6 da Odisseia (135-97)

An analysis of Odysseus’ supplication to Nausicaa in Odyssey 6 (135-97)

  • Rafael de Almeida Semêdo Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Nausícaa, feácios, Odisseu, retórica, Odisseia, Homero

Resumo

Este artigo discute a possibilidade de se explorar o campo da retórica dentro dos poemas homéricos. É adequado utilizar-se do termo “retórica” em discussões sobre poesia homérica? Defendemos, na esteira de Knudsen (2014), que, sim, a Ilíada e a Odisseia provêm as primeiras manifestações de atividade retórica da Antiguidade. Primeiramente, discutimos por que alguns estudiosos rechaçam essa possibilidade, e, em seguida, argumentamos por que discordamos deles. Por fim, aplicamos os elementos de nossa discussão teórica a uma análise da súplica de Odisseu a Nausícaa no Canto 6 da Odisseia, explorando: a) a introdução do narrador homérico com os termos kerdíon, kerdaléos e meilíkhios; e b) a fala estratégica de Odisseu ao tentar convencer Nausícaa a prover-lhe roupas e informações sobre o caminho para a cidade mais próxima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael de Almeida Semêdo, Universidade de São Paulo
Letras Clássicas e Literatura Escandinava Medieval

Referências

BEEKES, R. Etymological Dictionary of Greek. Leiden: Brill, 2010.

CHANTRAINE, P. Dictionnaire Étymologique de la Langue Grecque. Nouvelle edition avec supplement. Paris: Klincksieck, [1968] 1999.

COLE, T. The Origins of Rhetoric in Ancient Greece. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1991.

CUNLIFFE, R. A Lexicon of the Homeric Dialect. Oklahoma: University of Oklahoma Press, 1977.

DE JONG, I. Homeric κέρδος and ὄφελος. Beiträge aus dem Hamburger Thesaurus Linguae Graecae I, v. 44, n. 2, p. 79-81, 1987.

FERREIRA, P. O poder da retórica no Ulisses Homérico. Boletim de Estudos Clássicos, Coimbra, v. 54, p. 9-29, 2010. DOI: https://doi.org/10.14195/0872-2110_54_1.

FRISK, H. Griechisches Etymologisches Wörterbuch (band II). Heidelberg: Universitätsverlag Winter, 1970.

KNUDSEN, R. Homeric Speech and the Origins of Rhetoric. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2014.

LATTIMORE, R. (Translation). The Odyssey of Homer. New York: Harper & Row, 1965.

LIDDELL, H.; SCOTT, R; JONES, H. A Greek-English Lexicon. Oxford: Clarendon Press, 1940.

MALTA, A. Os feácios e a transição de Odisseu na Odisseia. Acta Scientiarum, Maringá, PR, v. 39, n. 1, p. 1-11, 2017.

MOST, G. The Structure and Function of Odysseus’ Apologoi. Transactions of the American Philological Association (1974-), Baltimore, v. 119, p. 15-30, 1989. DOI: https://doi.org/10.2307/284257.

MURRAY, A. (Translation) The Odyssey with an English Translation. Cambridge: Harvard University Press; London: William Heinemann, 1919. Available at: http://www.perseus.tufts.edu. 2 v.

ROISMAN, A. Kerdíon in the Iliad: Profit and Trickiness. Transactions of the American Philological Association (1974-), Baltimore, v. 120, p. 23-35, 1990. DOI: https://doi.org/10.2307/283976.

SCHIAPPA, E. The Beginnings of Rhetorical Theory in Classical Greece. New Haven: Yale University Press, 1999.

SCHMITT, R. Hesych K-3598. Glotta, [S.l.], v. 51, p. 94-5, 1973.

SEMÊDO, R. Alcínoo versus Odisseu na corte dos feácios: um jogo discursivo. 2018. 203f. Dissertation (M. A.) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018c.

SEMÊDO, R. Alcínoo versus Odisseu na corte dos feácios: evidências preliminares de um jogo discursive. In: BAPTIST, N.; LEITE, L.; SILVA, C. (org.) Ludus: poesia, esporte, educação. Vitória, PPGL, 2018a.

p. 262-273.

SEMÊDO, R. Od. 8.548: Ocultação e verdade no questionamento de Alcínoo a Odisseu. Ágora. Estudos Clássicos em Debate, Aveiro, v. 20, p. 11-31, 2018b.

VERNANT, J.-P. La mort dans les yeux: figures de l’autre en Grèce ancienne. Paris: Hachette, 1985.

Publicado
2020-07-31
Como Citar
Semêdo, R. de A. (2020). Retórica em Homero? Uma análise da súplica de Odisseu a Nausícaa no Canto 6 da Odisseia (135-97). Nuntius Antiquus, 16(1), 13-34. https://doi.org/10.35699/1983-3636.21481
Seção
Dossiê: Transmissão de Saber(es) e Educação na Antiguidade e Idade Média