Autoria, cânone retórico e polifonia nas Declamações maiores de Pseudo-Quintiliano

  • Beatriz Rezende Lara Pinton Universidade Federal de Juiz de Fora , Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Charlene Martins Miotti Universidade Federal de Juiz de Fora , Juiz de Fora, Minas Gerais
Palavras-chave: declamações, Pseudo-Quintiliano, cânone, personae, polifonia

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o contexto de produção das Declamações maiores atribuídas a Quintiliano, escritas entre os séculos I e IV EC. Uma vez que o gênero declamatório surgiu no mundo greco-romano como um exercício escolar, é possível conjugar os preceitos teóricos da educação retórica no Império Romano com a prática das declamações, identificando em que medida os cânones literários recomendados no livro X da Institutio oratoria influenciam na construção das personagens das Declamações maiores 14 e 15, objetos deste estudo. Também se investiga quais sujeitos tinham acesso à educação em Roma, os possíveis praticantes e autores das declamações e como tais textos manifestam, por meio de personagens, diferentes personae e vozes, oriundas de diversas camadas sociais. Este artigo se propõe a demonstrar que a leitura da obra não pode se guiar apenas pela função-autor, distanciando a produção dos sujeitos históricos que supostamente a compuseram. Ao tratar de temas como tensões entre homens ricos e pobres, estupro, abuso de poder e deserdação, o gênero declamatório pode – à primeira vista – ser interpretado como uma ferramenta contundente de discussão social e denúncia. No entanto, considerando o seu contexto de produção e os prováveis declamadores, propõe-se que as declamações ao mesmo tempo contribuem e rompem com as narrativas de poder, traçando algumas possibilidades de negociar identidades e alianças por meio das personagens do cânone estabelecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, William S. Anger in Juvenal and Seneca. Publications in Classical Philology, Berkeley, v. 19, n. 3, p. 127-196, 1964.

BAKHTIN, M. M. Problemas da Poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: ______. O rumor da língua. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988 [1968]. p. 65-70.

BLOOMER, Martin. A preface to the history of declamation: whose speech? Whose history? In: HABINEK, Thomas; SCHIESARO, Alessandro. The Roman Cultural Revolution. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

BONNER, S.F. Roman Declamation in the Late Republic and Early Empire. Liverpool: Liverpool University Press, 1949.

BOOTH, Wayne C. The Rhetoric of Fiction. 2. ed. Chicago: University of Chicago Press, 1983 [1961].

CLAY, Diskin. The Theory of Literary Persona in Antiquity. Materiali e Discussioni per l’Analisi dei Testi Classici, Pisa, n. 40, p. 9-40, 1998. DOI: https://doi.org/10.2307/40236116.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

CONNOLLY, Joy. Imaginative fiction beyond social and moral norms. In: DINTER, M.; GUÉRIN, C.; MARTINHO, M. (org.). Reading Roman Declamation: the Declamations Ascribed to Quintilian. Berlim: De Gruyter, 2015. p. 191-207. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110352511-010.

CORBEILL, Anthony. A Student Speaks for Social Equality in the Roman Classroom. In: DINTER, M.; GUÉRIN, C.; MARTINHO, M. (org.). Reading Roman Declamation: the Declamations Ascribed to Quintilian. Berlim: De Gruyter, 2015. p. 11-24. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110352511-003.

EDWARDS, Catherine. Unspeakable Professions: Public Performance and Prostitution in Ancient Rome. In: HALLET, Judith; SKINNER, Marilyn. Roman Sexualities. Princeton: Princeton University Press, 1997. p. 66-95.

FALCÓN, Rafael Sento-Sé Guimarães. A educação do orador: tradução e estudo do livro II da Institutio Oratoria. 2015. 124 f. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

FIORIN, José Luiz. Interdiscursividade e intertextualidade. In: BRAIT, Beth (org.) Bakhtin. Outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005. p. 161-193.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Tradução de António Fernando Caiscais e Eduardo Cordeiro. 3. ed. Lisboa: Vega, 1997 [1969].

GILULA, Dwora. The Concept of the ‘bona meretrix’. A Study of Terence’s Courtesans. Rivista di Filologia e di Istruzione Classica, Torino, v. 108, p. 142-165, jan. 1980.

GONZÁLEZ, Ana M. Rodríguez. Las declamaciones quintilianeas y la experiencia jurídica romana. In: Seminarios Complutenses de Derecho Romano: Revista Internacional de Derecho Romano y Tradicíon Romanística, Madrid, n. 28, p. 941-957, 2015.

GREENE, T. M. The Light in Troy: Imitation and Discovery in Renaissance Poetry. New Haven: Yale University Press, 1982.

GRUBER, Heather Irene Waddell. The Women of Greek Declamation and the Reception of Comics Stereotypes. 2008. 173 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – University of Iowa, Iowa, 2008.

LANGLANDS, Rebecca. Sexual Morality in Ancient Rome. New York: Cambridge University Press, 2006. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511482823.

LOPES, Edward. Discurso literário e dialogismo em Bakhtin. In: BARROS, Diana Luz Pessoa; FIORIN, José Luiz. Dialogismo, polifonia, intertextualidade: em torno de Bakhtin. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2011. p. 63-81.

MIOTTI, Charlene Martins. Ridentem dicere verum: o humor retórico de Quintiliano e seu diálogo com Cícero, Catulo e Horácio. 2010. 224 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

PEREIRA, Marcos A. Natureza e lugar dos discursos gramatical e retórico em Cícero e Quintiliano. Phaos, Campinas, v. 1, p. 143-157, 2001.

PERNOT, Laurent. Rhetoric in Antiquity. Translation by W. E. Higgins. Washington: The Catholic University of America, 2005.

REZENDE, Antonio Martinez de. Rompendo o silêncio: a construção do discurso oratório em Quintiliano. 2009. 280 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

SCHOECK, Richard J. Intertextualidade e cânone retórico. Rónai: Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, Juiz de Fora, v. 5, n. 1, p. 3-15, 2017. DOI: https://doi.org/10.34019/2318-3446.2017.v5.23208.

SCHWARTZ, Pablo. Estratégias da tradição: Cícero nas Declamationes de Sêneca, o Retor, e no Dialogus de oratoribus de Tácito. 2004. 240 f. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

STRONG, Anise K. Prostitutes and matrons in the Roman World. New York: Cambridge University Press, 2016. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781316563083.

SUSSMAN, Lewis A. The Major Declamations Ascribed to Quintilian: a Translation. Frankfurt am Main: Peter Lang GmbH, 1987.

VEESER, Harold Aram (ed.). The new historicism. New York: Routledge, 1989.

Publicado
2020-07-14
Como Citar
Rezende Lara Pinton, B., & Martins Miotti, C. (2020). Autoria, cânone retórico e polifonia nas Declamações maiores de Pseudo-Quintiliano. Nuntius Antiquus, 16(1), 77-99. https://doi.org/10.35699/1983-3636.21637
Seção
Dossiê: Transmissão de Saber(es) e Educação na Antiguidade e Idade Média