Medeia e a rede de conectividade entre a região bárbara da Cólquida e a civilidade de Atenas no período clássico

  • Maria Regina Candido Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro / Brasil
Palavras-chave: Medeia, conectividade marítima, Mar Negro, Helenos, bárbaros

Resumo

Neste ensaio, nos propomos a analisar, através da dramaturgia de Medeia, do poeta Eurípides, as citações que nos despertam a atenção para a conectividade marítima entre o Mar Negro e as regiões gregas banhadas pelos mares Mediterrâneo e Egeu, consideradas áreas que detêm uma longa história de contatos e migrações. A dramaturgia de Medeia nos aponta para o processo de conectividade dos gregos em diferentes regiões do mundo antigo. Entretanto, esta conexão marítima detém a peculiaridade de ser a da região do Mar Negro menos conhecida do universo acadêmico do Ocidente. Podemos afirmar a escassez e a ausência de análise (sobre esta região), realizada por nós, pesquisadores da historiografia que estão na América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Regina Candido, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro / Brasil


Possui como formação Doutorado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001) com estágio na EFA: Escola Francesa de Atenas/Grécia, Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995), Graduação em História/UFRJ e Comunicação Social/Jornalismo na Faculdade Estácio de Sá . Atualmente é Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ, coordenadora do Núcleo de Estudos da Antiguidade/NEA/UERJ (P.710/SR-3) e coordenadora do Curso de Especialização de História Antiga e Medieval/CEHAM da UERJ (Lato Sensu). Coordenação do PPGH/UERJ de 2019-2021. Atuou como avaliadora do INEP/MEC 2006 - 2016 na área de Comunicação Social e História. Participa do programa de Pós Graduação da História/PPGH da UERJ e da Pós-Graduação de História Comparada/PPGHC/UFRJ. Tem experiência na área de História, Filosofia , Antropologia e Arqueologia com ênfase em sociedades antigas grega e romana. Interage com a área de Teoria e Metodologia na construção do conhecimento em História aplicados principalmente nos temas sobre: rituais, práticas mágicas, análise do discursos, praticas sociais, politica e na recepção dos estudos clássicos. Atua na orientação de alunos de Graduação, da Especialização e da Pós-Graduação em História Antiga, participa ativamente de congresso Nacionais e Internacionais relacionado as Ciências Humanas e, detêm publicações de artigos em revistas e coletâneas de livros internacionais como no Coimbra,Chile, México e Cuba.

Referências

ARISTOTLE. Constitution d’Athènes. Tradução de G. Mathie. Paris: Les Belles Lettres, 1996.

BRAUND, David. Art and Archaeology. The Greeks in the East. London: British Museum Press, 2007.

BURSTEIN, Stanley M. The Greek Cities of the Black Sea. In: Kinzl, Konrad H. (ed.). A Companion to the Classical Greek World. Oxford: Blackwell, 2006. p. 137-152. DOI: https://doi.org/10.1002/9780470996799.ch8

CKONIA, A. M. A propos de l’exportation de l’or colchidien. In: FAUDOT, M. (ed.). Pont-Euxin et Polis: Polis hellenis et Polis Barbaron. Besançon: Presses Universitaires de Franche-Comté, 2005. p. 263-272.

CROCE, Benedetto. History, Its Theory and Practice. New York: Cornell University, 1921.

CSAPO, Eric et alli. The Origins of Theater in Ancient Greece and Beyond: from Ritual to Drama. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 2007.

EHRHARDT, N. Milet und seine Kolonien. Frankfurt am Main: P. Lang 1983.

ESTRABON. Geografia V-VII. Traducción de José Vela Teja y Jesus Gracias Artal. Madrid: Editorial Gredos, 2001.

EURÍPIDES. Medeia. Tradução de Jaa Torrano. São Paulo: HUCITEC, 1991. Edição Bilíngue grego-português.

FAUDOT, M. (ed). Pont-Euxin et Polis: Polis hellenis et Polis Barbaron. Besançon: Presses Universitaires de Franche-Comté, 2005.

FOUCART, Paul François. Des Associations Religieuses chez les Grecs: Thiases, Éranes, Orgéons. Paris: Les Belles Lettres, 1975.

GARLAND, Robert. The Piraeus: from the Fifth to the First Century BC. London: Duckworth, 1987.

GRAHAM, Shipley (trad.). Pseudo-Skylax’s Periplous: The Circumnavigation of the Inhabited World. Exeter: Bristol Phoenix, 2011.

GREAVES, Allan M. The Cult of Aphrodite in Miletos and Its Colonies. Anatolian Studies, Ankara, v. 54, p. 27-33, 2004. DOI: https://doi.org/10.1017/S0066154600000545.

HOPMAN, Marianne. Revenge and Mythopoiesis in Euripides’ Medea. Transactions of the American Philological Association, Baltimore, v. 138, p. 155-183, 2008. DOI: https://doi.org/10.1353/apa.0.0002.

KAKHIDZE, A., IASHVILI. I., Vickers, M. Silver Coins of Black Sea Coastal Cities from the Fifth Century BC Necropolis at Pichvnari. The Numismatic Chronicle, London, v. 161, p. 282-288, 2001.

KAPPLER, Claude. Monstruos, demonios y maravillas a fines de la Edad Media. Madrid: AKAL, 2004.

KVIRKVELIA, Guram. Polis Barbaron in the Black Sea area in archaic and classical periods. In: FAUDOT, M. (ed.). Pont-Euxin et Polis: Polis hellenis et Polis Barbaron. Besançon: Presses Universitaires de Franche-Comté, 2005. p. 33-40.

Mais de 1 milhão de refugiados e imigrantes chegaram à Europa em 2015. Veja, São Paulo, 22 dez. 2015. Disponível em; https://veja.abril.com.br/mundo/mais-de-1-milhao-de-refugiados-e-imigrantes-chegaram-a-europa-em-2015/. Acesso em 22 out. 2016.

NOONAN, Thomas S. The Grain Trade of the Northern Black Sea in Antiguity. The American Journal of Philosophy, New York, v. 94, n. 3, p. 231-242, 1973. DOI: https://doi.org/10.2307/293978. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/293978?seq=1. Acesso em: 10 fev. 2016.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Trad. Yara Aun Khoury. Projeto História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, 1993.

NOVAES, Adauto. Civilização & barbárie. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2004.

PHILOSTRATUS. Elder Philostratus, Younger Philostratus, Callistratus. Translated by Fairbanks. London: William Heinemann, 1931. (Loeb Classical Library, v. 256)

PLATÃO. República. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian,1993.

PLUTARCO. Vidas Paralelas: Péricles e Fábio Máximo. Tradução do grego por Ana Maria Guedes Ferreira e Ália Rosa Conceição Rodrigues. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010.

PSEUDO-SKYLAX’S PERIPLOUS: The Circumnavigation of the Inhabited World. Tradução de Shipley Grahan. Exeter: Bristol Phoenix, 2011.

ROBERTSON, Martin. The Art of Vase-Painting in Classical Athens. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

ROCKENBACK, Marina. Por um comparativismo construtivo do culto à Ísis entre atenienses e egípcios no final do V século AEC. Orientadora: Maria Regina Candido. 2016. 184f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

VELHO OLIGARCA. A Constituição dos atenienses. Tradução de Neyde Theml e André Chevitarese. Vitória: EDUFES, 2002.

VLASSOPOULOS, Kostas. Greeks and Barbarians. Cambridge: Cambridge University Press, 2013. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139049368.

WILES, David. Tragedy in Athens, performance space and Theatrical meaning. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511582295.

Publicado
2020-01-24
Como Citar
Candido, M. R. (2020). Medeia e a rede de conectividade entre a região bárbara da Cólquida e a civilidade de Atenas no período clássico . Nuntius Antiquus, 15(2), 11-25. https://doi.org/10.17851/1983-3636.15.2.11-25
Seção
Artigos