Do rito ao palco: inversão de gênero e performance nas Tesmoforiantes, de Aristófanes

Autores

  • Edilane Vitório Cardoso Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, Ceará / Brasil

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3636.15.2.27-48

Palavras-chave:

Aristófanes, Tesmoforiantes, gênero, ritual

Resumo

Das onze comédias remanescentes de Aristófanes, três utilizam a inversão de papéis de gênero em que as mulheres são representadas exercendo funções convencionalmente desempenhadas por homens. Lisístrata (411 a.C.) e Assembleia de mulheres (392 a.C.) tratam da intrusão da figura feminina nos espaços públicos de Atenas – Acrópole e Ágora respectivamente, prefigurando a participação delas na vida política e econômica da cidade. Em Tesmoforiantes (411 a.C.), entretanto, temos o reposicionamento em torno da batalha dos sexos e do travestismo de gênero, o que compreende o domínio da estética e do visual, que se projeta no próprio teatro. Em vez do confronto coletivo de homens e mulheres, a peça dirige as ações das mulheres contra um único alvo masculino – o poeta trágico Eurípides. Salvas do constrangimento social e dos padrões convencionais que as mantêm dentro do oîkos, silenciosas e inertes em espaços públicos do discurso e da ação, no palco da comédia as mulheres são representadas como protagonistas de seus atos e manifestos. Nesse sentido, o estudo que ora apresentamos busca analisar a inversão de papéis de gênero, travestismo e performance na comédia Tesmoforiantes. A proposta parte da análise do reajuste das posturas performáticas que identificam as mulheres no ritual das Tesmofórias, concentrando o estudo nas questões que giram em torno da inversão de papéis e travestismo de gênero no palco. Assim, com vistas ao debate pretendido, nos ancoramos teoricamente nos estudos de Zeitlin (1981), Tzanetou (2002), Vernant (1989), Silva (1979-1980) e McClure (1999).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilane Vitório Cardoso, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, Ceará / Brasil

Doutoranda em Literatura Comparada, área Letras Clássicas pela Universidade Federal do Ceará

Referências

ARISTÓFANES. Lisístrata. Tradução de Ana Maria César Pompeu. São Paulo: Hedra, 2010.

ARISTÓFANES. Tesmoforiantes. Tradução de Ana Maria César Pompeu. São Paulo: EDIPRO, 2015.

HESÍODO. Os Trabalhos e os Dias. Tradução de Mary de Camargo Neves Lafer. 3. ed. São Paulo: Iluminuras, 1996.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Tradução de Jaa Torrano. 3. ed. São Paulo: Iluminuras, 1995.

McCLURE, Laura. Gender and Verbal Genres. In: McCLURE, Laura. Spoken Like a Woman: Speech and Gender in Athenian Drama. Princeton: Princeton University Press, 1999. p. 32-69.

SILVA, Maria de Fátima Sousa e. A posição social da mulher na comédia de Aristófanes. Humanitas, Coimbra, n. 31/32, p. 97-114, 1979-1980.

TZANETOU, Angeliki. Something to do with Demeter: Ritual and performance in Aristophanes’ Women at the Thesmophoria. The American Journal of Philology, Baltimore, v. 123, n. 3, p. 329-367, 2002. DOI: https://doi.org/10.1353/ajp.2002.0045.

VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução de Ísis da Fonseca. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.

VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução de Ísis da Fonseca. São Paulo: Bertrand Brasil, 1989.

VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia Antiga. Tradução de Anna Lia de Amaral do Prado et alii. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

ZEITLIN, Froma. Playing the Other: Theater, Theatricality, and the Feminine in Greek Drama. In: McCLURE, Laura. (ed.). Sexuality and Gender in the Classical World. Oxford: Blackwell, 2002. p. 103-143. DOI: https://doi.org/10.1002/9780470756188.ch4.

ZEITLIN, Froma. Travesties of Gender and Genre in Aristophanes’ Thesmophoriazousae. Critical Inquiry, Chicago, v. 8, n. 2, p. 301-327, 1981. DOI: https://doi.org/10.1086/448156.

Downloads

Publicado

2020-01-24

Como Citar

Cardoso, E. V. . (2020). Do rito ao palco: inversão de gênero e performance nas Tesmoforiantes, de Aristófanes. Nuntius Antiquus, 15(2), 27-48. https://doi.org/10.17851/1983-3636.15.2.27-48

Edição

Seção

Artigos