Considerações sobre retórica, poética e recepção na tradução das Cartas de Ovídio chamadas Heroides, de Miguel do Couto Guerreiro (1789)

Autores

  • João Victor Leite Melo Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, Espírito Santo / Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/1983-3636.2021.29139

Palavras-chave:

Heroides, Ovídio, Miguel do Couto Guerreiro, tradução, imitação

Resumo

Em 1789, o poeta e tradutor Miguel do Couto Guerreiro não só verteu para a língua portuguesa as vinte e uma cartas que tradicionalmente compõem as Heroides de Ovídio como também inventou respostas para as quinze primeiras. Em nossa perspectiva, o sofisticado projeto tradutório de Guerreiro, somado à apreciação crítica feita por ele ao final de cada carta, representa um profícuo momento da recepção das Heroides no Arcadismo português, a partir do qual é possível flagrar preceitos retóricos e poéticos servindo tanto à interpretação quanto à imitação da obra ovidiana. Neste artigo, procederemos à análise de alguns trechos da carta de Ariadne a Teseu (Ep. 10), de modo a ilustrar, com mais detalhe, a síntese entre retórica e poesia elaborada por Ovídio e imitada por Guerreiro, via tradução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Márcia. Leituras no Brasil colonial. Remate de Males, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 131-163, 2002.

ALI, Manoel Said. Versificação Portuguesa. Prefácio de Manuel Bandeira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

AUHAGEN, Ulrike. Rhetoric and Ovid. In: DOMINIK, William; HALL, Jon (ed.). A Companion to Roman Rhetoric. Malden: Blackwell, 2007.

AVELLAR, Júlia Batista Castilho de. Uma teoria ovidiana da literatura: os Tristia como epitáfio de um poeta-leitor. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

BAKOGIANNI, Anastasia. O que há de tão ‘clássico’ na recepção dos clássicos? Teorias, metodologias e perspectivas futuras. Codex – Revista de Estudos Clássicos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 114-131, 2016.

BANDEIRA, Manuel. Prefácio. In: ALI, Manoel Said. Versificação Portuguesa. Prefácio de Manuel Bandeira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

BILAC, Olavo; PASSOS, Guimaraens. Tratado de Versificação. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1918.

CARMONA, Alfonso Ortega. Oratória: a arte de falar em público.

Tradução de Cláudio Aguiar. Rio de Janeiro: Calibán, 2003.

CASTILHO, António Feliciano de. Tractado de versificação portugueza.Lisboa: Imprensa Nacional, 1851.

CONTE, Gian Biagio. Latin literature: a short history. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press, 1999.

CORBEILL, Anthony. Rhetorical Education and Social Reproduction in the Republic and Early Empire. In: DOMINIK, William; HALL, Jon (ed.). A Companion to Roman Rhetoric. Malden: Blackwell, 2007.

CUNHA, Celso; LINDLEY, Cintra. Nova gramática do português contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro: Lexicon, 2008.

FULKERSON, Laurel. “The Heroides: Female Elegy?”. In: KNOX, Peter. A companion to Ovid. Blackwell, 2009.

GUERREIRO, Miguel do Couto. Cartas de Ovídio chamadas Heroides, expurgadas de toda a obscenidade, e traduzidas em rima vulgar. Tomo I-II. Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, 1789.

HORÁCIO. A arte poética. Tradução de Dante Tringali. São Paulo: Musa, 1993.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

JOLIVET, Jean-Christophe. Allusion et fiction épistolaire dans les Heroïdes: recherches sur l’intertextualité ovidienne. Rome: École Française de Rome, 2001.

KENNEDY, Duncan F. Afterword: The Uses of “Reception”. In: MARTINDALE, Charles; THOMAS, Richard F. (ed.). Classics and the Uses of Reception. Oxford: Blackwell, 2006a.

KENNEDY, Duncan F. Epistolarity: the Heroides. In: HARDIE, Philip (ed.). The Cambridge Companion to Ovid. Cambridge: Cambridge University Press, 2006b.

KENNEDY, Duncan F. “The Epistolary Mode and the First of Ovid’s Heroides”. In: KNOX, Peter E. (ed.). Oxford readings in classical studies: Ovid. New York: Oxford University, 2006c.

KNOX, Peter. “The Heroides: elegiac voices”. In: BOYD, Barbara Weiden.

Brill’s companion to Ovid. Leiden; Boston; Köln: Brill, 2002.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

MARTINDALE, Charles; THOMAS, Richard F. (ed.). Classics and the Uses of Reception. Oxford: Blackwell, 2006.

MORATO, Fernando Lima e. O lamento de Teseu: uma leitura da heroide “Theseu a Ariadna”, de Manuel Inácio da Silva Alvarenga. 2013. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, SP, 2013.

NEVES, Ana Carolina Corrêa Guimarães. Presença das Heroides de Ovídio no Cancioneiro Geral de Garcia de Rezende. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

OLIVA NETO, João Angelo. Bocage e a tradução poética no século XVIII. In: OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução de Bocage e introdução e notas de João Angelo Oliva Neto. São Paulo: Hedra, 2000.

OVIDE. Héroïdes. Texte établi par Henri Bornecque et traduit par Marcel Prévost. 2. ed. Paris: Les Belles Lettres, 1961.

OVÍDIO. Amores & Arte de Amar. Tradução, introdução e notas Carlos Ascenso André; prefácio e apêndices Peter Green. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011.

OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução, introdução e notas de Domingos Lucas Dias. Apresentação de João Angelo Oliva Neto. São Paulo: Editora 34, 2017.

PAES, José Paulo. Tradução, a ponte necessária: aspectos e problemas da arte de traduzir. São Paulo: Ática, 2008.

PARATORE, Ettore. História da literatura latina. Tradução de Manuel

Losa. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1987.

PREDEBON, Aristóteles Angheben. Edição do Manuscrito e Estudo das Metamorfoses de Ovídio Traduzidas por Francisco José Freire. 2006. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

SILVA, Barbara da Costa. Declamação como gênero: definição, origens e prática. Letras Clássicas, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 77-100, 2013.

SILVA, Inocêncio Francisco da. Diccionario Bibliographico Portuguez. Tomo sexto. Lisboa: Imprensa Nacional, 1862.

SMITH, R. Alden. Fantasy, Myth, and Love Letters: Text and Tale in Ovid’s Heroides. In: KNOX, Peter E. (ed.). Oxford readings in classical studies: Ovid. New York: Oxford University, 2006.

TAVARES, Hênio. Teoria literária. 11. ed. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Villa Rica, 1996.

TEIXEIRA, Ivan. Ressonâncias de John Locke na Ilustração portuguesa. Revista USP, São Paulo, n. 34, p. 108-124, jun./ago. 1997.

UGARTEMENDÍA, Cecilia Marcela. A exemplaridade do abandono: epístola elegíaca e intratextualidade nas Heroides de Ovídio. 2017. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. Persona poética e autor empírico na poesia amorosa latina. São Paulo: Unifesp, 2016.

Downloads

Publicado

2022-01-20

Como Citar

Melo, J. V. L. (2022). Considerações sobre retórica, poética e recepção na tradução das Cartas de Ovídio chamadas Heroides, de Miguel do Couto Guerreiro (1789). Nuntius Antiquus, 17(2), 107–142. https://doi.org/10.35699/1983-3636.2021.29139

Edição

Seção

Estudos de recepção clássica