Cultura informacional: uma análise léxico-morfológica

Autores

Palavras-chave:

Cultura Informacional. Análise Léxico-Morfológica. Terminologia. Análise Metalinguística. Tradução Terminológica. Representação Discursiva.

Resumo

A Cultura Informacional se estabeleceu no cenário da Ciência da Informação e seu objetivo é discutir os valores culturais voltados à informação como indicadores determinantes para retratar uma realidade informacional. A intenção é compreender a Cultura Informacional para identificar as necessidades de informação, organizar a informação e o conhecimento para definir estratégias de controle, intervenção, sistematização e disseminação do conhecimento desenvolvido e proposto nos contextos e domínios em que são aplicados. Somado a isso, há um fator importante para se debater sobre Cultura Informacional: a terminologia adequada para nomear a área. Após a criação do termo, o conceito passou a ser explorado em vários debates, dentro e fora da Ciência da Informação, no entanto, por não haver uma definição terminológica, vários termos foram aplicados para resgatar o conceito, fator que proporcionou dificuldades para recuperar trabalhos de pesquisa. Diante disso, a proposta deste trabalho é fazer uma análise linguístico-terminológica a fim de identificar na linguística teorias que contribuem para a adequação do melhor termo ao cenário científico-social e às constituições semânticas na estruturação da expressão, bem como sua representação discursiva. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva sobre o posicionamento dos especialistas na área, assim como nos fundamentos da Morfologia para analisar a constituição terminológica. Ademais, compreende-se ser necessário resgatar definições sobre as teorias envolvidas, se não pôr fim à discussão acerca do termo, ao menos, fornecer ferramentas estruturais para alinhar às expectativas produzidas no cenário sobre a função que ocupa na Ciência da Informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, R. Elementos da Semiologia. Trad. lzidoro Blikstein. 16. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BARTHES, R. Mitologias. Trad. Rita Buong. 4a ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

CHOO, C. W. et al. Information culture and information use: an exploratory study of three organizations. Journal of the American for Information Science and Technology. v. 59, n. 5, 792-804, 2008.

CUNHA, A. G. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. Assistentes Cláudio Mello Sobrinho et al. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

DAHLBERG, I. Teoria do Conceito. Ciência da Informação, 7(2), 101-107, 1978.

DUBOIS, J et al. Dicionário de Linguística. Trad. Bras. Izidoro Blikstein et al. São Paulo: Cultrix, 1998.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. 2. ed. Vozes: Rio de Janeiro, 1992.

HJORLAND, B. Concept Theory. Journal of the American Society for Information Science and Techonology, v. 60, n. 8, 1519-1536, 2009.

JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. Trad. lzidoro Blikstein. 26ed. São Paulo: Cultrix, 2011.

LE DEUFF, O. Bouillon de cultures la culture de l’information est-elle un concept international? Colloque ERTé 2008, L’éducation à la culture informationnelle, Oct 2008, France. pp.1-7, 2008. Disponível em: https://books.openedition.org/pressesenssib/833. Acesso em: 20 out. 2018.

MAURY, Y. Définition(s) de la culture informationnelle. [Rapport de recherche] Lille 3. 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277329465_Definitions_de_la_culture_informationnelle. Acesso em: 05 nov. 2018.

MORAES, L. B.; BARBOSA, R. R. Cultura informacional: uma proposta de modelo com foco organizacional. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 25, n. 3, p.131-146, dez. 2015. Disponível em: www.periodicos.ufpb.br. Acesso em: 02 nov. 2018.

PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PICHS FERNÁNDEZ, A; PONJUÁN DANTE, G. La Cultura Informacional: sus principales relaciones conceptuales Ciencias de la Información, v. 45, n. 2, mayo-ago., 2014, pp. 33-37. Instituto de Información Científica y Tecnológica La Habana, Cuba. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=181432443006. Acesso em: 15 nov. 2018.

ROSA, M. C. Introdução à morfologia. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Trad. Bras. Antônio Chelini et al. São Paulo: Cultrix, 2006.

SUNDQVIST, A.; SVÄRD, P. Information culture and records management: a suitable match? Conceptualizations of information culture and their application on records management. International Journal Of Information Management, [s.l.], v. 36, n. 1, p.9-15, fev. 2016. Elsevier BV. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0268401215000870?via%3Dihub. Acesso em: 05 nov. 2018.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Trad. José Cipolla Neto; Luís Silveira Menna Barreto; Solange Castro Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WOIDA, L. M. A cultura informacional na Documentação. Jundiaí: Paco Editora, 2016.

ZABALA. A. A prática educativa: como ensinar. Trad. Ernani F. da Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Por uma razão de precisão conceitual, optou-se em adotar sempre que a Cultura Informacional for tratada como campo de pesquisa, de estudo ou disciplina acadêmica, será grafada em maiúscula. Paralelamente, quando figurar em minúsculo, a acepção tomada será como fenômeno ou objeto de estudo. Portanto, para facilitar a distinção entre campo e objeto, o texto trará Cultura Informacional quando se referir a campo e cultura informacional quando o caso diz respeito a um objeto. Também serão utilizados colchetes [ ] para indicar que o termo inserido será tratado como vocábulo e a ele promovida uma análise metalinguística.

Como apontam os especialistas, processo contínuo que envolve normas, valores, rituais, crenças, elementos simbólicos e procedimentos comunicativos na estruturação de fluxo informacional, assim como estratégias de gerenciamento a fim de compor um cenário frutífero de inteligência competitiva para estabelecer objetivos, assim como potencializar as ações de uma empresa ou organização. Devido a importância da informação nesse ciclo, bem como os vetores agentes da cultura, pode-se compreender a relação intrínseca de valores teóricos entre a Cultura Informacional e a Cultura Organizacional para esta área da Ciência da Informação.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Edição

Seção

Artigos