Territórios pouco explorados: o estudo dos registros de visitantes em livros de comentários de dois museus de ciências brasileiros

Autores

Palavras-chave:

livros de comentários; museus; estudos de público; divulgação científica.

Resumo

Neste trabalho, de caráter qualitativo e exploratório, estudamos os livros de comentários de dois museus e centros de ciências brasileiros – a Casa da Ciência da Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Museu Ciência e Vida da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro – a fim de compreender e explorar seu potencial para coletar dados sobre a opinião dos públicos. Ao todo coletamos 1.724 comentários de 10 livros, do período de 2011 a 2018. Para exploração e análise, adotamos a análise de conteúdo, bem como um protocolo que divide os comentários em: pré-ativo, ativo e proativo. Nos interessou analisar os comentários apontados como ativos e proativos, totalizando em 1.512 registros, organizados nas seguintes categorias: acessibilidade; afetividade; ciência e aprendizagem; equipe; exposição; infraestrutura; papel dos espaços museológicos na sociedade.A multiplicidade de fatores que puderam ser elencados ao estudarmos os livros de comentários, nos permite afirmar que eles são uma rica fonte de informação a respeito dos públicos que frequentam os museus e suas demandas. Contudo, eles ainda são territórios pouco explorados, tanto nas instituições museais, quanto em áreas acadêmicas, e esses registros não podem ser silenciados e esquecidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 1977.

BRASIL. LEI Nº 11.904, 14 de janeiro de 2009. Estatuto de Museus. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm. Acesso: 11 de jul. 2015.

CAZELLI, S.; COIMBRA, C. A. Q. Pesquisas educacionais em museus: desafios colocados por diferentes audiências. In: WORKSHOP INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM MUSEUS, 1., 2012, dez.12 14: São Paulo, SP. Anais [...] São Paulo: Faculdade de Educação da USP, 2012. 1 CD-ROM. Disponível em: http://www.geenf.fe.usp.br/v2/wpcontent/uploads/2013/01/Mesa1_Cazelli-protegido.pdf. Acesso em: 09 de jun. 2019.

CAZELLI, S.; COIMBRA, C. A. Q. Avaliação formal na educação não formal. Associação Brasileira de Avaliação Educacional – ABAVE, Rio de Janeiro – RJ, 18 a 20 de junho de 2008. Disponível em: http://www.fiocruz.br/omcc/media/EVCV_CAZELLI_COIMBRA_Avalicao_formal_na_educacao_nao_formal.pdf. Acesso em: 22 de mar. 2013.

COFFEE, K. Visitor Comments as Dialogue. Curator: The Museum Journal, v. 56, n.2, p. 163–167, 2013. Doi: 10.1111/cura.12017

DUBUC, E. Museum and university mutations: the relationship between museum practices and museum studies in the era of interdisciplinarity, professionalisation, globalisation and new technologies, Museum Management and Curatorship, v.26, n.5, p. 497-508, 2011.

EIDELMAN, J.; ROUSTAN, M. Os Estudos Sobre Público: Pesquisa Fundamental, Escolha de Políticas e Apostas Operacionais. In: EIDELMAN, Jacqueline; ROUNSTAN, M.; GOLDSTEIN, B. (Org.). O lugar do público: sobre o uso de estudos e pesquisa pelos museus. Tradução: Ana Goldeberger. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2014. p. 13-40.

GIBBS, G. Análise de Dados Qualitativos. Portuguese language translation by Artmed, 2009. Obra originalmente publicada sob título Analyzing Qualitative Data. London, New Delhi and Singapore: SAGE, 2008.

KOPTCKE, L. S. Bárbaros, escravos e civilizados: o público dos museus no Brasil. In: CHAGAS, M. S. (Org.) Museu: antropofagia da memória e do patrimônio – Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 31, Rio de Janeiro: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2005, p. 184-205.

KÖPTCKE, L. S. Público, o X da questão? A construção de uma agenda de pesquisa sobre os estudos de público no Brasil. Museologia & Interdisciplinaridade. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília. v.1, n.1, jan./jul., 2012.

MAGLIACANI, M.; MADEO, E.; CERCHIELLO, P. From ‘listener’ to ‘speaker’ museum visitors: guest book as a means of dialogue. Museum Management and Curatorship, v. 33, n. 5, p. 467–483, 2018. Doi: 10.1080/09647775.2018.1506709.

MOORE, C. M.; BROWN, C. M. Experiencing Body Worlds: Voyeurism, Education, or Enlightenment? J Med Humanit, v.28, n.4, p.231-54, Jan. 2008

MORRIS, B. J. The Frightening Invitation of a Guestbook. Forum, v. 54, n. 3. July, 2011.

PIRES, A. M. G. Expectativas e vivências dos professores ao visitarem o Museu Ciência e Vida. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) – Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO; Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, Rio de Janeiro, 2015.

POHLMAN, D. Not so Fast: Some Thoughts on Re-visioning PUR. In: CHITTENDEN, D.; FARMELO, G.; LEWENSTEIN, B. Creating connections. Museums and the public understanding of current research. Walnut Creek: Alta Mira Press, 2004, p. 329-336.

REICH, C.; KOLLMANN, E. K. A. Closer Look at the Visitor Experience: An Analysis of Visitor Comment Cards Evaluation Report. Museum of Science, Boston National Center for Technological Literacy. National Center for Technological Literacy. January 2008, p. 1-38.

ROSS, I. Uncharted territory: Visitor books of Indian museums. The Madhya Pradesh Tribal Museum in Bhopal – a case study. Museum & Society, v. 15, n.1, 2017.

SCHIELE, B. Science museums and centers. In: BUCCHI, M.; TRENCH, B. Handbook of Public Communication of Science and Technology. First Edition NY: Routledge, 2008.

WAGENSBERG, J. The “total” museum, a tool for social change. In: História, Ciências e Saúde: Manguinhos, v. 1, n. 1 (1994). Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Casa de Oswaldo Cruz, 2005.

WINTER, M. Visitor perspective on commenting in museums. Museum Management and Curatorship, v. 33, n. 5, p. 484-505.

Downloads

Publicado

2021-09-21

Edição

Seção

Artigos