A prática de autolesão em jovens: uma dor a ser analisada

Autores

  • Viviane Barbosa Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, São Carlos SP , Brasil, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. São Carlos, SP – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2544-5132
  • Maria Cristina Di Lollo Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Psicologia, São Carlos SP , Brasil, UFSCar, Departamento de Psicologia. São Carlos, SP – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-1142-7531
  • Sônia Regina Zerbetto Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, São Carlos SP , Brasil, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. São Carlos, SP – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2522-1948
  • Priscilla Hortense Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, São Carlos SP , Brasil, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. São Carlos, SP – Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0554-451X

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49734

Palavras-chave:

Comportamento Autodestrutivo, Psicanálise, Saúde Mental

Resumo

A dor é uma experiência considerada desagradável, no entanto, há situações em que ela é autoprovocada. A temática deste trabalho envolve o comportamento de provocar dor por meio da autolesão. Objetivo: analisar o fenômeno da autolesão a partir dos significados atribuídos à percepção da dor pelos jovens que vivenciam ou vivenciaram tal experiência, além de identificar aspectos relacionados à prática de autolesão. Método: consistiu em estudo qualitativo, por meio de entrevista semiestruturada, com 10 jovens com idade entre 18 e 28 anos, que praticam ou já praticaram autolesão. Os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo temática e interpretados pela teoria psicanalítica freudiana. Resultados: foram identificadas sete categorias, entretanto, neste artigo apenas as categorias "os significados e sentidos da dor" e "sensações e sentimentos" serão discutidas. Na primeira categoria surgiram os temas "a dor física alivia a dor emocional", "dor boa", "intensidade da dor" e a "dor desejada". Já na segunda categoria surgiram os temas "alívio", "angústia", "culpa", "tristeza" e "raiva". Conclusão: a autolesão parece ser uma descarga de conteúdos psíquicos insuportáveis e proporciona alívio do sofrimento psíquico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

International Association for the Study of Pain. IASP Terminology[citado em 2017 jan. 16]. Disponível em:http://www.iasp-pain.org/Education/Content.aspx?ItemNumber=1698

Araújo JFB, Chatelard DS, Carvalho IS, Viana TC. O corpo na dor: automutilação, masoquismo e pulsão. Estilos Clin. 2016[citado em 2017 jan. 16];21(2):497-515. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v21n2/a12v21n2.pdf

Madge N, Hewitt A, Hawton K, Wilde EJ, Corcoran P, Fekete S, et al. Deliberate self-harm within an international community sample of young people: comparative findings from the Child & Adolescent Self-harm in Europe (CASE) Study. J Child Psychol Psychiatr. 2008[citado em 2017 jan. 16];49:667-77. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18341543

Wannell SV, Martin GE, Page A, Hasking P, John NJ. Prevalence of nonsuicidal self-injury in nonclinical samples: systematic review, meta-analysis and meta-regression. Suicide Life Threat Behav. 2014[citado em 2017 jan. 16];44(3):273-303. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24422986

Muehlenkamp JJ, Claes L, Havertape L, Plener PL. International prevalence of adolescent non-suicidal self-injury and deliberate self-harm. Child Adolesc Psychiatr Ment Health. 2012[citado em 2017 jan. 16];6:1-9. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3348041/

Moran P, Coffey C, Romaniuk H, Olsson C, Borschmann R, Carlin JB, et al. The natural history of self-harm from adolescence to young adulthood: a population-based cohort study. Lancet. 2012[citado em 2017 jan. 16];379:236-43. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140673611611410

Klineberg E, Kelly MJ, Stephen AS, Kamaldeep SB. How do adolescents talk about self-harm: a qualitative study of disclosure in an ethnically diverse urban population in England. BMC Public Health. 2013[citado em 2018 nov. 18];13:572-82. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23758739

Scoliers G, Portzky G, Madge N, Hewitt A, Hawton K, Wilde EJ, et al. Reasons for adolescent deliberate self-harm: a cry of pain and/or a cry for help? Findings from the child and adolescent self-harm in Europe (CASE) study. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2009[citado em 2018 nov. 18];44:601-7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19023507

Bardin L. Análise de conteúdo. 4ª ed. São Paulo: Edições 70; 2010.

McMahon EM, Keeley H, Cannon M, Rensman E, Perry IJ, Clarke M, et al. The iceberg of suicide and self-harm in Irish adolescents: a population-based. study. Soc Psychiatr Epidemiol. 2014[citado em 2018 nov. 18];49(12):1929-35. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24929354

Freud S. O problema econômico do masoquismo. São Paulo: Companhia das Letras; 1924.

Gratz KL, Hepworth C, Tull MT, Paulson A, Clarke S, Remington B, et al. An experimental investigation of emotional willingness and physical pain tolerance in deliberate self-harm: the moderating role of interpersonal distress. Compr Psychiatr. 2011[citado em 2018 nov. 18];52:275-85. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21220067

Vieira MG, Pires MHR, Pires OC. Automutilação: intensidade dolorosa, fatores desencadeantes e gratificantes. Rev Dor. 2016[citado em 2018 nov. 18];17(4):257-60. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1806-00132016000400257&script=sci_arttext&tlng=pt

Helman CG. Cultura, saúde e doença. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Freud S. Inibição, sintoma e angústia. São Paulo: Companhia das Letras; 1926.

Cedaro JJ, Nascimento JPG. Dor e gozo: relatos de mulheres jovens sobre automutilações. Psicol USP. 2013[citado em 2018 nov. 18];24(2):203-23. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-65642013000200002&script=sci_abstract&tlng=pt

Le Breton D. Escarificações na adolescência: uma abordagem antropológica. Horiz Antropol. 2010[citado em 2018 nov. 18];16(33):25-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832010000100003

Vilhena M, Prado YZC. Dor, angústia e automutilação em jovens - considerações psicanalíticas. Adolesc Saúde. 2015[citado em 2018 nov. 18];12(2):94-8. Disponível em: http://adolescenciaesaude.com/audiencia_pdfasp?aid2=507&nomeArquivo=v12n2a12.pdf

Publicado

20-12-2019

Como Citar

1.
Barbosa V, Lollo MCD, Zerbetto SR, Hortense P. A prática de autolesão em jovens: uma dor a ser analisada. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de dezembro de 2019 [citado 27º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49734

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)