v. 2 n. 1 (2021): Dossiê - Outras vidas contra o espetáculo: o animal, a planta, a máquina e o alien (jan/jun 2021)
Dossiê especial

Receituário óptico para montagens e desmontagens do corpo híbrido

Maria Rita Umeno Morita
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Guarulhos, Brasil
Biografia

Publicado 25-08-2021

Palavras-chave

  • máquina,
  • montagem corpórea,
  • sujeito racial,
  • híbrido,
  • amarelo

Como Citar

MORITA, M. R. U. Receituário óptico para montagens e desmontagens do corpo híbrido. (Des)troços: revista de pensamento radical, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 119–140, 2021. DOI: 10.53981/destroos.v2i1.34296. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadestrocos/article/view/34296. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Processos corpóreos e regimes de subjetivação racial estão em análise neste artigo. Na intenção de desfuncionar o mito da democracia racial via processo corpóreo racializado como amarelo, nos valeremos de personagens conceituais. Mobilizando conceitos de Deleuze e Guattari para propor uma leitura do funcionamento de máquinas de subjetivação racial, abrimos o território em que a ficção da raça (conceito trabalhado na obra de Achille Mbembe) opera pela negociação da categoria de sujeito racial amarelo. Descrevemos montagens corpóreas que oscilam na hierarquização de sujeitos raciais: sujeitos raciais híbridos codificados por ambiguidade. São existências que se movimentam internas à máquina de embranquecimento dos lugares de poder. Ora referenciados como portadores do fenótipo que não compõe a brasilidade, ora negociados como modelo para identidades não-brancas, os corpos codificados como amarelos experimentam a potência e o controle do aspecto híbrido de suas montagens corpóreas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas: Unicamp, 2006.
  2. BRASIL registra duas vezes mais pessoas brancas vacinadas que negras. Agência Pública de Notícias, 15 mar. 2020. Disponível em: https://apublica.org/2021/03/brasil-registra-duas-vezes-mais-pessoas-brancas-vacinadas-que-negras/. Acesso em: 05 mai. 2021.
  3. CHEN, An. On the source, essence of “yellow peril” doctrine and its latest hegemony “variant”: the “China threat” doctrine: from the perspective of historical mainstream of sino-foreign economic interactions and their inherent jurisprudential principles. In: The Journal of World Investment & Trade, v. 13, 2012.
  4. DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Kafka: por uma literatura menor. Trad. Cíntia Vieira da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
  5. DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 3. Trad. Aurélio Guerra Neto et al. São Paulo: Editora 34, 2012a.
  6. DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 5. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 2012b.
  7. DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O anti-Édipo. Trad. Luiz Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2011.
  8. DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O que é a filosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 2010.
  9. FILME: Tetsuo, o homem de ferro. Legendado PT BR. Black Mamba Animes/filmes, [s.d.]. 1 vídeo (1:07:19 min). Publicado por Black Mamba Anime/Filmes. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fH7xG2UxQfY&ab_channel=BlackMambaAnimes%2Ffilmes. Acesso em: 13 jun. 2021.
  10. FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo: Global, 2016.
  11. FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947.
  12. GREINER, Christine. Fabulações do corpo japonês e seus microativismos. São Paulo: n-1, 2017.
  13. GREINER, Christine. Leituras do corpo no Japão e suas diásporas cognitivas. São Paulo: n-1, 2015.
  14. GUATTARI, Felix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.
  15. HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna et al. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Trad. e org. Tomás Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
  16. KUNIGAME, André Keiji. Racismo, redes sociais e COVID-19: um vírus amarelo?. Carta Capital, Coluna Intervozes, 25 abr. 2020. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/intervozes/racismo-redes-sociais-e-COVID-19-um-virus-amarelo/. Acesso em: 07 mai. 2021.
  17. LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2013.
  18. LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias, e a luta pela etnicidade no Brasil. Trad. Patricia De Queiroz Carvalho Zimbres. São Paulo: UNESP, 2001.
  19. MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1, 2018.
  20. PRECIADO, Paul. Manifesto contrassexual. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1, 2014.
  21. SAKURAI, Celia. Romanceiro da imigração japonesa. São Paulo: Sumaré, 1993.
  22. TAKEUCHI, Marcia Yumi. O perigo amarelo: imagens do mito, realidade do preconceito (1920-1945). São Paulo: Humanitas, 2008.
  23. TETSUO 2: The body hammer (1992) Full Movie. Morbid Video Network, [s.d.]. 1 vídeo (1:20:54). Publicado por Morbid Video Network. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RYQmg_tdz_8. Acesso em: 10 jun. 2021.
  24. Tetsuo 3: The bullet man (2009). Spoopy Stuff, [s.d.]. 1 vídeo (1:11:11). Publicado por Spoopy Stuff. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Anq6G0_dX7I&ab_channel=SpoopyStuff. Acesso em: 10 jun. 2021.
  25. UNO, Kuniich. A gênese de um corpo desconhecido. Trad. Christine Greiner. São Paulo: n-1, 2012.
  26. UNO, Kuniich. Hijikata Tatsumi: pensar um corpo esgotado. Trad. Christine Greiner. São Paulo: n-1, 2018.
  27. WUN, Connie. Ignoring the history of anti-asian racism is another form of violence. Elle, 1 mar. 2021. Disponível em: https://www.elle.com/culture/career-politics/a35635188/anti-asian-racism-history-violence/. Acesso em: 06 mai. 2021.