v. 3 n. 1 (2022): Dossiê - Da crítica ao dispositivo da propriedade à aposta no comum: corpos, colonialidades, mundos (jan/jun 2022)
Dossiê especial

A mulher negra como “Outro do Outro”: interseções entre gênero e raça em Grada Kilomba e Lélia Gonzalez

Rutiele Pereira da Silva Saraiva
Programa de Pós-graduação em Filosofia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Brasil
Biografia

Publicado 06-09-2022

Palavras-chave

  • racismo,
  • sexismo,
  • feminismo negro,
  • interseccionalidade

Como Citar

PEREIRA DA SILVA SARAIVA, R. A mulher negra como “Outro do Outro”: interseções entre gênero e raça em Grada Kilomba e Lélia Gonzalez. (Des)troços: revista de pensamento radical, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 78–90, 2022. DOI: 10.53981/destroos.v3i1.39026. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadestrocos/article/view/39026. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

O presente artigo objetiva discutir, dentro do campo da filosofia política, a invisibilização das mulheres negras na sociedade, demonstrando como esse apagamento se reproduz historicamente e reforça as estruturas de opressão observadas até os nossos dias. Tal problematização é feita a partir das contribuições teóricas de Grada Kilomba e Lélia Gonzalez, baseando-se em como abordam o problema da mulher negra diante de uma estrutura que é, ao mesmo tempo, racista e sexista. Investigamos, por meio de revisão bibliográfica, como Kilomba analisa a interconexão entre gênero e raça para a construção do papel dessas mulheres segundo a dinâmica colonial e como Gonzalez critica o racismo e o sexismo na cultura brasileira enquanto resultado da herança escravista que se projeta como denegação. Considerando essas duas perspectivas, evidenciamos a importância da interseção entre gênero e raça para teorias e práticas que almejam uma sociedade efetivamente democrática, antissexista e antirracista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Belo Horizonte: Letramento, 2018.
  2. CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. The University of Chicago Legal Forum, v. 140, pp. 139-167, 1989.
  3. DAVIS, Angela. Atravessando o tempo e construindo o futuro da luta contra o racismo. YouTube. 25 jul. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2vYZ4IJtgD0&ab_channel=TVEBahia. Acesso em: 26 mar. 2022.
  4. DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.
  5. GONZALEZ, Léila. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Org.: Flavia Rios; Márcia Lima. 1ª edição. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.
  6. HOOKS, Bell. E eu não sou uma mulher?: mulheres negras e feminismo. Tradução de Bhuvi Libanio. 3ª edição. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.
  7. KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.
  8. RATTS, Alex.; RIOS, Flávia. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010.
  9. RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.