DESENVOLVIMENTO DE MANEQUINS PARA O ENSINO DE MOLDAGENS PARA CONFECÇÕES DE PRÓTESE BUCOMAXILOFACIAL INTRAORAL

RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Ana Luiza Michel Costa Centro Universitário Newton Paiva
  • Kathleen Salzamann Castro Centro Universitário Newton Paiva
  • Fernando Barbosa Marques Porfírio
  • Frederico Santos Lages Centro Universitário Newton Paiva

DOI:

https://doi.org/10.35699/2318-2326.2021.20046

Palavras-chave:

Reabilitação, Face, Ensino

Resumo

A prótese bucomaxilofacial é a especialidade responsável pela reparação de imperfeições faciais intra e extra orais, congênitas ou adquiridas. Os defeitos faciais comprometem algumas funções biológicas, estéticas, e podem, também, causar danos psicológicos. É de suma importância a atuação de uma equipe multidisciplinar para analisar a etiologia do problema para o qual o paciente procura tratamento. Há um aumento expressivo na qualidade de vida dos pacientes usuários das próteses, indicando a importância da especialidade. O objetivo deste trabalho é, através de um relato de experiência, descrever o desenvolvimento de um manequim único e exclusivo para auxiliar o treinamento de moldagens de pacientes com imperfeições intraorais e, consequentemente, difundir o ensino da especialidade entre as faculdades de odontologia. Os manequins criados são utilizados com sucesso no projeto de extensão “Reabilitação Protética Buco Maxilo-facial” do Centro Universitário Newton Paiva, tornando-se um aliado pré-clínico fundamental para a preparação dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza Michel Costa, Centro Universitário Newton Paiva

Aluna de graduação do Centro Universitário Newton Paiva

Kathleen Salzamann Castro, Centro Universitário Newton Paiva

Aluna de graduação do Centro Universitário Newton Paiva

Fernando Barbosa Marques Porfírio

Professor Adjunto do Centro Universitário Newton Paiva

Frederico Santos Lages, Centro Universitário Newton Paiva

Professor Titular do Centro Universitário Newton Paiva

Referências

Aguiar, L. (2013). Obturador palatino: confecção de uma prótese não convencional– relato de caso. Revista da Faculdade de Odontologia da UPF, 18(1), 125–129.

Alfenas, E. R., Lanza, C. R. M., Barreiros, I. D., Novaes Junior, J. B., & Mendonça, L. L. (2011). Reabilitação protética do paciente com perda de substância na região de cabeça e pescoço. Arquivos em Odontologia, 47(2), 28–31.

Aquino, L. M. M., Oliveira M., Martins A. P. V. B., & Barbosa C. M. R. (2012). Técnicas de moldagem da máscara facial. Revista de Odontologia da UNESP, 41(6), 438–441.

Aramany, M. (2001). Basic principles of obturator design for partially edentulous patients. Part I: Classification. The Journal of Prosthetic Dentistry, 86(6), 559–561.

Araujo, C. R., Meyer, G. A., & Souza, I. A. (2009). Prevalência de Próteses Buco

Maxilo Faciais na Faculdade de Odontologia da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública em Salvador, Bahia. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial, 50(3), 133–139.

Barros, H. R. (2017). Reabilitação por prótese bucomaxilofacial em palato e região óculo-palpebral após cirurgia oncológica – relato de caso [Trabalho de Conclusão de Curso em Odontologia – Universidade do Estado do Amazonas, Manaus].

Batistella, E. A. (2015). Silicones utilizados em próteses bucomaxilofaciais extraorais: uma revisão de literatura, 2015 [Trabalho de Conclusão de Curso em Odontologia – Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina].

Brida, A. S., Jacob, R. F., & Taylor, T. D. (2012). Classification of maxillectomy defects: a systematic review and criteria necessary for a universal description. The Journal of Prosthetic Dentistry, 107(4), 261–270.

CFO – Conselho Federal de Odontologia. Quantidade Geral de Cirurgiões-Dentistas Especialistas. https://website.cfo.org.br/estatisticas/quantidade-geral-de-cirurgioes- dentistas-especialistas/ .

CRO – Conselho Regional de Odontologia de São Paulo. Prótese Bucomaxilofacial. http://www.crosp.org.br/camara_tecnica/apresentacao/20.html.

Curtis, D. A., Curtis, T. A., Wagnild, G. W., Finzen, F. C. (1992). Incidence of various classes of removable partial dentures. Journal of Prosthetic Dentistry, 67(5), 664-7. doi: 10.1016/0022-3913(92)90167-9.

Demir, N., Cevik, P., Okutan, Y., Ozturk, A. N., & Colpan, B. A. (2015). Different wax sculpture technique for implant-retained auricular prosthesis. European Journal of Dentistry, 9(3), 433–437.

Fonseca, R. C. A., & Silva, F. B. (2020). Vedamento de comunicação buco-sinusal com prótese obturadora palatina: relato de caso. Revista Eletrônica Acervo Odontológico, 1, e 3117. https://doi.org/10.25248/reaodonto.e3117.2020

Goiato, M. C., Mancuso, D. N., Fernandes, A. U. R., & Dekon, S. F. C. (2004). Estudo sobre as causas mais frequentes de perdas oculares. Arquivos em Odontologia, 40(3), 207–286.

Graziane, M. (1982). Prótese Maxilo-Facial. In Graziane, M. Generalidades. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Cap. 1, 1–4.

INCA – Instituto Nacional de Câncer. Tipos de Câncer: Câncer de Boca. https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-boca.

Khan, Z., Gettleman, L., Jacobson, C. (1992). Conference report: Material researchin maxillofacial prosthetics. Journal of Dental Research, 71(8), 1541-1542.

Kusterer, L. E. F. L., Paraguassu, G. M., Silva, V. S. M., & Sarmento, V. A. (2012). Reabilitação com obturador maxilar após cirurgia oncológica: relato de casos. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial, 12(4), 9–16. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1808-52102012000400002&script=sci_arttext

Lima, J. G. S. et al. (2012). Reabilitação protética de pacientes com defeitos maxilofacais. In V SEREX - Seminário de Extensão Universitária do Centro-Oeste, 5, 186.

Mantri, S., & Khan, Z. (2012). Prosthodontic Rehabilitation of Acquired Maxillofacial Defects. Head and Neck Cancer.

Meenakshi, A, Shah, D. (2012). The obturator prostheses for maxillectomy. SEM Journal of Research in Dental Sciences, 3(3), 193–197.

Melo, R. M., Carneiro, N. C. M., Fonseca, W. L. M., Lima, J. F., Araujo, H. P. S., & Pontes, H. A. R. (2016). Tratamento cirúrgico de ameloblastoma sólido convencional: relato de caso clínico. Revista da Faculdade de Odontologia da UPF, 21(2),246–250.

Neville, Brad W. et al. (2016). Patologia oral e maxilofacial. 4 ed. Rio de Janeiro:Elsevier, 912.

Pereira, A. M. L. (2014). Reabilitação Oral em Pacientes Maxilectomizados [Dissertação de mestrado em Medicina Dentária – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade Fernando Pessoa Porto].

Prasad, K, Swaminathan, A. A., & Prasad, A. (2016). Fabrication of a Silicone Auricular Prosthesis: A Case Report. Nitte University Journal of Health Science, 6(1), 91–97.

Rabelo, D. P., Tanure, R. P., Grajeda, F. M. C., & Grossmann, S. M. C. (2018). Reabilitação

protética oral em paciente oncológico. Revista da Universidade Vale do

Rio Verde, 16(1), 1–8.

Ravuri, R., Bheemaligeshwarrao, Tella, S., & Thota, K. Auricular prosthesis-acase report. Journal of clinical and diagnostic research, 8(1), 294–296. https://doi.org/10.7860/JCDR/2014/7943.3986.

Rizzatti-Barbosa, C. M., Souza F. R. A., Barbosa, J. R. A., & Souza, E. V. (2003). Prótese Auricular em Resina Acrílica Polimerizada com Energia de Microondas. Revista Brasileira de Prótese Clínica & Laboratorial, 5(27), 389–393.

Rosa, F. G. (2007). Fixação de prótese facial em pacientes oncológicos: Revisão sistemática [Dissertação de mestrado em Odontologia – Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Urbelândia, Uberlândia].

Sá, S. P. (2010). Próteses obturadoras para pacientes maxilarectomizados: estado atual da tecnologia e necessidades de aprimoramentos [Dissertação de mestrado em Gestão de Tecnologias em Saúde – Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro].

Silva, D. P., Vaccarezza, G. F., Cazal, C., Almeida, F. C. S., Brandao, T. B., Durazzo, M. D., Caroli, A., & Dias, R. B. (2004). Reabilitação Protética de Pacientes Maxilectomizados: uma Contribuição da Odontologia e um Convite à Reflexão. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, 4(2), 125–130.

Simões, F. G., Reis, R. C., & Dias, R. B. A. (2009). Especialidade de prótese bucomaxilofacial e sua atuação na Odontologia. Revista Sul-Brasileira de Odontologia, 6(3), 327–331.

Singh, M., Bhushan, A., Kumar, N., & Chand, S. (2013). Obturator prosthesis for hemimaxillectomy patients. National journal of maxillofacial surgery, 4(1), 117–120. https://doi.org/10.4103/0975-5950.117814.

Wallace, C. G., & Wei, F. (2008). The Current Status, Evolution and Future of Facial Reconstruction. Medical Journal, 31(5), 441–449.

Yoshida, H., Furuya, Y., Shimodaira, K., Kanazawa, T., Kataoka, R., & Takahashi, K. (2000). Spectral characteristics of hypernasality in maxillectomy patients. Journal of Oral Rehabilitation, 27(8), 723–730.

Publicado

2021-07-14

Como Citar

COSTA, A. L. M.; CASTRO, K. . S. .; PORFÍRIO, F. B. M. .; LAGES, F. S. DESENVOLVIMENTO DE MANEQUINS PARA O ENSINO DE MOLDAGENS PARA CONFECÇÕES DE PRÓTESE BUCOMAXILOFACIAL INTRAORAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 284–319, 2021. DOI: 10.35699/2318-2326.2021.20046. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/20046. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos