AÇÕES EDUCATIVAS NO ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG

Autores

Palavras-chave:

Ações educativas, Museus, Educação não formal, Divulgação científica

Resumo

Aberto ao público em 2010, o Espaço do Conhecimento UFMG é um dos espaços de cultura e divulgação científica da Universidade. Em sintonia com as diretrizes contemporâneas da extensão universitária e da educação não formal, as práticas educativas nesse espaço têm como objetivos centrais a democratização do conhecimento acadêmico e o compartilhamento e cocriação de saberes com os diversos públicos. Este texto apresenta e discute as atividades desenvolvidas pelo Núcleo de Ações Educativas, Acessibilidade e Pesquisa de Público do museu. Além do relato dessas práticas, o texto traz considerações sobre seus desafios e potencialidades, destacando tanto as ações desenvolvidas presencialmente quanto aquelas executadas em meios virtuais, durante o período de distanciamento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil (2015). Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Carletti, C. (2016). Mediadores de centros e museus de ciência brasileiros: quem são esses atores-chave na mediação entre a ciência e o público?. Tese (Doutorado Ensino em Biociências e Saúde). Rio de Janeiro, RJ: Fundação Oswaldo Cruz.

Castelfranchi, Y. (2008). Para além da tradução: o jornalismo científico crítico na teoria e na prática. In: Massarani, L.; Polino, C. (Orgs.). Los desafíos de la evaluación del periodismo científico en Iberoamérica: Jornadas Iberoamericanas sobre la Ciencia en los Medios Masivos. Madri, Espanha: Cyted.

Castelfranchi, Y. (2010). Por que comunicar temas de ciência e tecnologia ao público? (Muitas respostas óbvias... mais uma necessária). In: Massarani, L. (Org.). Jornalismo e ciência: uma perspectiva ibero-americana. Rio de Janeiro, RJ: Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz.

Castelfranchi, Y. (2016). O museu como catalisador de cidadania científica. In: Amorim, L., Massarani, L., Neves, R. (Org.). Divulgação científica e museus de ciências: o olhar do visitante.Rio de Janeiro, RJ: RedPOP/Museu da Vida.

Fórum dos Pró-reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. (2012). Política Nacional de Extensão Universitária . Manaus, AM: Autor.

Gohn, M. G. (2006). Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, 14(50), 27-38.

Guimarães, A. D.; Diniz, S. C. (2019). Equipamentos culturais, hábitos e território: um estudo de caso do Espaço do Conhecimento UFMG. Urbe - Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, 1-16.

Maia, L. N. (2019). Relatos de Mediação: uma experiência em educação não formal no Espaço do Conhecimento UFMG (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Marandino, M. (Org). (2008). Educação em museus: a mediação em foco. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Secretaria de Estado da Cultura (2006). Caderno de diretrizes museológicas (2a ed). Brasília: Ministério da Cultura / Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/ Departamento de Museus e Centros Culturais, Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura/ Superintendência de Museus.

Moraes, R. et al. (2007). Mediação em museus e centros de ciências: o caso do Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS. In: Massarani, L., Merzagora, M., Rodari, P. (Org.). Diálogos & Ciência: mediação em museus e centros de ciência. Rio de Janeiro, RJ: Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz.

Oliveira, F. A. R. (2019). Território Negro para infâncias: Contação de mitologias Afro-brasileiras (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Pereira, J. S. et. al. (2007). Escola e Museus: diálogos e práticas. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura/Superintendência de Museus; Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; Cefor.

Santos, M. C. T. M. (2002). Museu e Educação: conceitos e métodos. Ciências & Letras - Revista da Faculdade Porto Alegre, 31, 307-323.

Silva, P. G. N. (2020). Contribuições de práticas de mediação museal no processo de formação docente em Artes: Licenciatura Expandida (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Síveres, L. (2013). O princípio da aprendizagem na extensão universitária. In: Síveres, L. (Org.). A extensão universitária como princípio de aprendizagem. Brasília, Brasil: Liber Livro.

Soares, O. (2015). Reflexões sobre a relação museu-escola: na direção de um museu permeável. Educação Online, 18, p. 27-44.

Sposito, M. P. (2008). Juventude e Educação: interações entre a educação escolar e a educação não-formal. Educação & Realidade, 33(2), 83-98.

Downloads

Publicado

2023-12-30

Como Citar

PAGLIOTO, B. F.; ÁLVARES, E. C. dos S.; SANTOS, J. P. B. dos; SILVA, P. G. M.; DINIZ, S. C.; SILVEIRA, T. B.; SILVA, W. L. AÇÕES EDUCATIVAS NO ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG . Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/34301. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos