ANÁLISE DE UMA ATIVIDADE DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NA FORMA DE WEBCONFERÊNCIA SOBRE ASTROFÍSICA DE GALÁXIAS

Autores

Palavras-chave:

Astrofísica, Tecnologias da Informação e da Comunicação, Ensino de Astronomia, Vídeo, Educação Científica

Resumo

Este trabalho tem como objetivo examinar a experiência da realização de uma webconferência sobre Astrofísica de Galáxias, que foi ministrada pelo professor Alexandre Zabot, em 21 de outubro de 2021, com transmissão
simultânea pelo canal “Debate Consciência” no YouTube. Para a fundamentação teórica desta pesquisa, a partir
da revisão da literatura científica existente, são discutidas questões concernentes à Astrofísica de Galáxias,
à Divulgação Científica e ao Ensino de Física. São descritos em detalhes os procedimentos metodológicos
utilizados no planejamento e na realização da webconferência investigada. Os resultados dessa ação são discutidos por duas perspectivas: pelo exame dos dados estatísticos da gravação em vídeo da webconferência
obtidos a partir do YouTube Analytics e pela análise das respostas dadas por 31 participantes do evento que, de
forma voluntária, responderam a um questionário disponibilizado durante a transmissão, pelo link de um “Formulário Google”. Os dados obtidos são descritos e interpretados, tendo em vista a literatura de referência existente sobre os temas tratados. A realização dessa webconferência permitiu compreender a importância, para
a educação científica, do trabalho com temas de astronomia na divulgação científica e no ensino de Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Higor Felipe Gonçalves de Arruda, IFSP-Caraguatatuba

Graduando em Licenciatura em Física no Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Campus Caraguatatuba

Ricardo Roberto Plaza Teixeira, IFSP-Caraguatatuba

Licenciado e Bacharel em Física pela UNICAMP (1984), Licenciado e Bacharel em História pela USP (2000), Mestre em Física pela USP (1988), Doutor em Física pela USP (1996) e Professor Titular do IFSP-Caraguatatuba.

Referências

Aguiar, R. R. (2010). Tópicos de astrofísica e cosmologia: Uma aplicação de física moderna e contemporânea no ensino médio. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – USP, São Paulo. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-25012011-112911/pt-br.php.

Bonfim, C. S.; Garcia, P. M. P. (2021). Investigando a “Terra plana” no YouTube: contribuições para o ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 12(3), 1-25. https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2892.

Alves-Brito, A.; Cortesi, A. (2021). Complexidade em Astronomia e Astrofísica. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, 43(1), e20200418. https://www.scielo.br/j/rbef/a/v56DKDxvnLr3wGDYDKWWCJh/?lang=pt&format=pdf.

Capozoli, U. (2002). A divulgação e o pulo do gato. In: Massarani, L.; Moreira, I. C.; Brito, F. (orgs.) Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência (UFRJ), 121-131. http://www.museudavida.fiocruz.br/images/Publicacoes_Educacao/PDFs/cienciaepublico.pdf

Carneiro, D. L. C. M.; Longhini, M. D. (2015). Divulgação científica: as representações sociais de pesquisadores brasileiros que atuam no campo da astronomia. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia (RELEA), 20, 7–35. https://www.relea.ufscar.br/index.php/relea/article/view/204.

Coffey, J. (2008). Diameter of the Solar System. Universe Today. https://www.universetoday.com/15585/diameter-of-the-solar-system/#:~:text=It%20is%20143.73%20billion%20km,diameter%20of%20287.46%20billion%20km.

Cunha, M. B.; Giordan, M. (2009). A divulgação científica como um gênero de discurso: implicações na sala de aula. Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Florianópolis. http://axpfep1.if.usp.br/~profis/arquivos/viienpec/VII%20ENPEC%20-%202009/www.foco.fae.ufmg.br/cd/pdfs/89.pdf.

Damineli, A.; Steiner, J. (2010). O Fascínio do Universo. São Paulo: Odysseus. http://www.astro.iag.usp.br/fascinio.pdf.

Feng, F.; Jhones, H. R. A. (2018). Was Proxima captured by Alpha Centauri A and B? Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, 473(3), 3185–3189. https://doi.org/10.1093/mnras/stx2576.

Ferreira, E. C. (2011). Inclusão de astrofísica e cosmologia no ensino médio: uma motivação ao estudo de ciências. Monografia (Licenciatura em Física) – UNESP, Presidente Prudente, SP. https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/149279/000875964.pdf?sequence=1.

Forbes, D. A.; Kroupa, P. (2011). What Is a Galaxy? Cast Your Vote Here. Publications of the Astronomical Society of Australia, 28, 77–82. https://www.publish.csiro.au/as/pdf/AS10029.

Ghez, A. M. et al. (1998). High Proper Motion Stars in the Vicinity of Sgr A*: Evidence for a Supermassive Black Hole at the Center of Our Galaxy. ArXiv. https://arxiv.org/pdf/astro-ph/9807210.pdf.

Gil, V.; Ferrari, F.; Emmendorfer, L. (2015). Investigação da aplicação de algoritmos de agrupamento para o problema astrofísico de classificação de galáxias. Revista Brasileira de Computação Aplicada, Rio Grande do Sul, 7(2), 52-61. http://seer.upf.br/index.php/rbca/article/view/4653/3332.

Hou, L. G.; Han, J. L. (2014). The observed spiral structure of the Milky Way. Astronomy & Astrophysics, 569, A125. https://www.aanda.org/articles/aa/abs/2014/09/aa24039-14/aa24039-14.html.

Herschel, W. (1785). On the Construction of the Heavens. Philosophical Transactions of the Royal Society of London, 75, 213-266. https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rstl.1785.0012.

Howell, E.; Harvey, A. (2015). How many galaxies are there? Space.com. https://www.space.com/25303-how-many-galaxies-are-in-the-universe.html.

Kant, I. (1755) Universal natural history and theory of the heavens or essay on the constitution and the mechanical origin of the whole universe according to Newtonian principles. http://users.clas.ufl.edu/burt/spaceshotsairheads/Kantuniversalnaturalhistory.pdf.

Lang, K. R. (1992). Astrophysical Data: Planets and Stars. New York, U. S. A.: Springer-Verlag.

Langhi, R.; Nardi, R. (2009). Ensino da astronomia no Brasil: educação formal, informal, não formal e divulgação científica. Revista Brasileira de Ensino de Física, 31(4), 4402. https://www.scielo.br/j/rbef/a/jPYT5PRkLsy5TJQfM8pDWKB/?format=pdf&lang=pt.

Langhi, R.; Nardi, R. (2014). Justificativas para o ensino de Astronomia: o que dizem os pesquisadores brasileiros? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3), 41-59. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4292/2857.

Lopez-Rodriguez, E. et al. (2019). SOFIA/HAWC+ traces the magnetic fields in NGC 1068. ArXiv. https://arxiv.org/abs/1907.06648.

Maran, S. P. (2011). Astronomia para leigos. Rio de Janeiro: Alta Books.

Masetti, M. (2015). How Many Stars in the Milky Way? NASA. https://asd.gsfc.nasa.gov/blueshift/index.php/2015/07/22/how-many-stars-in-the-milky-way/.

Oliveira Filho, K. S.; Saraiva, M. F. O. (2014). Astronomia e Astrofísica. Porto Alegre. São Paulo: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. http://astro.if.ufrgs.br/livro.pdf.

Pinto, G. A. (2007). A divulgação científica como literatura e o ensino de ciências. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-07122007-160508/pt-br.php.

Pultarova, T.; Tillman, N. T. (2021). Milky Way galaxy: Facts about our galactic home. Space.com. https://www.space.com/19915-milky-way-galaxy.html.

Reid, M. R. (2009). Is there a Supermassive Black Hole at the Center of the Milky Way? International Journal of Modern Physics D, 18(6), 889-910. https://www.worldscientific.com/doi/epdf/10.1142/S0218271809014820.

Ribas, I. et al. (2005). First Determination of the Distance and Fundamental Properties of an Eclipsing Binary in The Andromeda Galaxy. ArXiv. https://arxiv.org/abs/astro-ph/0511045.

Rodrigues, F. M.; Briccia, V. (2019). O ensino de astronomia e as possíveis relações com o processo de alfabetização científica. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, 28, 95-111. https://www.relea.ufscar.br/index.php/relea/article/view/419/417.

Shapley, H.; Curtis, H. (1921). The Scale of the Universe. Bulletin of the National Research Council, 2(11), 171-217. https://archive.org/details/scaleofuniverse00shap/page/n1/mode/2up.

Silveira, F. L. (2017). Sobre a forma da Terra. Física na Escola, 15(2), 4-14. http://www1.fisica.org.br/fne/phocadownload/Vol15-Num2/a02-low.pdf.

Soares, D. S. L. (2007). As Nuvens de Magalhães. UFMG. http://xingu.fisica.ufmg.br:8087/oap/public/pas71.htm.

Sullivan, W. (2021). The Earth's Equatorial Bulge Shapes the Planet's Physics. Inside Science. https://www.insidescience.org/news/earths-equatorial-bulge-shapes-planets-physics.

Wendel, J. (2021). Why do the planets in the solar system orbit on the same plane? Livescience. https://www.livescience.com/planets-orbit-same-plane.

Wethington, N. (2008). The Diameter of the Milky Way. Universe Today. https://www.universetoday.com/21998/the-diameter-of-the-milky-way/.

Williams, M. (2016). What happens when galaxies collide? Phys.org. https://phys.org/news/2016-10-galaxies-collide.html.

Wright, T. (1750). An Original Theory or New Hypothesis of the Universe. London. https://publicdomainreview.org/collection/an-original-theory-or-new-hypothesis-of-the-universe.

Wuensche, C. A. (2003). Capítulo 6 – Galáxias. São José dos Campos: INPE. http://mtc-m16c.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/jeferson/2003/08.14.14.56/doc/publicacao.pdf.

Xerxenevsky, L. L. (2008). Tópicos sobre formação e estrutura da Via Láctea. Dissertação (Mestrado em Física) – Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sol, Porto Alegre, RS. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/14777.

Publicado

2023-07-22

Como Citar

ARRUDA, H. F. G. de; TEIXEIRA, R. R. P. ANÁLISE DE UMA ATIVIDADE DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NA FORMA DE WEBCONFERÊNCIA SOBRE ASTROFÍSICA DE GALÁXIAS. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/38408. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos