POLÍTICAS CURRICULARES E O EMPREENDEDORISMO NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO ECONÔMICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.40510

Palavras-chave:

Globalização, Empreendedorismos, Políticas educacionais., BNCC

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar de que forma o neoliberalismo, revestido da globalização, atua diretamente na definição de políticas públicas, com destaque para as políticas curriculares para a educação básica. Trata-se do resultado de uma pesquisa bibliográfica e documental, no qual averiguou-se questões sobre o processo de reforma curricular na fase de elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Constata-se que no processo de delineamento da BNCC, obteve-se redução da contribuição de educadores e pesquisadores e supervalorizou-se a contribuição de organismos privados e instituições internacionais multilaterais. Dentre as proposituras neoliberais encontradas na BNCC, encontra-se o desenvolvimento de percepções empreendedoras, nas quais os indivíduos se tornam únicos e exclusivamente responsáveis pelo seu sucesso ou fracasso. Dessa forma, verifica-se que o capitalismo, infere sorrateiramente seu discurso neoliberal nas pautas educacionais, garantindo uma educação que prepara os indivíduos, em sua maioria, para satisfazer as vontades do mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erick Rodrigo Bucioli, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Educação para Ciência e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciência e a Matemática da Universidade Estadual de Maringá

Jani Alves da Silva Moreira, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá

Erika Ramos Januário, Universidade Estadual de Maringá

Mestre (a) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá

Referências

ANTUNES, Marina Ferreira de Souza. O currículo como materialização do estado gerencial: a BNCC em questão. Movimento-revista de educação, Submissões, n. 10, p. 43-62, jun. 2019. ISSN 23593296. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32663/18802. Acesso em: 17 sep. 2020. doi: https://doi.org/10.22409/mov.v0i10.517.

BALL, Stephen. Educação Global S. A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política social: fundamentos e história. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Introdução. Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF,1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação: PNE 2014-2024. Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação Infantil e Ensino Fundamental. Versão final. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a base. Versão final. Brasília: MEC, 2018.

COAN, Marival. Educação para o empreendedorismo: Implicações epistemológicas, políticas e práticas. Tese (Doutorado em Educação). UFSC – Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, Santa Catarina. 2011.

COAN, Marival. Educação para o empreendedorismo como estratégia para formar um trabalhador de novo tipo. Revista LABOR nº 9, v.1, 2013. ISSN: 19835000. Disponível em http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/6609/4833. Acesso 15 set. 2020.

CRUZ, Mirian Carla. Empreendedorismo na escola: uma análise crítica do curso “Jovens Empreendedores Primeiros Passos. Dissertação de Mestrado. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Educação, 2018.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004. Link: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200007 .

DEITOS, Roberto Antonio. Economia e Estado no Brasil. In: FIGUEIREDO, Ireni Marilene Zago; ZANARDINI, Isaura Monica Souza; DEITOS, Roberto Antonio. Educação, políticas sociais e Estado no Brasil. Cascavel: EDUNIOESTE; Curitiba: Fundação Araucária, 2008. p. 205-236.

DIAS, Marco Antonio Rodrigues. Educação Superior como Bem Público: perspectivas para o centenário da reforma de Córdoba. Montevideo: AUGM - Asociación de Universidades Grupo Montevideo, 2017.

DOLABELA, Fernando. Pedagogia Empreendedora. São Paulo: Editora Cultura, 2003.

DOURADO, Luiz Fernandes; SIQUEIRA, Romilson Martins. A ARTE DO DISFARCE: BNCC COMO GESTÃO E REGULAÇÃO DO CURRÍCULO. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, [S.l.], v. 35, n. 2, p. 291, ago. 2019. ISSN 2447-4193. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/vol35n22019.95407. Acesso em: 17 set. 2020. doi: https://doi.org/10.21573/vol35n22019.95407.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. In: ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima; RODRIGUES, Doriedson S. (Orgs.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas-SP: Alínea, 2012, v. 1. p. 52-71.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Oto. Subsídios teórico-metodológicos para o trabalho com documentos de política educacional: contribuições do marxismo. In: CÊA, Georgia; RUMMERT, Sonia Maria; GONÇALVES, Leonardo. (Orgs.). Trabalho e educação: interlocuções marxistas. Rio Grande: Ed. da FURG, 2019.

FONSECA, Marilia. O Banco Mundial e a Educação: reflexões sobre o caso brasileiro. In: GENTILI, Pablo. Pedagogia da exclusão: o neoliberalismo e a crise da escola pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: novas direitas, velhas ideias. 1ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2010.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: GENTILI, P. (Org.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1996, p. 9-49.

LEHER, Roberto; MOTTA, Fernando Cláudio Prestes. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para alívio da pobreza. 1998. 267 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. 2.ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MORROW, R. A.; TORRES, C. A. Estado, globalização e políticas educacionais. In: BURBULES, N. C.; TORRES, C. A. (orgs.). Globalização e educação: perspectivas críticas. Tradução Ronaldo Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 27-44.

NETO, Antonio Cabral. Mudanças Contextuais e as Novas Regulações: repercussões no campo da política educacional. Revista Educação em Questão, Natal, v. 42, n. 28, p. 7-40, jan./abr. 2012.

PERONI, Vera Maria Vidal; CAETANO, Maria Raquel; ARELARO, Lisete Regina Gomes. BNCC: disputa pela qualidade ou submissão da educação?.Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, [S.l.], v. 35, n. 1, p. 035 - 056, maio 2019. ISSN 2447-4193. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/93094. Acesso 17 set. 2020. doi: https://doi.org/10.21573/vol1n12019.93094.

PIRES, Valdemir. Economia da educação: para além do capital humano. São Paulo: Cortez, 2005.

SEBRAE. Manual de Operacionalização - Guia do Gestor Estadual. Brasília – DF. 2012.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Referenciais Educacionais do Sebrae: versão 2015 – Brasília: Sebrae, 2015.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Educação Empreendedora no Ensino Fundamental. 2020. Disponível em https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/educacao-empreendedora-no-ensino-fundamental,0c54be061f736410VgnVCM2000003c74010aRCRD. Acesso 16 set. 2020.

SHIROMA, Eneida Oto; ZANARDINI, João Batista. Avaliação na Educação Básica no Brasil: Políticas e contradições. In: Batista, Eraldo Leme; Zanardini, Isaura Monica Souza. Políticas educacionais: desafios e perspectivas. Curitiba: CRV, 2019, p. 117 – 132.

SOUZA, Lucas Batista de. O “aprender a empreender” como pedagogia do trabalho abstrato na sociedade alienada. Anais do VI Seminário do Trabalho: Trabalho, Economia e Educação no Século 504 XXI, realizado na UNESP, campus de Marília/SP de 26 a 30 de maio de 2008. ISBN 978-8588905-82-5. Disponível em: http://www.estudosdotrabalho.org/anais6seminariodotrabalho/lucasbatistasouza.pdf. Acesso 18 set. 2020.

SCHULTZ, Theodore. O Capital Humano: investimentos em educação e pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

ZANARDINI, João Batista. A ideologia do desenvolvimento e da globalização e as proposições curriculares elaboradas (1961-2002). In: FIGUEIREDO, Ireni Marilene Zago; ZANARDINI, Isaura Monica Souza; DEITOS, Roberto Antonio. Educação, políticas sociais e Estado no Brasil. Cascavel: EDUNIOESTE; Curitiba: Fundação Araucária, 2008. p. 205- 236.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

BUCIOLI, E. R.; MOREIRA, J. A. da S.; JANUÁRIO, E. R. POLÍTICAS CURRICULARES E O EMPREENDEDORISMO NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO ECONÔMICA. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 2, p. 147–162, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.40510. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/40510. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS