Uma perspectiva ontológica para uma análise etnoarqueológica das paisagens do Lago Amanã, Baixo Japurá, Amazonas

  • Jaqueline Gomes Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Populações ribeirinhas, Ontologia ameríndia, Etnoarqueologia Amazônica

Resumo

Neste texto procuro explorar desdobramentos de uma pesquisa etnoarqueológica focada nas formas de transformação e significação das paisagens locais entre comunidades ribeirinhas de uma unidade de conservação do interflúvio dos rios Japurá e Negro, no Estado do Amazonas. Arqueólogos, quando se ocupam de estudos sobre as paisagens, procuram por marcas antrópicas. Entre os ribeirinhos de Amanã, diversos seres além dos humanos deixam suas marcas nas paisagens, que reverberam nos processos de formação dos territórios contemporâneos. A existência de seres não-humanos, os encantados, que habitam a mata e o próprio lago, e agem conscientemente, faz parte do repertório para explicar estratégias de uso de recursos e dinâmicas da ocupação humana.  O exercício proposto é considerar outras ontologias como ponto de partida para entender as formas locais de engajamento com a paisagem contemporânea e arqueológica.

Referências

ALENCAR, Edna. 2002. Terra caída: encante, lugares e identidades. 2002. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade de Brasília, Brasília.

ALBERTI, Benjamin. 2016.Archaeologies of Ontology. Annu. Rev. Anthropol. Vol. 45:163–79.

ALBERTI, Benjamin. & MARSHALL, Yvonne. 2009. Animating archaeology: Local theories and conceptually open -ended methodologies. Cambridge ArchaeologicalJournal, vol. 19(3) : 344­56.

ALMEIDA, Mauro. 2013. "Caipora e outros conflitos ontológicos". R@u – Revista de Antropologia da UFSCar, vol. 5(1): 7-28. São Carlos.

APARICIO, Miguel. 2014. Relações Alteradas - Ideias Suruwaha sobre Animais e Caça. Ilha - Revista de Antropologia , vol. 16: 037-068.

ARROYO-KALIN, Manuel. 2008. Steps towards an ecology of landscape: a geoarchaeological approach to the study of anthropogenic dark earths in the Central Amazon region, Brazil. 232 p .Tese (DoutoradoArqueologia), Cambridge University.

ATALAY, Sonia. 2012. Community-Based Archaeology: Research with, by, and for Indigenous and Local Communities. University of California Press, Berkeley.

ATALAY, Sonia. 2006. Indigenous Archaeology as Decolonizing Practice. American Indian Quartely vol. 30 (3/4):280-310

AYRES, J. M. 1979. Aspectos da caça no alto rio Aripuanã. Acta Amazónica, 9 (2): 287-298.

BALEE, Willian. 2006. The research program of historical ecology. Annu. Rev. Anthropol. Vol. 35:75–98,.

BARROS, Flávio Bezerra. 2017. Os caçadores do Riozinho do Anfrísio: Saberes e práticas culturais entre narrativas e imagens. Muiraquitã, UFAC, v. 5, n. 1.

BEZERRA, Marcia. 2017. Teto e Afeto: Sobre as Pessoas, as Coisas e a Arqueologia na Amazônia. GK Noronha, Belém.

BINFORD, Lewis. 1983. Organization and formation processes: looking at curated technologies. in L.R. Binford (Ed.) Working at Archaeology. Academic Press, New York. Pp. 269-286.

BINFORD, Lewis. 1982. The archaeology of place. Journal of Anthropological Archaeology 1(1):5-31.

CABRAL, Mariana. 2017. El ronquido del hacha e otras cosas extrañas. In: PELLINI, J.R., ZARANIN, A; SALERNO, M. (Eds.) Sentidos indisciplinados Arqueología, sensorialidad y Narrativas alternativas. JAS Arqueología S.L.U.

CABRAL, Mariana. 2015. Traces of past subjects: experiencing indigenous thought as an archaeological mode of knowledge. J. Contemp. Archaeol. Vol 2(2):S1­30

CABRAL, Mariana. 2014. E se todos fossem arqueólogos? Experiências na Terra Indígena Wajãpi. Anuário Antropológico, vol. 39: 115-132.

CÂMPERA, Luisa. 2017. O lago encantado e o caminho da chuva: noções de corpo, cura e cosmologia no Médio Solimões. 126 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela & ALMEIDA, Mauro Barbosa de (orgs.). 2002. Enciclopédia da Floresta: o Alto Juruá: práticas e conhecimentos das populações. Cia. das Letras, São Paulo.

CARVALHO, M. 1998. “De doente a “encantado”: o conceito de mecanismo de defesa constituído culturalmente e a experiência de uma vítima de “espírito mau” em uma comunidade rural na Amazônia”. In ALVES, P. C. & RABELO, M. C (Org.) Antropologia da saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. RelumeDumará, Rio de Janeiro.

COSTA, Bernardo L. S. da. 2012. Levantamento Arqueológico na RDS Amanã – Estado do Amazonas. Dissertação de mestrado. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 160 p.

DA MATTA, Roberto. 1973"Panema". In: Ensaios de Antropologia Estrutural. Vozes, Petrópolis. Pp. 63-92.

DESCOLA, P. 1994. In the society of nature: A native ecology of Amazonia. Cambridge University Press, Cambridge.

DUTRA, Juliana & SANTOS, Rafael. 2014. Experiências de encantamento e a relação dos miranha do cuiú-cuiú com os botos vermelhos (iniageoffrensis). UAKARI.

EMMONS, L.H. & STARK, N.M. 1979. Elemental composition of a natural mineral lick in Amazonia. Biotropica, 11(4): 311-313.

FAUSTO, Carlos. 2008. Donos demais: maestria e domínio na Amazônia. Mana, 14(2): 329-366

FAUSTO, Carlos. 2001. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. EDUSP, São Paulo.

FREITAS, Carolina, SHEPARD, Glenn H., PIEDADE. Maria T. F. 2015.The Floating Forest: Traditional Knowledgeand Use of Matupá Vegetation Islands by Riverine Peoples of the Central Amazon. PLoS ONE 10(4): e0122542. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0122542

FERGUSON, T.J.; BERLIN, G.L. E KUWANWISIWMA, L.J. KUKHEPYA. 2009. Searching For Hopi Trails. In: Landscapes of movement. Trails, paths and roads in anthropological perspectives . University of Pensylvania Museum of Archaeology and Anthropology, Philadelphia. pp. 20-41.

FIGUEIREDO, Rodrigo Augusto Alves de; BARROS, Flávio Bezerra. Sabedorias, cosmologias e estratégias de caçadores numa unidade de conservação da Amazônia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 36, p. 223-237, 2016

FREITAS, Carolina, 2013. Ecologia, etnoecologia e uso local de matupás na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, Amazônia Central. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, 124 p.

FURQUIM, Laura & ROGNANT, Camille. 2014. Construção e Reapropriação das Paisagens: um palimpsesto de pessoas, histórias e plantas no Lago Amanã – RDSA – AM. In: SOUSA, Marília; CORRÊA, Dávila (Org.). Livro de Resumos. Simpósio sobre Conservação da Amazônia. AM: IDSM; CNPq, Tefé. Pp. 62-63.

FURQUIM, Laura. 2014. Análise Laboratorial do Material Cerâmico do Sítio São Miguel do Cacau e Monitoramento dos Sítios em Área de Comunidade no Lago Amanã – RDSA – AM. Relatório Final apresentado ao CNPq. Tefé, 164 p.

GALVÃO, Eduardo. 1976. Santos e Visagens: um estudo da vida religiosa de Itá; Amazonas. Segunda ed. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 202p

GHILARDI-JR, R. & ALHO, C.J.R. (1990). Produtividade Sazonal da Floresta e Atividade de Forrageamento Animal em Habitat de Terra Firma da Amazônia. Acta Amazonica, 20: 61–76.

GOMES, Jaqueline. 2016. Alteridades e Paisagens na Comunidade Boa Esperança, RDS AMANÃ (AM). Teoria & Sociedade (UFMG). v.24, p.92 - 114.

GOMES, Jaqueline. 2015. Cronologia e mudança cultural na RDS Amanã (Amazonas): um estudo sobre a fase Caiambé da tradição Borda Incisa. Dissertação de mestrado. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 196p.

HABER, Alejandro. 2016. Al otro lado del vestigio: Políticas del conocimiento y arqueologia indisciplinada. Universidad del Cauca, Sello Editorial, Popayán.

HABER, Alejandro. 2014Interculturalidad epistémica y acción política en la arqueología poscolonial. In RIVOLTA, María Clara (Ed). Multivocalidad y activaciones patrimoniales en arqueología: perspectivas desde Sudamérica. Fundación de Historia Natural Félix de Azara, Buenos Aires. Pp. 47-65.

HARRIS, M. 2000. Life on the Amazon: the anthropology of a brazilian peasant village. Oxford: Oxford University Press, 2000.

HECKENBERGER, Michael & NEVES, Eduardo. 2009. Amazonian archaeology. Annual Review of Anthropolology38: 251–266, 2009.

HECKENBERGER, Michael. 2001. Estrutura, história e transformação: a cultura xinguana da longdurée, 1000-2000d.C. In: M. Heckengerber& B. Francheto(Orgs.). Os povos do alto Xingu. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001, p. 21-62.

HECKENBERGER, Michael, 2005. The Ecology of Power: Culture, Place and Personhood in the Southern Amazon, AD 1000-2000. Routledge, New York

HOLBRAAD, M. 2012. Truth in Motion: The Recursive Anthropology of Cuban Divination. University Chicago Press, Chicago.

INGOLD, Tim. 2011.Being Alive. Essays on movement, knowledge and description. Routledge, Londres.

INGOLD, Tim. 2000. The temporality of the landscape. In: INGOLD, Tim. Perception of the enviroment. Essays on livelihood, dwelling and skill. London/New York: Routledge: 189-208.

LANE, Paul. 2008. The Use Of Ethnography In Landscape Archaeology. In: DAVID, Bruno e THOMAS, Julian (Orgs.). Handbook of Landscape Archaeology. Walnut Creek: Left Coast Press: 237-244.

LIMA, Deborah. 2013.O Homem Branco e o Boto: o encontro colonial em narrativas de encantamento e transformação (Médio Rio Solimões, Amazonas). Teoria & Sociedade. Número Especial: Antropologias e Arqueologias hoje.

LIMA, Deborah. 1999. A construção histórica do termo caboclo: sobre estruturas e representações sociais no meio rural amazônico. Novos Cadernos NAEA, v. 2, n. 2:5-32.

LIMA-AYRES, Déborah. 1992. The social category caboclo: History, social organization, identity and outsider’s social classification of the rural population of an Amazonian region (the middle Solimões). Tese de doutorado, Universidade de Cambridge, Inglaterra.

LINS E SILVA, T. 1980. Os Curupira foram embora: economia, política e ideologia numa comunidade amazônica. Dissertação (Mestrado em Antropologia) Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MACEDO, J. ; SANTOS, R.B.; BRANQUINHO, F. ; BERGALLO H.G . Controvérsias entre a Amazônia rural e a conservação: um estudo sobre a Rede Sociotécnica de ribeirinhos e onças nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã no Amazonas. Anuário Antropológico , v. 41, p. 99-121, 2016.

MACHADO, Juliana. 2017. Arqueologias Indígenas, os LaklãnõXokleng e os objetos do pensar. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 1, p. 89-119.

MACHADO, Juliana. 2012. Lugares de Gente: mulheres, plantas e redes de troca no delta amazônico. 350 p. Tese (Doutorado em Antropologia). Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MACHADO, Juliana. 2010. Espaços antropizados: entendendo os processos de reocupação de sítios arqueológicos a partir de uma visão etnoarqueológica. In: PEREIRA, Edith & GUAPINDAIA, Vera. (Orgs.). Arqueologia Amazônica. Vol. 2. MPEG; IPHAN; SECULT, Belém. Pp.345-364.

MACHADO, Juliana. 2009. Arqueologia e História nas construções de Continuidade na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Vol. 41:57-70.

MARSHALL, Y e ALBERTI, B. 2014. A Matter of Difference: Karen Barad, Ontology and Archaeological Bodies. Cambridge Archaeological Journal vol 42(1): 19-­36.

MAUÉS, R. H. 1997. A ilha encantada: medicina e xamanismo numa comunidade de pescadores. Belém: Novos Cadernos do NAEA.

MAUES, R.H. & MOTTA-MAUES, M.A. 1978. O modelo da reima: representações alimentares de uma comida amazônica. Anuário Antropológico, vol. 77: 120-147.

MENDES DOS SANTOS, Gilton. Da cultura à natureza: um estudo do cosmos e da ecologia dos Enawene-Nawe. Tese Doutorado em AntropologiaSocial – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006

MORAES, Claide. 2013 Amazônia ano 1000: Territorialidade, interação e conflito no tempo das chefias regionais. 2013. Tese (Doutorado) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

MORCATTY, T.Q. & VALSECCHI, J. 2015. Social, biological, and environmental drivers of the hunting and trade of the endangered yellow-footed tortoise in the Amazon. Ecology and Society, 20(3).

MURRIETA, R.S.S. 2001. Dialética do Sabor: Alimentação, Ecologia e Vida Cotidiana em Comunidades Ribeirinhas da Ilha de Ituqui, Baixo Amazonas, Pará. Revista de Antropologia (USP), 44: 39–88.

NEVES, Eduardo. 2013. Sob o tempo dos equinócios: oito mil anos de história. Tese de livre docência. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

NEVES, Eduardo e PETERSEN, James. 2005. Economy of Pre-Columbian Landscape Transformations in Central Amazonia. In: BALÉE, William e ERICKSON, Clark. (Orgs.). Time and Complexity in Historical Ecology: Studies in the Neotropical Lowlands. New York: Columbia University, v.1: 279-310.

NUNGENT, S. 1993. Amazonian caboclo society: an essay on invisibility and peasant economy. Oxford: Berg.

PEZZUTI, J.C.B.; et al. 2004. A caça e a pesca no Parque Nacional do Jaú. In: Borges, S.H. (org.). Janelas para a biodiversidade no Parque Nacional do Jaú: uma estratégia para o estudo da biodiversidade na Amazônia. Fundação Vitória Amazônica, Manaus. p. 213-230.

PRADO, H.M.; FORLINE, L.C.; KIPNIS, R. 2012. As práticas de caça entre os Awá-Guajá: contribuições para uma análise de sustentabilidade de longo prazo em um contexto indígena AM. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciencias Humanas, 7(2): 479–491.

POLITIS, Gustavo. 2007. Nukak: ethnoarchaeology of an Amazonian people. Left Coast Press.

QUEIROZ, Helder & PERALTA, Nelissa. 2006. Reserva de Desenvolvimento Sustentável: manejo integrado dos recursos naturais e gestão participativa. In BECKER, B. e GARAY, I. (Orgs.). Dimensões humanas da biodiversidade. Vozes, Rio de Janeiro. Pp. 447-476.

REICHEL-DOLMATOFF, Gerardo. Cosmology as ecological analysis: A view from the rain forest. Man, Londres, n. 11, v. 3, p. 307-318, 1976.

REIS, Jose Alberione dos. 2017. Há uma condição de possibilidade de diálogo entre regimes de conversação e regimes de conhecimentos. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 120-143.

SANTOS, Rafael B. C. 2012. Passar para Índio: etnografia das emergências indígenas no médio Solimões. Relatório Final de Pesquisa CNPq/PCI. Inédito.

SCHAAN, Denise. The Camutins Chiefdom: Rise and Development of Social Complexity on Marajo Island, Brazilian Amazon, 2004. Ph.D. Dissertation - University of Pittsburgh, Department of Anthropology, 2004.

SCHAAN, Denise; RANZI, Alceu; PÄRSSINEN, Martti (Orgs.). Arqueologia da Amazônia Ocidental: os geoglifos do Acre. Belém: EditoraUniversitária UFPA, 2008. 192 p

SCHIFFER, M. B. 1987. Formation process of the archaeological record. Universityof New Mexico Press, Albuquerque.

SHEPARD JR, G.H.1999. Pharmacognosy and the Senses in Two Amazonian Societies. Tese (Doutorado em Antropologia) Dept. Anthropology, University of California, Berkeley.

SILVA, A.L. 2003. Uso de Recursos por populações ribeirinhas do Médio Rio Negro. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ecologia da Universidade Estadual de São Paulo. São Paulo. 237p.

SILVA, Fabiola. 2000. As tecnologias e seus significados: Um estudo de caso a cerâmica do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva etonoarqueológica. Tese (Doutorado em antropologia). Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, Fabiola. 2009. A etnoarqueologia na Amazônia: contribuições e perspectivas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Ciências da Terra, 4: 27-37

SILVA, Fabiola. 2013. Território, lugares e memória dos Asurini do Xingu. Revista de Arqueologia (Sociedade de Arqueologia Brasileira. Impresso), 26: 28-41.

SILVA, Fabiola. 2015. Arqueologia Colaborativa com os Asurini do Xingu: um relato sobre a pesquisa no igarapé Piranhaquara - Terra Indígena Koatinemo. Revista de Antropologia (São Paulo) , v. 58, p. 142-173.

SILVA, Fabiola & GARCIA, Lorena. 2015. Território e memória dos Asurini do Xingu: Arqueologia Colaborativa na T.I. Kuatinemu, Pará. Amazônica, 7:74-99.

SILVA, Fabíola & STUCHI, Francisco. 2010. Evidências e significados da mobilidade territorial: A Terra Indígena Kaiabi (Mato Grosso/Pará). Amazônica, 2: 46-70.

SMITH, N. 1996. The enchanted amazon rainforest: stories from a vanishing world. Gainsville: University Press of Florida.

STEPHENS, D.W.; Krebs, J.P. 1986. Foraging Theory. Princeton University Press, Princeton. 249p.

STEWART, A. M., D. KEITH e J. SCOTTIE. 2004. Caribou crossings and cultural meanings: placing traditional knowledge and archaeology in context in an Inuit landscape. Journal of Archaeological Method and Theory 11 (2): 183-212.

VASCONCELOS NETO, Carlos. 2016. Atividade caça na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã (RDSA): uma abordagem de ecologia histórica. 71 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. São Paulo.

VALSECCH, João. 2012. Caça de Animais Silvestres nas Reservas De Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã. Tese de Doutorado, Instituto de Ciências Biológicas. Universidade Federal de Minas Gerais.

VALSECCHI, J., AMARAL, P.V. 2009. Perfil da caça e dos caçadores na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, Amazonas – Brasil. Uakari, 5(2): 33–48.

VASCONCELOS NETO, Carlos Frederico. 2016. Atividade de Caça em uma Comunidade da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã (RDSA). Dissertação de Mestrado. Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. 82 p.

VICKERS, W. 1989. Los Sionas y Secoyas: Su adaptación al ambiente amazónico. Quito: Ediciones Abya-Yala.

VIEIRA, Marina. 2013. Influências dos sistemas de manejo formal e informal na atividade de caça de subsistência na RDS Piagaçu-Purus, AM. Dissertação (Mestrado Ecologia), INPA, Manaus.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. A inconstância da Alma Selvagem e Outros Ensaios de Antropologia. Cosac &Naify, São Paulo. 552 pp.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio, MANA 2(2), 115-

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1987 [1979]. "A fabricação do corpo na sociedade xinguana". In: J. P. de Oliveira Filho (org.), Sociedades indígenas e indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/ Editora Marco Zero. pp. 31-39.

WAGLEY, C. 1988. Uma comunidade amazônica. Belo Horizonte: Itatiaia/Edusp.

WAWZYNIAK, João. 2012. Humanos e não humanos no universo transformacional dos ribeirinhos do rio Tapajós–Pará. Mediações - Revista de Ciências Sociais, v. 17

WAWZYNIAK, João. 2008. Assombro de Olhada de Bicho – Concepções de Saúde entre os Ribeirinhos do Tapajós-Pará, Brasil. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal de São Carlos, 237 f.

WHITRIDGE, P. 2004. Landscapes, houses, bodies, things: place and the archaeology of Inuit imaginaries. Journal of Archaeological Method and Theory 11 (2): 213-50.

ZEDEÑO, M. I. 1997. Landscapes, land use, and the history of territory formation: an example from puebloan southwest. Journal of Archaeological Method and Theory 4 (1): 63-103

ZEDEÑO, M. I. & BROWSER, B. J. 2009. The archaeology of meaningful places, In B. J. BROWSER e M.I. ZEDEÑO (Eds), The archaeology of meaningful places. Salt Lake City. The University of Utah Press. pp. 1-14.

Publicado
2019-03-16
Seção
Artigos