Efeito da freqüência de aplicação de géis fluoretados no controle da erosão em esmalte

  • Maisa Camillo Jordão Universidade de São Paulo- USP
  • Renato Jonas Schiavoni Universidade de São Paulo- USP
  • Mônica Campos Serra Universidade de São Paulo- USP
  • Cecilia Pedroso Turssi Universidade de São Paulo- USP

Resumo

Esta investigação avaliou o efeito do regime de utilização de géis fluoretados neutro e acidulado no controle da progressão de lesões de erosão, através da análise da permeabilidade. Para tal, foram obtidos 140 fragmentos de esmalte bovino que foram impermeabilizados, exceto em uma área com 3mm de diâmetro, e submetidos, durante 3 semanas, a dois desafios erosivos diários, simulados através do contato do espécime com 20ml de suco de laranja (5 min), sob agitação. Entre os desafios, os corpos-de-prova foram mantidos em
saliva artificial. Segundo um delineamento em blocos completos casualizados, os espécimes (n=20) foram tratados com géis fluoretados neutro (FN) ou acidulado (FFA), aplicados semanalmente, diariamente ou após
cada episódio erosivo ou permaneceram sem tratamento (controle). Para análise da permeabilidade, os espécimes foram submetidos a um método de coloração histoquímica, utilizando-se soluções de sulfato de cobre e de ditioxamida. Da região delimitada, obtiveram-se secções que foram digitalizadas sob microscopia óptica e submetidas à avaliação da penetração de íons cobre em relação à espessura total do esmalte. Os
testes de Friedman e da diferença mínima significativa (a=0,05) demonstraram que houve menor permeabilidade no esmalte submetido a desafios erosivos quando do uso do FFA, não importando a freqüência de sua utilização.
A permeabilidade no esmalte decorrente da utilização do FN não diferiu daquela observada para o grupo não exposto aos géis fluoretados. Sugere-se que lesões de erosão em esmalte podem ser mais eficientemente
controladas quando do uso de gel fluoretado acidulado, independentemente do regime adotado em sua aplicação.
Descritores: Erosão dental. Fluoretos. Permeabilidade do esmalte dentário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maisa Camillo Jordão, Universidade de São Paulo- USP
Aluna de graduação, FORP-USP
Renato Jonas Schiavoni, Universidade de São Paulo- USP
Doutorando em Odontologia Restauradora, FORP-USP
Mônica Campos Serra, Universidade de São Paulo- USP
Profa. Associada, Dept. Odontologia Restauradora, FORP-USP3Profa. Associada, Dept. Odontologia Restauradora, FORP-USP
Cecilia Pedroso Turssi, Universidade de São Paulo- USP
Profa. Credenciada, Programa de Pós-graduação em Odontologia Restauradora, FORP-USP

Referências

1-Nunn JH. Prevalence of dental erosion and the implications for oral health. Eur J Oral Sci. 1996; 104:156-61.
2-Hara AT, Purquerio BM, Serra MC. Estudos das lesões cervicais não-cariosas: aspectos biotribológicos. RPG Rev Pos Grad. 2005; 12:141-8.
3-Nielsen SJ, Popkin BM. Changes in beverage intake between 1977 and 2001. Am J Prev Med. 2004; 27:205-10.
4-Amaechi BT, Higham SM. Dental erosion: possible approaches to prevention and control. J Dent. 2005; 33:243-52.
5-Imfeld T. Prevention of progression of dental erosion by professional and individual prophylactic measures. Eur J Oral Sci. 1996; 104:215-20.
6-Lussi A, Hellwig E. Risk assessment and preventive measures. Monogr Oral Sci. 2006; 20:190-9.
7-Ganss C, Klimek J, Schaffer U, Spall T. Effectiveness of two fluoridation measures on erosion progression in human enamel and dentine
in vitro. Caries Res. 2001; 35:325-30. 8-Lagerweij MD, Buchalla W, Kohnke S, Becker K, Lennon AM, Attin T. Prevention of erosion and
abrasion by a high fluoride concentration gel applied at high frequencies. Caries Res. 2006; 40:148-53.
9-Attin T, Deifuss H, Hellwig E. Influence of acidified fluoride gel on abrasion resistance of eroded enamel. Caries Res. 1999; 33: 135-9.
10-Wunderlich RC, Yaman P. In vitro effect of topical fluoride on dental porcelain. J Prosthet Dent. 1986; 55: 385-8.
11-El-Badrawy WA, McComb D. Effect of homeuse fluoride gels on resin-modified glass-ionomer cements. Oper Dent. 1998; 23: 2-9.
12-Dionysopoulos P, Gerasimou P, Tolidis K. The effect of home-use fluoride gels on glass-ionomer, compomer and composite resin restorations. J Oral Rehabil. 2003; 30: 683-9.
13-Cury JA. Uso do flúor e o controle da cárie como doença. In: Baratieri LN. (Org.). Odontologia restauradora: fundamentos e possibilidades. São
Paulo: Santos e Quintessence, 2001; 33-68. 14-Amaechi BT, Higham SM, Edgar WM. Techniques for the production of dental eroded
lesions in vitro. J Oral Rehabil. 1999; 26:97-102.
15-McKnight-Hanes C, Whitford GM. Fluoride release from three glass ionomer materials and the effects of varnishing with and without finishing. Caries Res. 1992; 26:345-50.
16-Eisenburger M, Shellis RP, Addy M. Scanning electron microscopy of softened enamel. Caries Res. 2004; 38:67-74.
17-Rehder Neto FC, Domiciano SJ, Turssi CP, Serra MC. Análise da viabilidade de uso do esmalte bovino em substituição ao humano em estudos de erosão. Anais da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto da USP. 2006; 12:19.
18-Millward A, Shaw L, Harrington E, Smith AJ. Continuous monitoring of salivary flow rate and pH at the surface of the dentition following
consumption of acidic beverages. Caries Res. 1997; 31:44-9.
19-Christersson CE, Lindh L, Arnebrant T. Filmforming properties and viscosities of saliva substitutes and human whole saliva. Eur J Oral
Sci. 2000; 108:418-25.
20-Hannig M. The protective nature of the salivary pellicle. Int Dent J. 2002; 52:417-23.
21-Meurman JH. Progression and surface ultrastructure of in vitro caused erosive lesions in human and bovine enamel. Caries Res. 1991;
25:81-7.
22-Turssi CP, Messias DCF, Corona SAM, Serra MC. Microhardness of in situ formed erosive lesions in human and bovine enamel. Caries Res.
2006; 40:319.
23-Pécora JD, Souza Neto MD, Costa WF. Apresentação de um método químico que revela in vitro a passagem do peróxido de hidrogênio a
30% através da dentina radicular. Rev Paul Odontol. 1991; 13:34-7.
24-Schiavoni RJ, Turssi CP, Rodrigues Jr AL, Serra MC, Pécora JD, Fröner IC. Assessing the effect of bleaching agents on enamel permeability. Am J Dent. 2006; 19:313-6.
25-Turssi CP, Schiavoni RJ, Serra MC, Fröner IC. Permeability of enamel following light-activated power bleaching. Gen Dent. 2006; 54:323-6.
26-Rolla G, Saxegaard E. Critical evaluation of the composition and use of topical fluorides, with emphasis on the role of calcium fluoride in caries inhibition. J Dent Res. 1990; 69:780-5.
27-Kamala KR, Annapurni H. Evaluaion of surface roughness of glazed and polished ceramic surface on exposure to fluoride gel, bleaching agent and aerated drink: an in vitro study. J Indian Prosthodont Soc. 2006; 6:128-32.
28-Turssi CP, de Magalhães CS, Serra MC. Effect of fluoride gels on micromorphology of resinmodified glass-ionomer cements and polyacidmodified resin composites. Quintessence Int. 2001;32:571-7.
Publicado
2016-03-14
Como Citar
Jordão, M. C., Schiavoni, R. J., Serra, M. C., & Turssi, C. P. (2016). Efeito da freqüência de aplicação de géis fluoretados no controle da erosão em esmalte. Arquivos Em Odontologia, 44(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3458
Seção
Artigos