Síndrome da respiração oral: alterações clínicas e comportamentais

  • Valdenice Aparecida de Menezes Universidade do Estado de Pernambuco -UPE Associação Caruaruense de Ensino Superior-ASCES
  • Ricardo Luiz de Oliveira Tavares Associação Caruaruense de Ensino Superior-ASCES
  • Ana Flávia Granville- Garcia Universidade Estadual da Paraíba -UEPB

Resumo

A Síndrome da respiração oral induz a alterações em vários órgãos e sistemas, estando ligada não apenas à capacidade vital do indivíduo, mas também a sua qualidade de vida. Devido a sua elevada prevalência tem sido considerada como um preocupante problema de saúde pública. O objetivo deste trabalho foi, mediante uma revisão da literatura, analisar as principais alterações clínicas e comportamentais provocadas por esta patologia. Sendo assim, buscou-se periódicos indexados tanto em bibliotecas de universidades quanto na internet, limitando-se ao período de 1994 e 2008. O padrão de respiração nasal foi observado ser o mais eficiente, pois promove uma melhor oxigenação para os pulmões. As causas da respiração oral podem ser de ordem obstrutiva e não obstrutivas, mas ambas podem afetar o desenvolvimento morfofuncional do sistema estomatognático, assim como, o comportamento do indivíduo. As principais alterações clínicas dos respiradores orais são: face alongada, narinas estreitas, selamento labial inadequado e maloclusão. As principais alterações comportamentais são: irritação, mau- humor, sonolência, inquietude, desconcentração, agitação, ansiedade, medo, depressão, desconfiança, impulsividade e déficit de aprendizagem. A respiração oral interfere no desenvolvimento de vários órgãos e sistemas, trazendo repercussões na qualidade de vida do indivíduo, sendo, ideal que seu tratamento seja multidisciplinar.
Descritores: Respiração bucal. Distúrbios respiratórios. Odontopediatria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdenice Aparecida de Menezes, Universidade do Estado de Pernambuco -UPE Associação Caruaruense de Ensino Superior-ASCES

Faculdade de Odontologia, Universidade do Estado de Pernambuco (UPE), Recife, PE, Brasil
Faculdade de Odontologia, Associação Caruaruense de Ensino Superior (ASCES), Caruaru, PE, Brasil

Ricardo Luiz de Oliveira Tavares, Associação Caruaruense de Ensino Superior-ASCES
Faculdade de Odontologia, Associação Caruaruense de Ensino Superior (ASCES), Caruaru, PE, Brasil
Ana Flávia Granville- Garcia, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Campina Grande, PB, Brasil

Referências

1. Guyton AC. Tratado de fisiologia médica. 10ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.
2. Santiago Júnior O. Diagnóstico em ortopedia funcional dos maxilares e suas implicações clínicas. In: Cardoso R, Machado M.
Odontologia a arte e conhecimento. São Paulo: Santos; 1994. p.185-201.
3. Nicolasi R. Atuação fonoaudiológica: respiração bucal. [acesso em 2003 mar 24]. Disponível em:h t t p : / / w w w. g e o c i t e s . c o m / f o n o b r /respiração.html.
4. Ferraz MJPC, Souza MA. Respiração bucal: uma abordagem multidisciplinar. Respiração bucal. [acesso em 2003 ago 22]. Disponível em: http:www.respiremelhor.com.br/odonto/
odonto16122002.html.
5. Mafra A. Respiração bucal. [acesso em 2004 ago 20]. Disponível em: http:// www. g e o c i t i e s . c o m / a n d r e a _ m a f r a /
respiracao.html.
6. Miranda PPC, Maskuda SYK, Periotto MC, Araújo RJH. Enfoque multidisciplinar na síndrome do respirador bucal. Rev Paul Odontol.
2002;24:24-30.
7. Cavassani VG, Ribeiro SG, Nemr NK, Greco AM, Köhle J, Lehn CN. Hábitos orais de sucção: estudo piloto em população de baixa renda. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69:106-10.
8. Coimbra C. O tratamento da respiração bucal. [acesso em 2003 mar 24]. Disponível em: http://www.jfservice.com.br/viver/arquivo/dicas/2002/10/17.
9. Leal, RB. Elaboração e validação de instrumento para avaliar a qualidade de vida do respirador oral. [dissertação]. Recife: Faculdade
de Odontologia da UPE; 2004.
10. Menezes VA, Leal RB, Pessôa RS, Pontes RMES. Prevalence and factors related to mouth breathing in school children at the Santo Amaro project-Recife. Braz J Otorhinol. 2006;72:394-9.
11. Menezes VA, Leal RB, Moura MM, Granville- Garcia AF. Influência de fatores socioeconômicos e demográficos no padrão de
respiração: um estudo piloto. Rev Bras Otorrinolaringol. 2007;73:826-34.
12. Ricketts RM. Respiratory obstruction syndrome. Am J Orthod. 1968;54:495-515.
13. Ponte STD. Respiração bucal. [Monografia]. Londrina, Paraná: Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral; 2000.
14. Aragão W. Respirador bucal. J Ped. 1998;64:349-52.
15. Ribeiro A. Respiração bucal e alterações esqueléticas e dentárias. [monografia]. São Paulo: Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral; 1998.
16. Pessoa RS, Pontes RMES. Prevalência e fatores associados à respiração oral em escolares participantes do projeto Santo Amaro
- Recife. [monografia]. Recife: Faculdade de Odontologia da UPE; 2005.
17. Rahal A, Krakauer LH. Avaliação e terapia fonoaudiológica com respiradores bucais. Dent Press. 2001;6:83-6.
18. Carvalho GD. Síndrome do respirador bucal ou insuficiente respirador nasal. Rev Secret Saúde. 1996;2:22-5.
19. Amaral CF, Martins ER, Rios JBM. A respiração bucal e o desenvolvimento do complexo dentofacial. Rev Bras Alergia Imunopatol. 2002;25:55-60.
20. Marchesan IQ. Aspectos clínicos da motricidade oral. In: Marchesan IQ. Fundamentos em Fonoaudiologia. Rio de Janeiro: Guanabara; 1998. p 123-35.
21. Carvalho GD. Alterações comportamentais comuns na SRB. jan. 2000. [acesso em 2005 fev 10]. Disponível em: http://
www.ceaodontofono.com.br/artigos/art/2000/ jan00.htm.
22. Calvet C, Pereira AFV. Alterações periodontais em respiradores bucais. Rev Fac Odontol Porto Alegre. 2000;42:21-4.
23. Casamassino PS. Considerações periodontais. In: Pinkham JR, Casamassino OS, Mactigue DJ, Fields HW, Nowak A. Odontopediatria da infância à adolescência. Artes Médicas: São Paulo; 1996. p.386-91.
24. Andrade FV, Andrade DV, Araújo AS, Ribeiro ACC. Alterações estruturais de órgãos fonoarticulatórios e más oclusões dentárias em
respiradores orais de 6 a 10 anos. Rev CEFAC. 2005;7:318-25.
25. Rodrigues HOSN, Faria SR, Paula SFG, Mota AR. Ocorrência de respiração oral e alterações miofuncionais orofaciais em sujeitos em
tratamento ortodôntico. Rev CEFAC. 2005;7:356-62.
26. Carvalho GD. Alterações comportamentais comuns na síndrome do respirador bucal. Lovise:São Paulo; 2003.
27. Jorge EP. Estudo da resistência nasal em pacientes com má oclusão de classe II divisão 1 de Angle, utilizando a rinomanometria anterior ativa. Dent Press. 2002;6;15-30.
28. Spinelli MLM, Casanova PC. Respiração bucal. [acesso em 2005 jan 12]. Disponível em: http://w w w . o d o n t o l o g i a . c o m . b r /artigos.asp?id=224&idesp+14&ler=s.
29. Carvalho GD, Brandão G, Vinha PP. Os respiradores bucais e as desordens buco-dentais. In: Cardoso RJA, Gonçalves, EAN.
Odontopediatria: prevenção. São Paulo: Artes Médicas; 2002. p.167-78.
30. Toledo OA. Odontopediatria fundamentos para a prática clínica. 2ªed. São Paulo: Premier, 1996.
31. Moraes ACC. Respirador bucal: suas complicações anatômicas e posturais [monografia]. Recife: Faculdade de Odontologia
da UPE; 1998.
32. Pignatari, SSN. O respirador oral. Odontoreview. 2005;1:6.
33. Paiva JB, Vigorito JW, Castro AB Estudo rinomanométrico da cavidade nasal em pacientes submetidos à expansão rápida da maxila.
Ortodontia. 2000;33:36-42.
34. Queluz DP, Gimenez CMM. A síndrome do respirador bucal. Rev CROMG. 2000;6:4-9.
35. Di Francesco RC. Respirador bucal: a visão do otorrinolaringologista. JBO. 1999;5:56-60.
36. Felipe LB, Benítez MP, Coto AC, Carpio MAR, Hernández MD. Hábito de respiración bucal en niños. Rev Cuba Ortod. 2001;16:47-53.
37. Leite RMS, Leite AAC, Friedman H, Friedman I. A síndrome do respirador bucal como fator de risco para queilite actínica. An Bras
Dermatol. 2003;78:73-8.
38. Paranhos LR, Cruvinel MOB. Respiração bucal:alternativas técnicas em ortodontia e ortopedia facial no auxílio do tratamento. J Bras Ortodon Ortop Facial. 2003;45:253-9.
39. Cintra CFSC, Castro FFM, Cintra PPVC. As alterações orofaciais apresentadas em pacientes respiradores bucais. Rev Bras Alergia
Imunopatol. 2000;23:78-83.
40. Alvarenga AL, Pádua IPM, Silveira IA. O respirador bucal. Pro Homine. 2003;2:21-5.
41. Pereira SL. Respiração bucal e aprendizagem:uma análise fonoaudiológica sobre as causas e conseqüências. [monografia]. Itajaí: Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral. 2001.
42. Leal, RB. Impacto do padrão de respiração, prevalência e fatores associados na qualidade de vida em escolares do Recife/PE. [tese]
Recife: Faculdade de Odontologia da UPE; 2008.
Publicado
2016-04-04
Como Citar
de Menezes, V. A., Tavares, R. L. de O., & Garcia, A. F. G.-. (2016). Síndrome da respiração oral: alterações clínicas e comportamentais. Arquivos Em Odontologia, 45(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3511
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)