Prevalência das desordens temporomandibulares em graduandos da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Autores

  • Flávio Basílio Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG
  • Lucas Martini Pereira da Cruz Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG
  • Vanessa Migliorini Urban Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG
  • Fernando Fernandes Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG
  • Nara Hellen Campanha Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG
  • Janaina Habib Jorge Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Resumo

Objetivo: Determinar a prevalência das DTM em graduandos de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Materiais e Métodos: Foram examinados 153 estudantes de todos os períodos, com idades entre 17 e 25 anos. Foram excluídos os graduandos em tratamento ortodôntico e aqueles com doenças sistêmicas graves, tais como neoplasias. Para determinação da prevalência e obtenção do diagnóstico das DTM foi utilizada uma ficha clínica composta por questionário de saúde e exame físico detalhados. Durante o exame físico, foi realizada a palpação bidigital e auscultação das articulações temporomandibulares, bem como a análise dos movimentos mandibulares e da amplitude de abertura bucal. Também foi realizada a palpação
bidigital dos músculos mastigatórios e associados. Os dados foram analisados pelo teste Qui-quadrado (χ2) ao nível de significância de 99% (α=0,01). Resultados: Os resultados mostraram que 39% dos graduandos
apresentaram algum tipo de DTM (p=0,004), sendo que 73% eram do gênero feminino (p<0,001). Foi observada uma porcentagem de 93% de desordens articulares e 7% de desordens musculares, tendo sido 78% isoladas e 22% associadas (p<0,001). A DTM articular mais prevalente, independente do gênero, foi o deslocamento do disco com redução (68%) (p<0,001). Conclusão: A partir da análise dos dados, concluiu-se que quase metade dos pacientes avaliados apresentou algum tipo de DTM e que a grande maioria foi do gênero feminino. Além disso, observou-se que a DTM articular foi a mais prevalente.
Descritores: Transtornos da articulação temporomandibular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Basílio Ferreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Lucas Martini Pereira da Cruz, Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Vanessa Migliorini Urban, Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Fernando Fernandes, Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Nara Hellen Campanha, Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Janaina Habib Jorge, Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Referências

1. Leeuw R. Dor orofacial: guia de avaliação, diagnóstico e tratamento. 4ª ed. São Paulo: Quintessence; 2010.
2. Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do 1º Consenso em disfunção temporomandibular e dor orofacial. Dental Press J Orthod. 2010; 15:114-20.
3. Okeson JP. Orofacial pain. Guidelines for assessment, diagnosis and management. Chicago: Quintessence Publishing; 1996.
4. Yap AU, Chua EK, Hoe JK. Clinical TMD, painrelated disability and psychological status of TMD patients. J Oral Rehabil. 2002; 29:374-80.
5. Bove SRK, Guimarães AS, Smith RL. Caracterização dos pacientes de um ambulatório de disfunção temporomandibular e dor orofacial.
Rev Lat Am Enfermagem 2005. 13:686-91.
6. Milam A, Fava ELF, Lino HL, Milam JRT, Lino Júnior HL. Levantamento de incidência de DTMs e análise da efetividade da placa de mordida plana como terapia. Ciências Biológicas e da Saúde.
2004; 25:23-38.
7. Le Resche L, Saunders K, Von Korff MR, Barlow W, Dworkin SF. Use of exogenous hormones and risk of temporomandibular disorder pain. Pain. 1997; 69:153-60.
8. Alencar JFG. Oclusão, dores orofaciais e cefaléias. São Paulo: Santos; 2005.
9. Nekora-Azak A, Evlioglu G, Ordulu M, Işsever H. Prevalence of symptoms associated with temporomandibular disorders in Turkish
population. J Oral Rehabil. 2006; 33:81-4.
10. Stegenga B, Schouten H. Mandibular pain and movement disorders, focusing on the temporomandibular joint. Ned Tijdschr
Tandheelkd. 2007; 114:41-6.
11. Bontempo KV, Zavanelli RA. Fatores etiológicos correlacionados à desordem temporomandibular em pacientes portadores de próteses totais bimaxilares: uma análise comparativa. RGO. 2009; 57:67-75.
12. Rosa RS, Oliveira PA, Faot F, Del Bel Cury AA, Garcia RCMR. Prevalência de sinais e sintomas de desordens temporomandibulares e suas associações em jovens universitários. RGO. 2008;
56: 121-6.
13. Tosato JP, Caria PHF. Prevalência de DTM em diferentes faixas etárias. RGO. 2006; 54: 211-24. 14. Zarb GA, Carlsson GE, Sessle BJ, Mohl ND. Disfunção da articulação temporomandibular e dos músculos da mastigação. São Paulo: Santos; 2000.
15. Barbería E, Fernández-Frías C, Suárez-Clúa C, Saavedra D. Analysis of anxiety variables in dental students. Int Dent J. 2004; 54:445-9.
16. Fernandes AUR, Garcia AR, Zuim PRJ, Cunha LDAP, Marchiori AV. Desordem temporomandibular e ansiedade em graduandos
de odontologia. Cienc Odontol Bras. 2007; 10:70-7.
17. Ávila Júnior ET, Flecha OD, Oliveira Filho PM. Prevalência de sintomatologia para a disfunção temporomandibular (DTM) em
estudantes de Odontologia e sua associação com a hipermobilidade condilar da articulação temporomandibular (ATM). Arq Odontol. 2009;
45:16-21.
18. Chuang SY. Incidence of temporomandibular disorders (TMDs) in senior dental students in Taiwan. J Oral Rehabil. 2002; 29:1206–11.
19. Nassif NJ, Al-Salleeh F, Al-Admawi M. The prevalence and treatment needs of symptoms and signs of temporomandibular disorders among young adult males. J Oral Rehabil. 2003; 30:944-
50.
20. Pedroni CR, Oliveira AS, Guaratini MI. Prevalence study of signs and symptoms of temporomandibular disorders in university
students. J Oral Rehabil. 2003; 30:283–9. Prevalência das DTM em graduandos da UEPG 13-18
21. Shinkai RSA, Santos LM, Nobre MS. Contribuição ao estudo da prevalência de bruxismo excêntricos noturno em crianças de 2 a 11 anos de idade. Rev Fac Odontol Univ São Paulo. 1998; 12:29-37.
22. Solberg WK, Woo MW, Houston JB. Prevalence of mandibular disfunction in young adults. J Am Dent Assoc. 1979; 98:25-34.
23. Pergamalian A, Ruddy TE; Hussein SZ, Greco CM. The association between wear facets, bruxism, and severity of facial pain in patients
with temporomandibular disorders. J Prosthet Dent. 2003; 90:194-200.
24. LeResche L, Lloyd M, Sherman JJ, Gandara B, Dworkin SF. Changes in temporomandibular pain and other symptoms across the menstrual cycle. Pain. 2003; 106:253-61.
25. Franco AL. Estudo da prevalência de cefaléias primárias e da sua associação com a dor orofacial em pacientes com disfunção temporomandibular crônica [dissertação]. Araraquara (SP): Faculdade
de Odontologia de Araraquara; 2004.
26. Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares. 4ª ed. São Paulo: Artes Médicas; 2000.
27. Paiva HJ. Noções e conceitos básicos em oclusão, disfunção temporomandibular e dor orofacial. São Paulo: Santos; 2008.
28. Mezzomo E. Reabilitação oral contemporânea. São Paulo: Santos; 2007.
29. Schiffman E, Haley D, Baker C, Lindgren B. Diagnostic criteria for screening headache patients for temporomandibular disorders. Headache. 1995; 35:121-4.
30. Fricton JR. Masticatory myofascial pain: an explanatory model integrating clinical, epidemiological and basic science research. Bull
Group Int Rech Sci Stomatol Odontol. 1999; 41: 14-25.

Downloads

Publicado

2016-05-23

Como Citar

Ferreira, F. B., Cruz, L. M. P. da, Urban, V. M., Fernandes, F., Campanha, N. H., & Jorge, J. H. (2016). Prevalência das desordens temporomandibulares em graduandos da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Arquivos Em Odontologia, 48(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3586

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)