Perfil epidemiológico da cárie dentária em escolares de 5 e 12 anos residentes no Município de Bayeux, Paraíba

Autores

  • Amanda Camurça de Azevedo Universidade Federal da Paraíba -UFPB
  • Ana Maria Gondim Valença Universidade Federal da Paraíba -UFPB
  • Eufrásio de Andrade Lima Neto Universidade Federal da Paraíba -UFPB

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico para cárie dentária de crianças com 5 e 12 anos de idade pertencentes a escolas da rede pública e privada de ensino do município de Bayeux, PB. Materiais e Métodos: A amostra constituiu-se por 411 indivíduos, sendo 277 de 5 anos 134 com 12 anos de idade, distribuídas em 10 setores censitários do município. Os exames clínicos foram realizados por uma cirurgiã-dentista calibrada (Kappa=0,82) de acordo com os critérios de diagnóstico recomendados pelo SB BRASIL 2010. Foram investigados os índices ceod e CPOD. Os dados coletados foram registrados e analisados no programa Excel, sendo realizada análise descritiva. Resultados: Verificou-se que o ceo-d/CPO-D para 5 e 12 anos foram, respectivamente, 2,86 (+3,07) e 4,19 (+2,66). Aos 5 anos, 32,1% das crianças não apresentaram experiência com a doença cárie. Para aquelas identificadas com experiência de cárie, 96,5% do ceo-d eram do componente
cariado. Aos 12 anos, o percentual da amostra com todos os dentes hígidos foi de 9,0%. Em relação aqueles indivíduos com CPO-D maior ou igual a 1, o componente cariado apresentou maior percentual na composição
do índice (80,9%). Conclusões: A presença de cárie dentária aos 5 e aos 12 anos foi alta. Houve predominância, em ambos os índices, do componente cariado.
Descritores: Cárie dentária. Epidemiologia. Estimativas de população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Camurça de Azevedo, Universidade Federal da Paraíba -UFPB

Programa de Pós-Graduação em Modelos de Decisão em Saúde, Departamento de Estatística, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil

Ana Maria Gondim Valença, Universidade Federal da Paraíba -UFPB

Departamento de Clínica e Odontologia Social (DCOS), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil

Eufrásio de Andrade Lima Neto, Universidade Federal da Paraíba -UFPB

Departamento de Estatística (DE), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Referências

1. Costa JFR, Chagas LD, Silvestre RM. A política nacional de saúde bucal no Brasil: registro de uma conquista histórica [Internet]. Série técnica: desenvolvimento de sistemas e serviços de saúde. 2006. [acesso em 2011 jul 11]. Disponível em: http://www.opas.org.br/sistema/fotos/bucal.htm
2. Gjermo P, Rosing CK, Susin C, Oppermann R. Periodontal diseases in central and south America. Periodonto 2000. 2002; 29:70-8.
3. Thylstrup A, Fejerskov O. Cariologia clínica. 2ª ed. São Paulo: Santos; 1995. 4. Low W. The effect of severe caries on the quality
of life in young children. Pediatr Dent J. 1999; 21:325-6.
5. McGrath C, Broder H, Wilson-Genderson M. Assessing the impact of oral health on the life quality of children: implications for research and
practice. Community Dent Oral Epidemiol. 2004; 32:81-5.
5. Mello RC, Antunes JL, Waldman EA. Prevalência de cárie não tratada na dentição decídua em áreas urbanas e rurais do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2008; 23:78-84.
6. Pine CM, Adair PM, Petersen PE, Douglass C, Burnside G, Nicoll AD, et al. Developing explanatory models of health inequalities in
childhood dental caries. Community Dent Health 2004; 21 suppl 1:86-95.
7. Freire M. Prevalência de cárie e fatores sócioeconômicos em pré-escolares: revisão de literatura. Rev Bras Odontol Saúde Coletiva. 2000; 1:35-41.
8. Lima C. Prevenção da cárie precoce na infância: uma visão da vulnerabilidade e da promoção da saúde [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2001.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados
principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
10. Pauleto AR, Pereira ML, Cyrino EG. Saúde bucal: uma revisão crítica sobre programações educativas para escolares. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9:121-30.
11. Lakatos EV, Marconi MA. Metodologia científica. 2ª ed. São Paulo: Atlas; 2001.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Saúde Bucal. Projeto SB 2010: condições de saúde bucal da população brasileira
no ano 2010. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.
13. João Pessoa. Levantamento epidemiológico das condições de saúde bucal da população da cidade de João Pessoa – PB. João Pessoa, PB, 2008. (CD).
14. Pinto VG. Saúde bucal coletiva. 4ª ed. São Paulo: Santos; 2000.
15. Rouquayrol MZ, Silva ML. A epidemiologia na organização dos serviços de saúde. Sitientibus. 1998; 19:55-67.
16. Santos NC, Borges, TD, Freitas, VS. A saúde bucal de adolescentes: aspectos de higiene, de cárie dentária e doença periodontal nas cidades de Recife, Pernambuco e Feira de Santana, Bahia. Ciênc Saúde Coletiva. 2000; 12:155-66.
17. Patiño JS. Prevalência de cárie dentária e fluorose dentária em escolares de cinco a doze anos, matriculados em escolas públicas e privadas do município de Camboriú, SC. 2000 [dissertação]
São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2000.
18. Gradelha CM, Oliveira LB, Ardenghi TM, Bönecker M. Epidemiologia da cárie dentária em crianças de 5 a 59 meses de idade no município de Macapá, AP. RGO. 2007; 55:329-34.
19. Guimarães HB, Silva AR, Porto RB. Avaliação da experiência de cárie e necessidade de tratamento de pré-escolares de 5 e 6 anos das redes pública e privada do município de Porto Velho, Rondônia.
Odontol Clín-Cient. 2010; 9:49-53.
20. Meirelles MP, Tagliaferro EP, Tonello AS, Cypriano S, Sousa ML. Cárie dentária, alterações de esmalte e necessidades de tratamento em préescolares e escolares de Araras, SP. Rev Fac
Odontol. 2008; 49:34-8.
21. Almeida TF, Cangusso MC, Chaves SC, Castro e Silva DI, Santos SC. Condições de saúde bucal de crianças na faixa etária pré-escolar, residentes em áreas de abrangência do Programa Saúde da
Família em Salvador, Bahia, Brasil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2009; 9:247-52.
22. Moreira PV, Rosenblatt A, Passos IA. Prevalência de cárie em adolescentes de escolas públicas e privadas na cidade de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12:1229-36.
23. Rigo L, Souza EA, Caldas Junior AF. Experiência de cárie dentária na primeira dentição em município com fluoretação das águas. Rev Bras Saude Mater Infant. 2009; 9:435-42.
24. Rihs LB, Silva DD, Sousa ML. Cárie dentária em crianças de município sem fluoretação da água, 2004. Odontol Clín-Científ. 2008; 7:43-6.
25. Antunes LF, Peres MA, Mello TR. Determinantes individuais e contextuais da necessidade de tratamento odontológico na dentição decídua no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2006; 11:79-87.
26. Tobias R, Parente RC, Rebelo MA. Prevalência e gravidade da cárie dentária e necessidade de tratamento em crianças de 12 anos de município de pequeno porte inserido no contexto amazônico.
Rev Bras Epidemiol. 2008; 11:608-18.
27. Amaral RC, Hoffmann RH, Cypriano S, Sousa ML, Silva AA. Prevalência de cárie e necessidades de tratamento em pré-escolares e escolares de Perfil epidemiológico da cárie dentária em escolares de 5 e 12 anos

Downloads

Publicado

2016-05-23

Como Citar

Azevedo, A. C. de, Valença, A. M. G., & Neto, E. de A. L. (2016). Perfil epidemiológico da cárie dentária em escolares de 5 e 12 anos residentes no Município de Bayeux, Paraíba. Arquivos Em Odontologia, 48(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3594

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)