Perfil epidemiológico do uso e necessidade de prótese dentária em usuários de uma Unidade de Saúde da Família de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Autores

  • Bruna Barnard Motta
  • Alex Vettori Nogueira
  • Ramona Fernanda Ceriotti Toassi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Resumo

Objetivo: Estimar o uso e a necessidade de prótese dentária em usuários de uma Unidade de Saúde da Família (USF) de Porto Alegre, em 2013. Materiais e Métodos: Pesquisa de delineamento transversal cuja coleta de dados aconteceu por meio da análise dos prontuários dos usuários do serviço de odontologia da USF (n = 249). As informações coletadas foram analisadas pelo programa Statistical Package for the Social Sciences. Foram calculadas as distribuições de frequência das variáveis investigadas (sexo, idade, uso e necessidade de prótese). O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Resultados: 19,7% dos indivíduos de ambos os sexos e nas idades estudadas usavam prótese; enquanto 55% apresentavam necessidade de uso de prótese. O uso de prótese foi mais frequente na arcada superior e entre mulheres. A prótese mais utilizada pelas mulheres foi a total superior e parcial removível inferior, enquanto que entre os homens foi a parcial removível em ambas as arcadas. A faixa etária em que mais se observou o uso ou a necessidade de prótese foi de 65 a 74 anos e de 35 a 44 anos, respectivamente. Em todos os grupos etários avaliados, a necessidade de prótese inferior foi maior do que a superior. Conclusão: Esta pesquisa teve como premissa produzir informações para fundamentar estratégias de ações direcionadas para a melhoria da saúde da população estudada por meio da avaliação do uso e necessidade de prótese dentária. O alto percentual de necessidade de prótese encontrado exige a consolidação de uma política pública efetiva de atenção à saúde bucal voltada à reabilitação dentária e que atenda às necessidades da população estudada.

Descritores: Saúde bucal. Prótese dentária. Epidemiologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Barnard Motta

Cirurgiã-dentista, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Alex Vettori Nogueira

Cirurgião-dentista, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Ramona Fernanda Ceriotti Toassi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Departamento de Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde, 2011 [acesso em 2014 jun 3]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0053_M.pdf.
2. Martins AMEBL, Haikal DS, Pereira SM, Barreto SM. Uso de serviços odontológicos por rotina entre idosos brasileiros: Projeto SB Brasil. Cad. saúde pública. 2008; 24(7):1651-66.
3. Moreira RS, Nico LS, Tomita NE, Ruiz T. A saúde bucal do idoso brasileiro: revisão sistemática sobre o quadro epidemiológico e acesso aos serviços de saúde bucal. Cad Saúde Pública. 2005; 21(6):1665-75.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde, 2005 [acesso em 2014 jun 3]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/geral/projeto_sb2010_relatorio_final.pdf.
5. Silva MES, Magalhaes CS, Ferreira EF. Perda dentária e expectativa da reposição protética: estudo qualitativo. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(3):813-20.
6. Barbato PR, Nagano HCM, Zanchet FN, Boing AF, Peres MA. Perdas dentárias e fatores sociais, demográficos e de serviços associados em adultos brasileiros: uma análise dos dados do Estudo Epidemiológico Nacional (Projeto SB Brasil 2002-2003). Cad Saúde Pública. 2007; 23(8):1803-14.
7. Andrade BMS, Seixas ZA. Condição mastigatória de usuários de próteses totais. International journal of dentistry. 2006; 1(2):48-51.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Bucal. Nota técnica: cadastro e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias. Brasília, DF, 2013 [acesso em 2014 jun 3]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/geral/nota_tecnica_LRPD.pdf.
9. Porto Alegre. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenadoria geral de atenção primária, serviços especializados ambulatoriais e substitutivos. Versão Preliminar para avaliação da rede protocolo: atenção em saúde bucal. Porto Alegre, RS, 2012.
10. World Health Organization. Oral health surveys: basic methods. 4ª ed. Geneva: World Health Organization, 1997. 11. Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde. Resolução nº 295/08 – CIB/RS. Porto Alegre, 2008.
12. Colussi CF, Torres SFT, Calvo MCM. Perfil epidemiológico da cárie e do uso e necessidade de prótese na população idosa de Biguaçu, Santa Catarina. Rev Bras Epidemiol. 2004; 7(l):88-97.
13. Mesas AE, Andrade SM, Cabrera MAS. Condições de saúde bucal de idosos de comunidade urbana de Londrina, Paraná. Rev Bras Epidemiol. 2006; 9(4):471-80.
14. Crispim AJ, Saupe R, Boing AF. Perfil epidemiológico do uso e necessidade de prótese e de alterações de tecidos moles bucais em idosos de uma comunidade de Itajaí – SC. Arq Catarin Med. 2009; 38(2):53-7.
15. Koga RS. Uso e necessidade de prótese dentária na população idosa da cidade de Manaus-AM [monografia]. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, Faculdade de Odontologia; 2009.
16. Medeiros JJ, Rodrigues LV, Azevedo AC, Lima-Neto EA, Machado LS, Valença AMG. Edentulismo, uso e necessidade de prótese e fatores associados em município do nordeste brasileiro. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2012; 12(4):573-8.
17. Mallmann FH, Toassi RFC, Abegg C. Perfil epidemiológico do uso e necessidade de prótese dentária em indivíduos de 50-74 anos de idade, residentes em três ‘Distritos Sanitários’ de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, em 2008. Epidemiol Serv Saúde. 2012; 21(1):79-88.
18. Shillingburg Júnior HT. Fundamentos de prótese fixa. São Paulo: Quintessence, 2007.
19. Moimaz SAS, Santos CLV, Pizzatto E, Garbin CAS, Saliba NA. Perfil de utilização de próteses totais em idosos e avaliação da eficácia e de sua higienização. Ciênc Odontol Bras 2004; 7(3):72-8. 20. Barbato PR, Peres MA. Perdas dentárias em adolescentes brasileiros e fatores associados: estudo de base populacional. Rev Saúde Pública. 2009; 43(1):13-25.
21. Caldas Júnior AF, Caldas KU, Oliveira MRM, Amorim, AA, Barros, PMF. O impacto do edentulismo na qualidade de vida de idosos. Ver Ciênc Méd. 2005; 14(3):229-38.
22. Murakami AMU, Moysés SJ, Moysés ST. Eqüidade frente à necessidade de prótese dentária na população de 65 a 74 anos de idade em Curitiba. Epidemiol Serv Saúde. 2007; 16(2):139-41.
23. Costa APS, Machado FCA, Pereira ALBP, Carreiro AFP, Ferreira MAF. Qualidade técnica e satisfação relacionadas às próteses totais. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(2):453-60.

Downloads

Publicado

2016-06-14

Como Citar

Motta, B. B., Nogueira, A. V., & Toassi, R. F. C. (2016). Perfil epidemiológico do uso e necessidade de prótese dentária em usuários de uma Unidade de Saúde da Família de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Arquivos Em Odontologia, 50(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3661

Edição

Seção

Artigos