Análise da prevalência de carcinoma de células escamosas da cavidade bucal no Serviço de Estomatologia do Hospital Metropolitano Odilon Behrens em Belo Horizonte, Minas Gerais

  • Mariane Barbosa Deusdedit Hospital Metropolitano Odilon Behrens
  • Paula Juliene Telles Hospital Metropolitano Odilon Behrens
  • Aline Fernanda Cruz Universidade Federal de Minas Gerais
  • Júlio César Tanos de Lacerda Hospital Metropolitano Odilon Behrens
  • Renata Gonçalves Resende Hospital Metropolitano Odilon Behrens

Resumo

Objetivo: O objetivo desse trabalho foi determinar a prevalência de carcinoma de células escamosas (CCE) em pacientes atendidos no serviço de Estomatologia do Hospital Metropolitano Odilon Behrens (HMOB) de Belo Horizonte (BH) no período de maio de 2012 a maio de 2014. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico transversal, fundamentado na análise retrospectiva e descritiva de prontuários de pacientes atendidos no serviço de Estomatologia do HMOB, com abordagem quantitativa dos dados. Resultados: Foram avaliados 139 prontuários de pacientes diagnosticados com CCE. Quanto à faixa etária dos pacientes diagnosticados, houve maior prevalência em torno da 5ª e 6ª década de vida. Em relação ao gênero, o sexo masculino foi o mais atingido em todas as faixas etárias. Com relação aos principais fatores de risco, 60 pacientes (75,94%) relataram ser tabagistas e etilistas. Quanto à classificação dos pacientes em relação ao consumo diário de tabaco, 33 (50%) foram considerados tabagista grave (mais de 20 cigarros/dia). Em relação ao tamanho das lesões, uma larga parcela dos pacientes (48,51%) diagnosticados com CCE de cavidade bucal, apresentaram lesão medindo de 30 a 60 mm. Na distribuição dos pacientes segundo a localização anatômica e sexo, a língua foi o sítio mais acometido (32,82%), seguido do assoalho bucal (29,95%), em ambos os gêneros. Conclusão: Este estudo mostrou, de forma pioneira, o perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com câncer da cavidade bucal no Serviço de Estomatologia do HMOB, referência na região de Belo Horizonte. Percebe-se que houve uma preponderância de pacientes do sexo masculino, faixa etária acima dos 50 anos e que faz uso frequente de tabaco e\ou álcool.

Descritores: Neoplasias bucais. Carcinoma de células escamosas. Epidemiologia. Perfil de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane Barbosa Deusdedit, Hospital Metropolitano Odilon Behrens
Cirurgiã dentista voluntária no serviço de Estomatologia do Hospital Metropolitano Odilon Behrens, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Paula Juliene Telles, Hospital Metropolitano Odilon Behrens
Cirurgiã dentista voluntária no serviço de Estomatologia do Hospital Metropolitano Odilon Behrens, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Aline Fernanda Cruz, Universidade Federal de Minas Gerais
Mestranda em Odontologia na área de Estomatologia na Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Júlio César Tanos de Lacerda, Hospital Metropolitano Odilon Behrens

Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Metropolitano Odilon Behrens e Mestre em Estomatologia, Belo Horizonte,
Minas Gerais, Brasil

Renata Gonçalves Resende, Hospital Metropolitano Odilon Behrens

Especialista e Mestre em Patologia Bucal, Doutora em Medicina Molecular, Estomatologista do Hospital Metropolitano Odilon Behrens, Belo
Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Referências

1. Montoro JRMC, Hicz HÁ, Souza L, Livingstone D, Melo DH, Tiveron RC et al. Fatores prognósticos no carcinoma espinocelular de cavidade oral. Rev Bras Otorrinolaringol. 2008; 74(6):861-6.
2. Biazevic MGH, Augusto CR, Antunes, JLF, Michel-Crosato E. Tendências de mortalidade por câncer de boca e orofaringe no municipio de Sao Paulo, Brasil, 1980/2002. Cad Saúde Pública. 2006; 22(10):2105-14.
3. Losi-Guembarovski R, Menezes RP, Poliseli F, Chaves VN, Kausni H, Leichsiming A et al. Oral carcinoma epidemiology in Paraná State, Southern Brazil. Cad Saúde Pública. 2009; 25(2):393-400.
4. Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Belo Horizonte do Sul: INCA; 2014. [Acesso em 2014
abr 12]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/ estimativa/2014.
5. Syrjanen, S. Human papillomavirus (HPV) in head and neck cancer. J Clin Virol. 2005; 32 Suppl. 1, p. S59-66.
6. Boing AF, Peres MA, Antunes JL. Mortality from oral and pharyngeal cancer in Brazil: trends and regional patterns, 1979-2002. Rev Panamá Salud Pública. 2006; 20(1):1-8.
7. Genden EM, Ferlito A, Silver CE, Takes RP, Suárez C, Owen RP et al. Contemporary management of cancer of the oral cavity. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2010; 267(7):1001–17.
8. Neville BW. Patologia oral e maxillofacial. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2009. 972 p.
9. Durazzo MD, Bonfante GMS, Machado CJ, Souza PEA, Andrade ELG, Acurcio FA et al. Clinical and epidemiological features of oral cancer in a medical school teaching hospital from 1994 to 2002: increasing incidence in women, predominance of advanced local disease, and low incidence of neck metastases. Clinics. 2005; 60(4):293-8.
10. Carli ML, Santos SL, Pereira AAC, Hanemann JAC. Características clínicas, epidemiológicas e microscópicas do câncer bucal diagnosticado
na Universidade Federal de Alfenas. Rev Bras Cancerol. 2009; 55(3):205 11.
11. Carvalho MB, Lenzi J, Lehn CN, Fava AS, Amar A, Kanda JL et al. Características clínicoepidemiológicas do carcinoma epidermóide de cavidade oral no sexo feminino. Rev Assoc Med Bras. 2001; 47(3):208-14.
12. Daher GCA, Pereira GA, Oliveira ACDA. Características epidemiológicas de casos de câncer de boca registrados em hospital deUberaba no período 1999- 2003. Rev Bras Epidemiol.
2008; 11(4):584-96.
13. Pulino BFB, Pulino BFB, Santos JFM, Pastore GP, Radaic P, Camargo Filho GPC et al. Oral cancer: potentially malignant lesions and statistics of diagnosed cases in the municipality of Santo André-SP. J Health Sci Inst. 2011; 29(4):231-4.
14. Gilyoma JM, Rambau PF, Masalu M, Kayange NM, Chalya PL. Head and neck cancers: a clinico-pathological profile and management challenges in a resource-limited setting. BMC Res Notes. 2015; 8:772.
15. Fan CY. Epigenetic alterations in head and neck cancer: prevalence, clinical signifiance, and implications. Curr Oncol Rep. 2004;6(2):152–61.
16. Melo LC, Silva MC, Bernardo JMP, Marques EB, Leite ICG. Perfil epidemiológico de casos incidentes de câncer de boca e faringe. Rev Gauch Odontol. 2010; 58(3):351-55.
17. Andreotti M, Rodrigues NA, Cardoso LMN, Figueiredo RAO, Eluf-Neto J, Wünsch-Filho V. Ocupação e câncer da cavidade oral e orofaringe.
Cad Saúde Pública. 2006; 22(3):543-52.
18. Nakayama, A, Ogawa A, Fukuta Y, Kudo K. Relation between lymphatic vessel diameter and clinicopathologic parameters in squamous cell carcinomas of the oral region. Cancer. 1999; 86(2):200-6.
19. Teixeira AKM, Almeida MEL, Holanda ME, Sousa FB, Almeida PC. Carcinoma espinocelular da cavidade bucal: um estudo epidemiológico na
Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza. Rev Bras Cancerol. 2009;55(3):229-36.
20. Santos LCO, Batista OM, Cangussu MCT. Characterization of oral cancer diagnostic delay in the state of Alagoas. Braz J Otorhinolaryngol.
2010; 76(4):416-22.
21. Tinoco JA, Silva AF, Oliveira CAB, Rapoport A, Fava AS, Souza RP. Correlação da infecção viral pelo papilomavírus humano com as lesões papilomatosas e o carcinoma epidermóide na boca e orofaringe. Rev Assoc Med Bras. 2004; 50(3):44-9.
22. Dedivitis RA, França CM, Mafra ACB, Guimarães FT, Guimarães AV. Características clínicoepidemiológicas no carcinoma espinocelular
de boca e faringe. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70(1): 35-40.
23. Maciel SSSV, Maciel WV, Silva RB, Sobral LV, Souza IRS, Siqueira MJ. Morbimortalidade por cânceres da boca e faringe em capitais brasileiras. Rev Assoc Med Rio Gd do Sul. 2012; 56(1):38-45.
24. Brener S, Jeunon FA, Barbosa AA, Grandinetti HAM. Carcinoma de células escamosas bucal: uma revisão de literatura entre o perfil do paciente, estadiamento clínico e tratamento proposto. Rev Bras Cancerol. 2007; 53(1):63-69.
25. Adeyemi BF, Adekunle LV, Kolude BM, Akang EEU, Lawoyin JO. Head and neck cancer—a clinicopathological study in a tertiary care centre.
J Natl Med Assoc. 2008; 100(6):690-7.
Publicado
2017-08-18
Como Citar
Deusdedit, M. B., Telles, P. J., Cruz, A. F., Lacerda, J. C. T. de, & Resende, R. G. (2017). Análise da prevalência de carcinoma de células escamosas da cavidade bucal no Serviço de Estomatologia do Hospital Metropolitano Odilon Behrens em Belo Horizonte, Minas Gerais. Arquivos Em Odontologia, 52(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3714
Seção
Artigos