CONSTITUTIVE PRACTICES OF INQUIRY PLANNED BY STUDENTS IN SCIENCE LESSON: ANALYSIS OF AN EXAMPLE

PRÁTICAS CONSTITUINTES DE INVESTIGAÇÃO PLANEJADA POR ESTUDANTES EM AULA DE CIÊNCIAS: ANÁLISE DE UMA SITUAÇÃO

Autores

  • Lucia Helena Sasseron Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.1590/1983-21172021230101

Palavras-chave:

Ensino por investigação; Práticas epistêmicas; Ensino Fundamental.

Resumo

Nos últimos anos muito se tem discutido sobre o ensino de ciências como prática que possibilite relação com as dimensões conceitual, social, material e epistêmica do conhecimento. Neste estudo de caso, com análise qualitativa, estudamos uma situação de ensino em atividade eletiva em que estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental, sob a supervisão de monitores com formação em diferentes áreas das ciências, se envolvem no planejamento de investigação. A partir do estudo, identificamos elementos constituintes da investigação e como eles se relacionam aos objetos epistêmicos e às condições experimentais. Entendemos que os resultados apresentados podem contribuir para a pesquisa em Educação em Ciências por expor um modo de análise de situações de investigação em que práticas epistêmicas são realizadas pelos estudantes.

In recent years, much has been discussed about the teaching of science as a practice allowing relations among conceptual, social, material and epistemic dimensions of knowledge. In this case study, with qualitative analysis, we analyzed a teaching situation in elective activity in which Elementary School students, under the supervision of monitors trained in different areas of science, get involved in an inquiry planning. From the study, we identified constituent elements of the investigation and how they relate to epistemic objects and experimental conditions. The results presented in this paper can contribute to Science Education research area by exposing a way of analyzing research situations in which epistemic practices are performed by students.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Helena Sasseron, Universidade de São Paulo (USP)

           

Referências

Abd-El-Khalick, F., Boujaoude, S., Duschl, R., Lederman, N., Mamlok-Naaman, R., Hofstein, A., Niaz, M., Treagust, D., & Tuan, H. (2004). Inquiry in Science Education: International perspectives. Science Education, 88(3), p. 397 - 419. DOI: 10.1002/sce.10118.

Brasil (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

Carvalho, A. M. P. (2018). Fundamentos Teóricos e Metodológicos do Ensino por Investigação. Revista Brasileira de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(3), 765-794. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183765.

Carvalho, A. M. P., Barros, M. A., Gonçalves, M. E. R., Rey, R. C., & Vannucchi, A I. (1998). Ciências no Ensino Fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione.

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.

Chinn, C., & Malhotra, B. (2002). Epistemologically Authentic Inquiry in Schools: A Theoretical Framework for Evaluating Inquiry Tasks, Science Education, 86(2), p. 175-218.

Duschl, R. A., & Grandy, R. E. (Eds.) (2008). Teaching scientific inquiry: recommendations for research and implementation. Roterdam: Sense Publishers.

Duschl, R. A. (2008). Science education in three-part harmony: balancing conceptual, epistemic and social learning goals. Review of Research in Education, 32(1), p. 268-291.

Erickson, F. (1998). Qualitative Research Methods for Science Education, In: Fraser, B.J & Tobin, K. G. (Orgs), International Handbook of Science Education. (pp. 1155-1173) London: Kluwer Academic Publishers.

Ferraz, A.T., & Sasseron, L.H. (2017). Propósitos epistêmicos para a promoção da argumentação em aulas investigativas. Investigações em Ensino de Ciências (Online), 22(1), p. 42-60.

Franco, L.G., & Munford, D.. (2020). O Ensino de Ciências por Investigação em Construção: Possibilidades de Articulações entre os Domínios Conceitual, Epistêmico e Social do Conhecimento Científico em Sala de Aula. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 687-719. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u687719

Jiménez-Aleixandre, M. P., & Crujeiras, B. (2017). Epistemic Practices and Scientific Practices in Science Education. In Taber, K., & Akpan, B. (Eds). Science Education: An International Course Companion (p.69-80). Rotterdam: SensePublishers. DOI:10.1007/978-94-6300-749-8_5.

Kelly, G.J., & Duschl, R.A. (2002) Toward a research agenda for epistemological studies in science education. In: Annual Meeting of the National Association for Research in Science Teaching, Nova Orleans, Louisiana, EUA.

Kelly, G. J., & Licona, P. (2018). Epistemic Practices and Science Education. In: Matthews M. (ed). History, Philosophy and Science Teaching (p. 139-165). Springer, Cham. DOI https://doi.org/10.1007/978-3-319-62616-1

Kelly, G. J. (2008). Inquiry, activity and epistemic practice. In Duschl, R. A., & Grandy, R. E. (Eds.), Teaching Scientific Inquiry: recommendations for research and implementation (p. 288-291). Rotterdam, Holand: Taipei Sense Publishers.

Knorr-Cetina, K. (1999). Epistemic cultures: How the sciences make knowledge. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. Perspectiva, 14(1), p. 85-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000100010

Latour, B., & Woolgar, S., (1986). Laboratory Life. The Construction of Scientific Facts. Princeton: Princeton University Press.

Lehrer, R., & Schauble, L. (2006). Cultivating Model-Based Reasoning in Science Education. In R. K. Sawyer (Ed.), The Cambridge Handbook of the Learning Sciences (p. 371–387). Cambridge University Press.

Lidar, M., Lundqvist, E., & Östman, L. (2006). Teaching and learning in the Science classroom: The interplay between teachers’ epistemological moves and students’ practical epistemology. Science Education, 90(1), 148-163. DOI: 10.1002/sce.20092

Longino, H. E. (1990). Science as social knowledge: Values and objectivity in science inquiry. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Longino, H. E. (2002). The fate of knowledge. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Lüdke, M. & André, M. E.D.A. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. Temas Básicos de Educação e Ensino. São Paulo: EPU.

Manzoni-de-Almeida, D., Marzin-Janvier, P., & Trivelato, S.L.F. (2016). Análise das práticas epistêmicas nos relatórios de grupos de alunos do curso superior durante a execução de uma atividade investigativa de imunologia. Investigações em Ensino de Ciências (Online), 21(2), p. 105-120. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n2p105

Pickering, A. (1995). The mangle of practice: Time, agency and science. University of Chicago Press, Chicago.

Rheinberger, H.J. (1997). Toward a History of Epistemic Things. Synthesizing Proteins in the Test Tube. Stanford University Press, Stanford.

Sasseron, L. H. & Duschl, R. A. (2016). Ensino de ciências e as Práticas epistêmicas: o papel do professor e o engajamento dos estudantes. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), p. 52-67.

Sasseron, L.H. (2015). Alfabetização Científica, Ensino por Investigação e Argumentação: relações entre Ciências da Natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 17(spe), 49-67. http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201517s04

Silva, M., Gerolin, E., & Trivelato, S. (2018). A Importância da Autonomia dos Estudantes para a Ocorrência de Práticas Epistêmicas no Ensino por Investigação. Revista Brasileira de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(3), 905-933. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183905

Silva, J. C. & Silva, A.C.T. (2019). A dimensão epistêmica do discurso de um professor de Química no ensino de propriedades coligativas. Revista Electrónica de Investigación en Educación em Ciencias, v. 14, p. 14-29.

Silva, A. C. T. (2015) Interações discursivas e práticas epistêmicas em salas de aula de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17, número especial, p. 69-96.

Silva, A.C.T. & Mortimer, E.F. (2009). Aspectos epistêmicos das estratégias enunciativas em uma sala de aula de química. Química Nova na Escola (Impresso), v. 31, p. 104-112,

Stroupe, D. (2014). Examining Classroom Science Practice Communities: How Teachers and Students Negotiate Epistemic Agency and Learn Science-as-Practice. Science Education, 98(3), p. 487-516.

Welch, W.W., Klopfer, L.E., Aikenhead, G.S. & Robinson, J.T. (1981). The role of inquiry in science education: Analysis and recommendation, Science Education, 65(1), p. 33-50. https://doi.org/10.1002/sce.3730650106

Windschitl, M., Thompson, J., & Braaten, M. (2008). Beyond the scientific method: Model based inquiry as a new paradigm of preference for school science investigations. Science Education, 92(5), p. 941-967.

Downloads

Publicado

2021-02-04 — Atualizado em 2021-04-06

Edição

Seção

RELATOS DE PESQUISAS / RESEARCH REPORTS