Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • Declaro que a contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outra revista; caso contrário, deve-se justificar em "Comentários ao editor".
  • Os arquivos para submissão estão em formato Microsoft Word ou RTF (desde que não ultrapassem 2MB)
  • O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em Diretrizes para Autores, e foi escrito utilizando o template do periodico: TEMPLATE
  • Estou ciente que devo anexar uma declaração sobre a responsabilidade pelo conteúdo desta submissão, com informações sobre a contribuição de cada autor na produção do manuscrito, incluindo se há conflito de interesses. Um modelo desta declaração pode ser encontrado no link a seguir:
    LINK
  • Estou ciente que devo anexar também documento comprobatório da aprovação de comitê de ética correspondente no caso de pesquisa com seres humanos.
  • Declaro ainda que li e fiz o download do documento do Formulário de Conformidade Ciência Aberta, disponível no link a seguir:
    LINK
    O documento deve ser preenchido e enviado junto à submissão do artigo.
  • Itens a serem considerados para análise de Trabalhos Empíricos:

    1.     Conteúdo/tema abordado

    (O título do artigo retrata adequadamente o conteúdo/tema abordado? O conteúdo/tema abordado é relevante em termos da pesquisa na área e está bem justificado? As questões de pesquisa estão claramente formuladas? O referencial teórico é pertinente ao conteúdo/tema abordado e às questões de pesquisa?)

    2.   Design /Métodos

    (A metodologia, procedimentos e organização são apropriados? As figuras, tabelas, gráficos são pertinentes às argumentações apresentadas?  A metodologia apresentada é coerente com o referencial teórico e com as questões de pesquisa?)

    3.Resultados e análise de dados:

    (A análise tem por base a fundamentação teórica apresentada? Na análise são apresentadas evidências suficientes para dar suporte aos resultados ?)

    4. Conclusões e implicações:

    (As conclusões  estão bem ancoradas nos resultados apresentados? Respondem adequadamente às questões propostas? Incluem recomendações para a área? As conclusões são comparadas com as de outros trabalhos no mesmo domínio, disponíveis na literatura?)

    5.Formatação

    (O resumo apresenta informações claras e concisas? O artigo apresenta uma linguagem adequada? As figuras, tabelas, gráficos apresentam qualidade satisfatória para a publicação? A bibliografia é pertinente? O artigo pode ser reduzido significativamente sem perda de clareza)

     

    Itens a serem considerados para análise de Trabalhos Teóricos:

    1. Conteúdo/tema abordado 

    (O título é adequado ao trabalho realizado? A área de interesse do artigo está claramente descrita e fundamentada nos trabalhos relevantes da literatura?)

    2. Referenciais teóricos:

    (O problema teórico abordado é relevante para a pesquisa em Educação em Ciências e está claramente formulado? A fundamentação teórica é adequada para abordar o problema?)

    3. Discussão e argumentação:

    (O argumento teórico desenvolvido é claro e consistente?)

    4. Conclusões e implicações:

    (As conclusões estão bem ancoradas na discussão apresentada? As conclusões incluem recomendações para a área? As conclusões são comparadas com as de outros trabalhos no mesmo domínio, disponíveis na literatura?)

    5.Formatação

    (O resumo apresenta informações claras e concisas? O artigo apresenta uma linguagem adequada? As figuras, tabelas, gráficos apresentam qualidade satisfatória para a publicação? A bibliografia é pertinente? O artigo pode ser reduzido significativamente sem perda de clareza?)

Diretrizes para Autores

Escopo e política

 

O periódico  Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências publica artigos de pesquisa inéditos (relatos de pesquisa empírica ou teórica), artigos de revisão e de pesquisa de estado da arte relacionados a temas de interesse ao campo da pesquisa em Educação em Ciências. O periódico busca atender a critérios de rigor acadêmico e relevância social e educacional.

Política da seção

Os trabalhos submetidos à publicação devem ser inéditos e não podem estar sendo analisados em outro veículo (livro ou periódico). Comunicações feitas em congressos podem ser submetidas desde que revistos e ampliados, evitando repetições de trabalhos publicados em anais de eventos ou com similaridade significativa com tais trabalhos.

A Ensaio publica artigos nas línguas portuguesa, espanhola ou inglesa. Além disso, artigos poderão ser publicados em dois ou três desses idiomas.

Os autores são responsáveis pela originalidade e a veracidade do conteúdo apresentado nos trabalhos.  

O periódico provê acesso aberto ao conteúdo das publicações. A formalização do acesso aberto ao periódico e seus documentos é realizada por meio da especificação de uma atribuição de acesso do sistema Creative Commons (CC) que promove o reuso e distribuição dos artigos indexados nos volumes.

Atualmente, o periódico adota a política de avaliação por pares duplamente cega. Isto é, pareceristas desconhecem a identidade dos autores e os autores desconhecem a identidade dos pareceristas. Os pareceristas são pesquisadores com título de doutor e experiência na publicação em periódicos indexados.

A partir de 2020, em consonância com práticas de comunicação da ciência aberta, o periódico adotará políticas editoriais envolvendo: i) a aceitação de preprints, ii) disponibilização de materiais suplementares da pesquisa e iii) abertura do processo de peer review. Este processo será implementado de modo gradativo entre 2020 e 2023. Desse modo, o periódico busca maximizar a transparência dos processos de produção do conhecimento, bem como proporcionar o compartilhamento e reuso dos dados e outros conteúdos das pesquisas subjacentes aos textos dos artigos. Detalhes sobre este processo podem ser consultadas na nesta página, na seção “Diretrizes do processo de arbitragem aberta”. Cabe ressaltar que artigos preprints passarão pela avaliação por pares cega (e não duplamente cega).

A avaliação do manuscrito passa por um processo de pré-análise que envolve: i) análise de plágio; ii) análise da adequação do texto quanto às normas do periódico.

Caso o editor correspondente identifique problemas na fase de pré-análise, o manuscrito é encaminhado ao editor-chefe que toma uma decisão sobre a rejeição ou tramitação do trabalho. Nos casos em que um artigo é rejeitado, mas a editoria observa potencial para uma publicação futura, os autores são incentivados a ressubmeter o manuscrito. O editor-chefe explicita os elementos necessários para que o manuscrito se torne se torne elegível para novo processo de avaliação.

Se não há problemas encontrados na pré-análise, o manuscrito é encaminhado a um editor adjunto que seleciona dois árbitros para a avaliação. Após a avaliação, a editoria encaminha aos autores um parecer final com a decisão. Caso os pareceres sejam discordantes, um terceiro parecerista pode ser convidado para avaliação do manuscrito.

Público Alvo

Nosso público alvo é composto por pesquisadores, pesquisadoras e pesquisadorus; estudantes de pós-graduação e graduação; professores, professoras e professorus de todos os níveis de ensino (da educação infantil ao ensino superior), das áreas de educação e ensino das Ciências da Natureza e suas Tecnologias (biologia, física, química, geociências e astronomia), da educação em saúde, ambiental, intercultural e do campo, da comunicação e da divulgação das ciências e de áreas afins (filosofia, sociologia, psicologia, comunicação e outros) que atuam em interfaces com a educação em ciências.

Política de obediência e promoção da ética na comunicação científica do periódico

A revista Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências segue recomendações de padrões de ética, transparência e responsabilidade na comunicação científica compartilhadas por instituições nacionais e internacionais (e. g. Associação Brasileira de Editores Científicos, Center for Open Science, Committee on Publication Ethics, Council of Science Editors, Equator Network, Scientific Electronic Library Online).

A política adotada pelo periódico tem como objetivo promover a responsabilidade e integridade na publicação dos artigos científicos considerando todos os sujeitos envolvidos no processo.

A seguir destacamos todas as ações implementadas pelo periódico, considerando os princípios éticos que regem as pesquisas científicas.

  1. Cumprimento de todos os aspectos formais relacionados aos processos de submissão, designação e tramitação de manuscritos.
  2. A editoria-chefe acompanha todo esse processo editorial, com especial atenção aos seguintes aspectos:
    a) As relações entre o periódico e os diferentes agentes envolvidos na comunicação científica (autores, pareceristas, leitores, indexadores, agências de fomento, a comunidade científica e o público geral).
    b) Garantia da qualidade da revisão por pares de um manuscrito, tendo em vista os parâmetros: imparcialidade, transparência, prazo, e­ficácia e civilidade.
    c) Orientação das práticas da revista a partir de diretrizes e documentos dos Publishers do periódico, sem prejuízo à independência editorial.
  3. A equipe de editores é orientada pela imparcialidade, integridade e confidencialidade na condução dos processos de tramitação, avaliação e decisão, com prioridade às críticas construtivas e o cumprimento dos prazos estabelecidos pelo periódico.
    a) O editor-chefe supervisiona todas as dúvidas e questionamentos dos autores quanto aos aspectos éticos por meio do contato com editor correspondente e/ou com os pareceristas.
    b) Os autores podem contestar as decisões editoriais, por meio de uma carta réplica na qual explicitem por quais motivos o manuscrito deve passar por uma nova avaliação.
    c) Nesses casos, o editor-chefe analisa os argumentos do autor e avalia se a decisão foi explicitada ao autor de forma clara e bem justificada, de modo a verificar se os pareceres não foram emitidos com base em informações equivocadas ou questionáveis.
    d) O editor-chefe pode reconsiderar manuscritos rejeitados quando identificar boas razões fornecidas pelo autor e problemas na avaliação do manuscrito.
    e) Nos casos em que um artigo é rejeitado, sem contestação dos autores, mas a editoria observação potencial para uma publicação futura, os autores são incentivados a ressubmeter o manuscrito, reelaborando-o para conter os elementos necessários para se tornar elegível em novo processo de avaliação.
    f) Decisões sobre manuscritos incluem diligência relacionada à má conduta científica. O periódico entende má conduta como “la intención de hacer que otros consideren como verdad lo que no es” (The COPE Report, 1999, p. 46)*. Esta definição ampla inclui as práticas de fabricação, falsi­ficação ou pirataria/plágio ao propor, executar, revisar ou divulgar resultados de uma pesquisa.
    (i) Fabricação de dados se refere à produção de dados ou resultados, além de seu registro ou relato.
    (ii) Falsi­ficação se refere à manipulação de materiais, equipamentos ou processos de pesquisa, alteração ou omissão de dados ou resultados, de forma que a pesquisa não seja representada com precisão em seu registro.
    (iii) Pirataria se refere à reprodução não autorizada ou o uso de ideias, dados ou métodos de terceiros sem permissão ou reconhecimento adequado. O plágio é uma forma de pirataria que se refere à apropriação de ideias, processos, resultados ou palavras de outra pessoa sem o devido crédito. O plágio geralmente envolve o uso de materiais de outros, mas pode se aplicar à duplicação de resultados previamente publicados pelos próprios pesquisadores (conhecido como autoplágio ou publicação em duplicado).
    (iv) A má conduta em pesquisa não corresponde a erros honestos ou diferenças de opinião entre autores**.

* https://publicationethics.org/files/u7141/1999pdf13.pdf

** Office of Research Integrity (ORI): https://ori.hhs.gov/definition-misconduct

  1. Para o monitoramento da má conduta em pesquisa, o periódico se orienta a partir das seguintes práticas:

    a) O processo de submissão de manuscritos ao periódico demanda dos autores: i) uma declaração de que aceitam, de modo comprovado, a responsabilidade pelo conteúdo do manuscrito; ii) o registro da contribuição de cada autor na produção do manuscrito, incluindo se há conflito de interesses*; iii) dados comprobatórios de que a pesquisa com seres humanos, na qual o manuscrito se baseia foi aprovada por Comitê de Ética em Pesquisa e iv) o preenchimento de um Formulário Ciência Aberta.
    * Conflitos de interesse são entendidos como condições nas quais uma pessoa envolvida no processo editorial de um manuscrito detém interesses conflitantes ou concorrentes que poderiam influenciar nas decisões editoriais. Considerações pessoais, políticas, ­financeiras, acadêmicas ou religiosas podem afetar a objetividade na avaliação dos manuscritos (The COPE Report, 1999).
    * https://publicationethics.org/files/u7141/1999pdf13.pdf

    b) Com relação à declaração de contribuição dos autores, o periódico indica como critérios básicos para consideração de autoria:
    (i) Participação na a concepção ou análise/interpretação dos dados, ou ambos;(ii) Redação do manuscrito ou sua revisão, quando inclua crítica intelectual importante de seu conteúdo;
    (iii) Aprovação final da versão a ser publicada.
    (iv) Os elementos (i, ii e iii) devem ser atribuíveis a pelo menos um autor.
    (v) A participação na coleta de dados não justifica autoria.
    (vi) Cada autor deve ter participado suficientemente da pesquisa de modo que possa assumir publicamente a responsabilidade pelo conteúdo do artigo.
    (vii) Em um trabalho de grupo a autoria deve especificar: pessoas-chave responsáveis pelo artigo; colaboradores devem ser reconhecidos separadamente.
    (viii) Uma pessoa pode contactar o periódico alegando não estar incluído como autor de um manuscrito submetido, apesar de ter atendido aos critérios de autoria. Nesse caso, o editor-chefe consulta o autor correspondente quanto à reivindicação. O periódico pode encaminhar a reivindicação à(s) instituição(ões) onde o trabalho foi realizado visando obter informações para fazer um julgamento sobre a alegação.
    (ix) O CRediT (The Contributor Roles Taxonomy) considera 14 diferentes papéis de autoria ou contribuição: Administração do Projeto, Análise Formal, Conceituação, Curadoria de Dados, Escrita – Primeira versão, Revisão e Edição, Investigação, Metodologia, Obtenção de Financiamento, Recursos, Software, Supervisão, Validação e Visualização. O autor(a) correspondente poderá utilizar esses papéis, no formulário específico, para definir as contribuições de cada autor na escrita do manuscrito. Detalhes sobre cada um desses papéis podem ser consultados em: https://casrai.org/credit/

    c) Com relação aos conflitos de interesse:
    (i) Devem ser comunicados não apenas pelos autores, mas por todos os envolvidos no processo editorial de um manuscrito.
    (ii) Os editores devem evitar tomar decisões sobre manuscritos que conflitam com seus próprios interesses, tais como os submetidos por autores de seu departamento ou colaboradores de pesquisa.
    (iii) Considerando a possibilidade de conflitos de interesse, o periódico não publica artigos de autoria dos próprios editores da revista.
    (iv) Se os editores adjuntos tiverem um conflito de interesse, devem delegar a tomada de decisão para outros editores.
    (v) Pareceristas devem considerar qualquer tipo de conflito de interesse antes de avaliar o manuscrito. Relações de trabalho com o autor devem ser consideradas (e.g. participar ou ter participado de projeto de pesquisa; manter ou ter mantido colaboração científica com grupos de pesquisa; ter relação de orientação com o autor; ter interesse financeiro com o projeto envolvido no manuscrito).

    d) Com relação ao Formulário Ciência Aberta, os autores devem fornecer dados sobre:
    (i) se o manuscrito é um preprint e, em caso positivo, sua localização;
    (ii) se dados, códigos de programas e outros materiais subjacentes ao texto do manuscrito estão devidamente citados e referenciados; e,
    (iii) se aceitam opções de abertura no processo de avaliação por pares.

    e) A revista adota um processo de pré-análise, que, dentre outros aspectos, verifica: i) indícios de plágio e ii) indícios de manipulação de citação.
    (i) Identificação de plágio ocorre em duas etapas: primeiramente, por meio de software anti-plágio, seguido de uma análise qualitativa do manuscrito relacionado à forma e ao conteúdo do texto. No caso de dúvida ou questionamento quanto ao plágio, o editor-chefe contacta o autor correspondente e, se necessário, todos os autores. Comprovado o plágio, as instituições de afiliação dos autores ou agências de financiamento envolvidas no desenvolvimento da pesquisa são comunicadas.
    (ii) Ainda durante a pré-análise, e durante o processo de tramitação, os editores observam indícios de manipulação de citação, isto é, práticas com o objetivo de aumentar o número de determinadas citações no manuscrito. Se identificado o excesso de autocitação de autores e/ou do periódico, os editores contactam o autor correspondente e, quando necessário, todos os autores para esclarecimentos para apoiar a tomada de decisão.
    (iii) A revista repudia práticas como troca de citações entre colegas de grupos de pesquisa e sugestões de pareceristas para que autores citem seus artigos (coerção).
    (iv) No caso de dúvida na inclusão de citações e respectivas referências, a editoria verifica ou solicita o envio do documento citado. O editor-chefe deve contactar o autor correspondente e, se necessário, todos os autores em casos de dúvida ou questionamento.

    5. Para as diligências relacionadas à identificação de má conduta em pesquisa ou denúncias, o periódico se orienta a partir das seguintes práticas:
    a) Os editores buscam identificar e reportar possíveis falhas no cumprimento das normas legais ou éticas que orientam a política editorial do periódico.
    b) Comunicações de suspeita de má conduta em pesquisa podem ser realizados via e-mail oficial do periódico por diferentes atores (editores, pareceristas, autores, coautores, representantes de agência de fomento, leitores ou terceiros).
    c) Suspeitas de má conduta em pesquisa reportada em um manuscrito são diligenciadas pelo editor-chefe, que aciona os atores envolvidos no caso, a fim de tomar uma decisão.
    d) Em casos de suspeita envolvendo manuscritos em avaliação, o editor-chefe suspende o processo de avaliação e noti­fica os participantes sobre a suspensão. Há revisão das acusações em âmbito interno ao conselho editorial para decidir se a alegação deve prosseguir.
    e) Caso a alegação não seja considerada válida, o editor-chefe notifica o(s) autor(es), bem como outros participantes envolvidos (e.g. editores correspondentes, pareceristas, denunciante) e retoma o processo de avaliação.
    f) Caso a alegação seja considerada válida, o editor-chefe notifica o(s) autor(es) e solicita esclarecimentos.
    g) Este processo é tratado de modo cuidadoso pelo editor-chefe, utilizando uma linguagem não acusatória, porém clara, considerando as consequências que podem gerar na carreira de um autor.
    h) Os esclarecimentos dos autores podem ocorrer por meio da apresentação de dados comprobatórios da metodologia e dos resultados ou documentação pertinente (e.g. para o caso de acusação de fabricação/falsificação de dados), ou de texto argumentativo como resposta à acusação (e.g. para o caso de acusação de plágio). Outros tipos de esclarecimentos podem existir, dependendo da natureza da acusação.
    i) Se os esclarecimentos do(s) autor(es) não forem satisfatórios, o editor-chefe noti­fica o(s) autor(es) e decide sobre o encerramento do processo de avaliação do manuscrito.
    j) O editor-chefe consulta o conselho editorial para tomar uma decisão sobre a rejeição do manuscrito e a notificação da instituição de afiliação do(s) autor(es) e agências de financiamento da pesquisa. Esse processo é realizado de modo cuidadoso, considerando o impacto que a noti­ficação pode ter sobre a carreira do acusado.
    k) Em casos de contestação da decisão do periódico relacionada à má conduta em pesquisa, tanto por parte do acusado como por parte do denunciante, constitui-se um comitê de membros do corpo editorial e externos ao periódico para análise.
    l) No caso de má conduta identificada em artigo já publicado, o texto é mantido e permanece indexado nas bases do periódico na condição de retratado.
    m) Uma retratação indica o motivo da retratação, por meio de comunicação do autor ou editor ou outro agente autorizado, e é publicada pelo periódico.
    n) A retratação pode ser parcial no caso de a má conduta aplicada a uma parte específica do artigo, caso não haja comprometimento do conjunto da pesquisa publicada.
    o) Erros, independente da natureza ou da origem, que não configuram má conduta, são corrigidos por meio de errata.
    p) O periódico publica o mais rápido possível as erratas ou retratações.

Procedimentos de arbitragem (peer review)

1. Recebimento da submissão

a) Os editores assistentes do periódico fazem uma conferência dos aspectos formais do texto (resumo e abstract; seções; citações e referências; tabelas, gráficos e imagens, etc.). No caso de avaliação do tipo duplo-cego, verificam, ainda, se ele não apresenta quaisquer dados e/ou metadados que permitam a identificação dos autores durante a avaliação como: nome e filiação institucional; nomes de projetos e coordenadores de projetos; referências e citações dos autores, inclusive na lista de referências, local, título ou local de defesa de mestrado ou doutorado, agradecimentos, financiamentos etc. a originalidade do texto e se ele não faz referências, diretas ou indiretas, aos autores. Além da checagem desses aspectos textuais, os editores verificam também o depósito dos seguintes documentos no sistema: i) documento comprobatório da aprovação de comitê de ética correspondente no caso de pesquisa com seres humanos; ii) declaração sobre a contribuição de cada autor na produção do manuscrito, incluindo se há conflito de interesses. No caso de erros ou problemas, os autores são contactados e nova submissão deverá ser realizada.

b) Os artigos passam por uma análise preliminar de sua forma e são recusados os artigos que:
i) não tenham sido submetidos a uma revisão ortográfica anterior, apresentando excessivos erros de redação e/ou construção textual;
ii) não sejam redigidos de forma clara, bem estruturada e articulada;
iii) não possuam a forma de artigo científico da área de Educação em Ciências;
iv) não siga os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos na seção Forma e Preparação do Manuscrito;
v) um dos autores tenha publicado na Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências em período inferior a um ano.

c) Os artigos passam por uma análise preliminar de seu desenvolvimento e são rejeitados artigos que:
i) não sejam textos originais;
ii) não abordem uma problemática central da área da educação em ciências (ou áreas do escopo da revista);
iii) sejam meramente descritivos, sem desenvolver uma análise teórica da questão abordada;
iv) não apresentem contribuições relevantes para a análise da temática abordada;
v) não apresentem elementos empíricos ou argumentações suficientemente desenvolvidas que fundamentem as suas conclusões;
vi) não apresentem detalhamento e aprofundamento de aspectos teórico-metodológicos ou metodológicos;
vii) sejam relatos de experiência;
viii) sejam revisão bibliográfica;
ix) sejam um recorte descontextualizado de uma dissertação ou tese, sem a configuração de um artigo acadêmico;
x) sejam partes de um projeto ou relatório de pesquisa, sem explicitação clara do objetivo ou questão de pesquisa a ser respondido com a pesquisa.

d) Além disso, o artigo é submetido a sistemas de controle de plágio. A análise de plágio é desenvolvida em duas fases. Na primeira fase, é utilizado um software com o objetivo de fazer uma triagem da duplicidade de textos na internet. Na segunda fase, é realizada uma análise qualitativa. O relatório gerado pelo software é interpretado pelo editor responsável. O editor busca reconhecer possíveis elementos textuais ou dos dados de submissão anterior do(s) próprio(s) autor(es) ou de outros autores apontados pelo relatório. Em casos de suspeita, novas buscas são realizadas visando identificar publicações anteriores do(s) autor(es) ou de autores de outros artigos que podem ter sido utilizados de forma inapropriada no manuscrito. Os editores observam ainda indícios de manipulação de citação. Esse processo visa identificar o excesso de autocitação de autores e/ou do periódico, ou excesso de citações de um mesmo grupo de pesquisa. Em casos de suspeitas de plágio e/ou manipulação de citações, os editores assistentes encaminham o manuscrito à editoria-chefe. Os editores-chefe analisam o caso e tomam uma decisão, notificando os envolvidos.

e) Após pré-análise da submissão, um dos editores-chefe designará um dos editores adjuntos como editor responsável pela tramitação do manuscrito. O manuscrito será submetido, sem identificação dos autores, à avaliação por dois pesquisadores especialistas da área. No caso de divergência entre os pareceres, um terceiro árbitro será consultado, caso a comissão editorial julgue pertinente. Uma notificação acerca do parecer final da submissão será enviada aos autores, com cópia dos pareceres dos árbitros.

Os editores se comprometem a acompanhar o processo de modo a garantir a celeridade e qualidade dos pareceres. Em caso de parecer condicionado a modificações no texto, o autor terá, no máximo, 21 dias para enviar as modificações, caso contrário o manuscrito será arquivado. O tempo médio entre submissão e aprovação tem sido de 6 meses. Os textos finais são diagramados e revistos (linguagem, ortografia e normas técnicas) e submetidos aos autores para conferência final antes de sua publicação no portal da revista e da Scielo.

2. Escolha de avaliadores

Os árbitros são todos doutores ativos no campo da educação/educação em ciências e designados conforme os critérios:  1. Pesquisadores com competência reconhecida na temática do trabalho; 2. Pesquisadores que não tenham vínculos institucionais ou de colaboração em grupos / projetos de pesquisa com os autores da submissão.

3. Acompanhamento da avaliação

a) Para avaliar a disponibilidade dos avaliadores, o editor adjunto faz consultas por meio de mensagem eletrônica via sistema da revista. Na ausência de resposta ou na indicação de indisponibilidade, outro avaliador é convidado para a submissão.
b) Findo o prazo indicado (4 semanas), o editor envia ao(s) árbitro(s) lembrete do compromisso. Caso isso não seja feito nas 4 semanas seguintes, o revisor é contactado. Em caso de não haver compromisso com prazos para conclusão do parecer, a solicitação é cancelada e, imediatamente, outro avaliador é convidado para a submissão.
c) Na nova rodada de avaliação, os mesmos procedimentos são realizados.

4. Decisão editorial

a) Caso os pareceres recebidos sejam convergentes, o editor adjunto envia carta ao 1o autor da submissão comunicando a decisão editorial - aceito, recusado, correções obrigatórias, re-submissão ou enviar a outro periódico.
b) Caso os pareceres recebidos sejam divergentes o problema é levado à comissão editorial, que poderá indicar um posicionamento, quando possível, ou decidir pelo envio a um 3oárbitro. Nesse caso, a escolha do 3o árbitro será feita pela própria Comissão.
c) Os editores devem cuidar para que as recusas sejam justificadas. Caso os pareces indiquem a recusa do trabalho sem a correta indicação de razões para tal, o editor deve solicitar o mesmo ao árbitro ou providenciar novo parecer.
d) Trabalhos aceitos com correções necessárias devem ser avaliados pelo editor responsável. Devem ser enviados com uma carta à Comissão Editorial, indicando os pontos revistos e justificando eventuais recomendações dos árbitros que não tenham sido atendidas. A partir da análise desses documentos, a Comissão Editorial fará o parecer final da submissão.

5. Editoração e publicação

a) Os trabalhos aceitos e aprovados entram em uma planilha e são encaminhados periodicamente, a cada duas semanas para editoração, em fluxo contínuo.

6. Critérios de Avaliação Adotados

6.1. Itens a serem considerados para análise de Trabalhos Empíricos
1. Conteúdo/tema abordado
(O título do artigo retrata adequadamente o conteúdo/tema abordado? O conteúdo/tema abordado é relevante em termos da pesquisa na área e está bem justificado? As questões de pesquisa estão claramente formuladas? O referencial teórico é pertinente ao conteúdo/tema abordado e às questões de pesquisa?)
2. Design /Métodos
(A metodologia, procedimentos e organização são apropriados? As figuras, tabelas, gráficos são pertinentes às argumentações apresentadas? A metodologia apresentada é coerente com o referencial teórico e com as questões de pesquisa? Questões éticas foram contempladas?)
3. Resultados e análise de dados
(A análise tem por base a fundamentação teórica apresentada? Na análise são apresentadas evidências suficientes para dar suporte aos resultados?)
4. Conclusões e implicações
(As conclusões estão bem ancoradas nos resultados apresentados? Respondem adequadamente às questões propostas? Incluem recomendações para a área? As conclusões são comparadas com as de outros trabalhos no mesmo domínio, disponíveis na literatura?)
5. Formatação
(O resumo apresenta informações claras e concisas? O artigo apresenta uma linguagem adequada? As figuras, tabelas, gráficos apresentam qualidade satisfatória para a publicação? A bibliografia é pertinente? O artigo pode ser reduzido significativamente sem perda de clareza?)

6.2. Itens a serem considerados para análise de Trabalhos Teóricos
1. Conteúdo/tema abordado
(O título é adequado ao trabalho realizado? A área de interesse do artigo está claramente descrita e fundamentada nos trabalhos relevantes da literatura?)
2. Referenciais teóricos
(O problema teórico abordado é relevante para a pesquisa em Educação em Ciências e está claramente formulado? A fundamentação teórica é adequada para abordar o problema?)
3. Discussão e argumentação
(O argumento teórico desenvolvido é claro e consistente?)
4. Conclusões e implicações
(As conclusões estão bem ancoradas na discussão apresentada? As conclusões incluem recomendações para a área? As conclusões são comparadas com as de outros trabalhos no mesmo domínio, disponíveis na literatura?)
5.Formatação
(O resumo apresenta informações claras e concisas? O artigo apresenta uma linguagem adequada? As figuras, tabelas, gráficos apresentam qualidade satisfatória para a publicação? A bibliografia é pertinente? O artigo pode ser reduzido significativamente sem perda de clareza?)

6.3. Itens a serem considerados para análise de Trabalhos de Revisão de Literatura (Estado da Arte)
1. Conteúdo/tema abordado
(O tema investigado é relevante para o campo da educação em ciências?)
2. Abrangência
(O estudo tem uma abrangência que permite identificar tendências de pesquisa no tema investigado? O escopo da revisão inclui periódicos diversos e diferentes modalidades de comunicação científica, como artigos, livros, capítulos de livros, teses e dissertações, trabalhos em congressos? Inclui diálogo com a produção em âmbito nacional e internacional?)
3. Referenciais de análise
(O estudo é orientado por uma visão crítica e analítica do autor, amparado em referenciais teóricos pertinentes ao tema investigado?)
4. Resultados
(O estudo permite a identificação de diferentes abordagens teórico-metodológicas na pesquisa do tema? Discute a agenda de pesquisa no campo investigado? Destaca resultados, implicações e limitações das diferentes abordagens do tema? Inclui confronto e/ou contraste de perspectivas?)
5. Conclusões e implicações
(As conclusões estão bem ancoradas na discussão apresentada? As conclusões incluem recomendações para a área?)
6. Formatação
(O resumo apresenta informações claras e concisas? O artigo apresenta uma linguagem adequada? As figuras, tabelas, gráficos apresentam qualidade satisfatória para a publicação? A bibliografia é pertinente? O artigo pode ser reduzido significativamente sem perda de clareza?)

A revista utiliza o software Plagius Profissional  para identificação de plágio ou auto-plágio em todos os artigos aprovados em pré-análise, antes do envio aos avaliadores.

  1. Diretrizes do processo de arbitragem aberta

A submissão de manuscrito tem a condição inicial de quebra de sigilo de autoria. Os autores podem optar por este processo por meio do Formulário Ciência Aberta. A identidade de autores é revelada, ou seja, autores aceitam se identificar para pareceristas no momento em que submetem o manuscrito no portal da revista. 

Etapas da avaliação aberta

  • Pré-análise dos manuscritos pela equipe editorial da revista;

O manuscrito segue o processo convencional já em vigor na prática editorial da revista. Os manuscritos, ao serem submetidos no portal, passam por uma triagem relacionada a adequações de forma e conteúdo antes de serem encaminhados para a editoria adjunta. Mais detalhes sobre essas adequações podem ser consultados em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/about/submissions

  • Envio do manuscrito a dois especialistas na temática, com a condição de quebra do duplo cego;

Ao aceitar o convite para produção de parecer na arbitragem aberta, pareceristas assinam os relatórios de análise dos artigos. Em outras palavras, a arbitragem do tipo duplo cego deixa de guiar o processo de análise.

Utilizam-se os mesmos critérios cânones adotados na avaliação de artigos na arbitragem do tipo duplo cego, isto é, mantém-se os seguintes critérios de análise: explicitação clara da questão de pesquisa; análise da pertinência do referencial teórico frente ao objeto de investigação; coerência entre referencial teórico-metodológico e a questão de pesquisa investigada; coerência entre conclusões e dados obtidos; e contribuições da pesquisa ao campo do conhecimento. Mais detalhes podem ser consultados em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/about/submissions

  • Emissão de parecer em duas etapas:

Uma vez que os relatórios de análise serão publicados, o formato do texto do parecer deverá ser adaptado. Ainda assim, com o intuito de manter os critérios de avaliação claros, a avaliação ocorrerá em duas etapas.

i) Avaliação a partir do formulário de avaliação atual da revista, usado para balizar o parecer inicial;

Utilizam-se as mesmas etapas adotadas na avaliação de artigos na arbitragem do tipo duplo cego. O primeiro parecer será encaminhado aos autores para elaboração de adequações no manuscrito e o envio de uma carta resposta às indicações nos pareceres. Pareceristas irão receber o manuscrito e a carta. Novas rodadas de avaliação poderão ocorrer neste processo. 

ii) Elaboração de um texto, mais curto que o full paper, que desenvolva um diálogo entre as ideias do manuscrito avaliado e as tendências/demandas da área naquela temática.

A segunda etapa do processo envolve a produção de um novo texto que deverá articular elementos dos pareceres iniciais, promovendo um diálogo com as respostas dos autores e ampliando a discussão a partir de outras indicações relevantes da área. Ressaltamos que o tom desta versão final será dialógico e não no sentido de solicitar modificações pontuais ou fazer prescrições. Esta versão final do parecer será enviada à editoria da revista para análise. 

As versões finais do manuscrito e dos dois relatórios de análise comporão um trio de publicações distintas (com identificadores DOI próprios). 

 

 Forma e preparação de manuscritos

 

 Informações para os Autores

Os trabalhos, inéditos, submetidos à publicação não podem estar sendo analisados em outro veículo (livro ou periódico). Comunicações feitas em congressos podem ser submetidas desde que revistos e ampliados, evitando repetições de trabalhos publicados em anais de eventos ou com similaridade significativa com tais trabalhos. O mesmo é valido para aqueles disponibilizados publicamente em servidores pre-print, e cujo DOI deve ser informado no momento de submissão ao periódico para sua validação pela política de arbitragem adotada.

Considerando o processo de avaliação do tipo duplo cego,  o texto do manuscrito não deve conter indicações, claras ou indiretas, de autoria, de modo a permitir a revisão cega por pares. Em caso de avaliação aberta, a partir da consonância dos autores, a identificação deles passa a ser clara no manuscrito. Cabe ressaltar que artigos preprints passarão pela avaliação por pares cega (e não duplamente cega).

A Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências publica artigos nas línguas portuguesa, espanhola ou inglesa. Além disso, após aprovação, os artigos podem ser publicados em dois ou três desses idiomas, caso os autores arquem com os custos de tradução e revisão do artigo.

Os artigos teóricos devem introduzir novidades no campo de conhecimento que é por ele visitado e trazer conclusões e implicações para a pesquisa e a prática educativa no campo da educação em ciências. Os artigos empíricos devem apresentar dados que, examinados à luz de um referencial teórico, possam resultar em conhecimento novo ou em desdobramentos de sua aplicação em contextos.

A revista publica trabalhos de campos do conhecimento que dialoguem com a produção da área de Educação em Ciências e que apresentem contribuições relevantes para esta área. Isto se deve ao caráter interdisciplinar da pesquisa em Educação em Ciências, em função do diálogo com outros campos de pesquisa, tais como epistemologia, psicologia, linguística, sociologia do conhecimento, sociologia da educação, filosofia e história da educação, entre outros - e da interface com a pesquisa educacional como um todo, a Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências publica trabalhos desses campos desde que dialoguem com a produção da área e tragam resultados relevantes para a educação em ciências.

Os autores são responsáveis pela originalidade e a veracidade do conteúdo apresentado nos trabalhos. O mesmo é válido para aqueles já disponibilizados em servidores pre-print, cujos autores deverão declarar que o conteúdo já se encontra disponível para o público no momento de submissão no periódico para sua validação. A revisão linguística e bibliográfica deverá ser feita antes da submissão do manuscrito. Os autores devem indicar se a pesquisa é financiada e se há conflitos de interesses. Para publicação, a comissão editorial poderá solicitar o parecer de aprovação da pesquisa em um conselho de ética. Em caso de aceite da submissão, os autores deverão encaminhar autorização assinada cedendo os direitos autorais para a Ensaio Pesquisa em Educação em Ciênciasn, concordando com a publicação do artigo tanto em suporte impresso quanto eletrônico.

Formato do Manuscrito

O manuscrito deve incluir: (1) título claro e objetivo sem abreviaturas, parênteses e fórmulas que dificultem a compreensão do conteúdo do artigo (2) resumo no idioma do respectivo artigo (100-150 palavras), (3) título e resumo em inglês e espanhol), (4) três palavras-chave no idioma original, em inglês e em espanhol, (5) texto e (6) referências bibliográficas.

No caso de mais de um autor, devem ser informados as contribuições de cada autor na construção do manuscrito no sistema da revista. No texto do artigo não deve haver informações que permitam identificação de autoria em situações de arbitragem do tipo duplo cego.

O manuscrito deve ser, obrigatoriamente, submetido no formato do template indicado no link:

<a href="https://drive.google.com/file/d/15S71SgJCNc2MRNaLtp76m6WRS2vA-ssr/view?usp=sharing">TEMPLATE</a>

Para utilizar o template, faça o download do arquivo .dotx e abra normalmente em seu computador. Os estilos de cada item estarão indicados no Painel de Estilos. O artigo deve ter extensão máxima de 20 páginas, incluindo as referências.

As imagens devem ser inseridas no corpo do texto conforme a indicação no template, nomeadas conforme a indicação no texto em formatos de arquivo tif ou jpg, com resolução de 300 dpi's. O uso de imagens é de inteira responsabilidade do(s) autor(es).

Solicitamos, ainda, que sejam observados os padrões de apresentação exigidos, para referências bibliográficas, citações, tabelas, notas, resumos, gráficos, etc., contidas na normalização da American Psychology Association, APA, 7th Ed. (Manual of the American Psychological Association, 2019, 7ª edição).

Orientações gerais das normas da APA para citações e referências bibliográficas:

- Não utilizar et al. ou cols. na lista de referências bibliográficas;

- O destaque é feito em itálico;

- Os primeiros nomes dos autores devem ser abreviados;

- Não utilizar termos como apud, op. cit, id. Ibidem. Tais expressões não existem nas regras da APA.

Exemplos:

Artigo publicado em periódico

Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas), & Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas). (ano). Título do artigo. Título do periódico em itálico, volume(número), página inicial-página final. DOI quando o artigo tiver DOI, inserir o mesmo no formato completo: https://doi.org/(identificador do artigo) e sem ponto no final.

Exemplos:

Gullo, C., Ha, T. C., & Cook, S. (2015). Twelve tips for facilitating team-based learning. Medical Teacher, 37(9), 819–824. http://dx.doi.org/10.3109/0142159X.2014.1001729

Miranda, M. de S., Suar, R. de C., & Marcondes, M. E. R. (2015). Promovendo a alfabetização científica por meio de ensino investigativo no ensino médio de Química: Contribuições para a formação inicial docente. Revista Ensaio, 17(3), 555–583. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172015170302

Artigo já aceito, mas ainda não publicado (no prelo)

Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas), & Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas) (no prelo ou in press) Título do Artigo. Título do periódico.

Exemplos:

Oliveira, T. E., Araújo, I. S. & Veit, E. A. (no prelo). Aprendizagem Baseada em Equipes (Team-Based Learning): Um método ativo para o Ensino de Física. [Team-Based Learning: Anactive method for teaching physics]. Caderno Brasileiro de Ensino de Física.

Walters, D. E. (in press). Team-Based Learning applied to a Medicinal Chemistry Course. Medical Principles and Practice.

Livro

Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas), & Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas) (Ano). Título do Livro: subtítulo do livro (se houver). Cidade: Editora.

Exemplo: Minayo, M. C. S. (2014). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 33. ed. Vozes.

Capítulo de livro

Sobrenome Autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas), & Sobrenome Autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas) (Ano). Título do capítulo In INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas), Sobrenome Autor & INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas), SOBRENOME AUTOR,. (Orgs.), Título Livro (pp. página inicial-página final). Cidade, Estado/País: Editora.

Levi, G. Usos da biografia (1996). In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral (pp. 167–182). Rio de Janeiro, RJ: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Dissertações, teses e outros trabalhos acadêmicos

Sobrenome autor, INICIAIS AUTOR. (seguidas de ponto e com espaço entre elas) (Ano). Título: Subtítulo. (Identificação do tipo de trabalho acadêmico, isto é, Tese de Doutorado, Dissertação de Mestrado, Trabalho de Conclusão de Curso). Instituto ou programa de pósgraduação da Universidade X), Local.

Exemplo:

Pazinato, M. S. (2016). Ligações Químicas: Investigação da construção do conhecimento no ensino médio. (Tese Doutorado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Documentos Oficiais

Sigla do órgão responsável pelo documento (ano). Título do documento. Local de publicação: editora (ou equivalente).

Exemplo: MEC (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Secretaria da Educação Básica.

Leis e Decretos

Lei n. XXX, de dia de mês de ano. (ano). Título da lei. Local de publicação: órgão responsável.

Exemplo:

Lei n. 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília: MEC.

No texto esta referência deve aparecer da seguinte forma: (Lei n. 9394, 1996).

 

Envio de manuscritos

 

O artigo deverá ser submetido através do portal da revista no endereço:

https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/, após o cadastro completo e criação de login e senha, mediante a concordância dos termos constantes do formulário eletrônico de submissão.

Como norma da Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, pedimos que sejam encaminhados apenas um arquivo sem o nome dos autores, acompanhado de suas imagens e gráficos caso os tenham. É imprescindível o cadastro de todos os autores envolvidos no artigo. O texto do manuscrito não deve conter indicações de autoria, de modo a permitir a revisão cega por pares.

Não há taxas para submissão e avaliação de artigos

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.