Conflitos na delimitação territorial do Bioma Mata Atlântica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..13295

Palavras-chave:

Mata Atlântica, Território, Poder

Resumo

Este artigo analisa a tramitação da Lei da Mata Atlântica no Congresso Nacional Brasileiro e sua regulamentação (1992-2008) para identificar as relações de poder entre os atores que participaram do jogo parlamentar e os interesses que prevaleceram na delimitação do bioma. Embora a delimitação territorial mais abrangente – defendida por ambientalistas – tenha predominado, permanecem os múltiplos interesses antagônicos de diferentes agentes sociais sobre o uso desse território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Steinberger, Universidade de Brasília

Professora de Geografia Política do GEA/UnB e pesquisadora do CNPq. Doutora em Planejamento Urbano e Ambiental – USP.

Rafael Jacques Rodrigues, Ministério do Meio Ambiente

Analista Ambiental do Ministério do Meio Ambiente. Mestre em Geografia – UFMG.

Referências

ANDRADE, M.C. A questão do território no Brasil. São Paulo-Recife: Hucitec/ Ipespe, 1995.

ARENDT, H.. Poder e violência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

BACHRACH, P. e BARATZ, M.S. Two faces of power. The American Political Science Review, Vol. 56, No. 4 (Dec., 1962).

__________ Decisions and nondecisions: an analytical framework. The American Political Science Review, Vol. 57, N. 3, Sep. 1963.

BECKER, B. K., et al. Abordagens políticas da espacialidade. Rio de Janeiro: UFRJ, 1983.

___________ Por que não perderemos a soberania sobre a Amazônia?. In: Edu Silvestre de Albuquerque (org.). Que país é esse? Pensando o Brasil contemporâneo. São Paulo: Globo, 2005.

CÂMARA, I.G. Plano de Ação para a Mata Atlântica. São Paulo: SOS Mata Atlântica, 1991.

DAHL, R. The concept of power. Behavioral Science, v. 2, n. 3, jul, 1957.

DEAN, W. A Ferro e Fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

GODELIER, M. L’idéel et le matériel. Pensée, économies, sociétés. Evreux: Fayard, 1984

GOLDBERG, S., et. al. Dispute resolution: negotiation, mediation and other processes. 6. ed. Aspen Law & Business, 1992.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: Do “fim dos territórios” `a multiterrritorialidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Diretoria de Geociências. Mapa da Área de Aplicação da Lei nº. 11.428/2006, 1ª edição, 2008. Escala: 1: 5.000.000. Adaptado por Renato Prado dos Santos.

JOLY, C. A; LEITAO FILHO, H. F; SILVA, S.M. O patrimônio florístico. In: Câmara, I. G (ed.) Mata Atlântica. São Paulo: Index; Fundação SOS Mata Atlântica, 1991.

LEITÃO FILHO, H. F (org). Ecologia da Mata Atlântica em Cubatão. Campinas: Unesp; Unicamp, 1993.

PULNER, R. C. L. Análise Crítica da Cientificidade da Legislação Relativa a Manguezais. Curitiba: Sesquicentenario, 2007.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993. SANTOS, M. Técnica espaço tempo. São Paulo: Hucitec, 1994.

_________A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

_________O território e o saber local: algumas categorias de análise. Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, ano XIII, n.2, agodez 1999.

_________ O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. São Paulo: Record, 2001.

_________ O país distorcido. São Paulo: Publifolha, 2002.

SEABRA, O. C. L. A Insurreição do uso. In: MARTINS, Jose (org.) Henri Lefebvre e o retorno à dialética. São Paulo: Hucitec, 1996.

SIMONSEN, M. H. Ensaios Analíticos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1994.

VELOSO, H.P, et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K.; PEREIRA, D. (orgs). A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos sócio-ambientais. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2005.

Downloads

Publicado

2010-12-01

Como Citar

Steinberger, M., & Rodrigues, R. J. (2010). Conflitos na delimitação territorial do Bioma Mata Atlântica. Revista Geografias, 37–48. https://doi.org/10.35699/2237-549X.13295

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)