A Geografia dos acidentes na BR-381 entre Belo Horizonte e Governador Valadares

o que pode ser explicado pela morfoestrutura regional?

Autores

  • Renato Martins Passos Ferreira Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
  • Sergio Donizete Faria Universidade Federal de Minas Gerais
  • Bráulio Magalhães Fonseca Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..13331

Palavras-chave:

Mortalidade por causas externas, Acidente de transporte, Distribuição espacial de acidentes

Resumo

Este trabalho apresenta a distribuição espacial dos trechos com maior índice de acidentes ocorridos na BR-381, entre os municípios de Belo Horizonte e Governador Valadares, considerando as características físicas da região, para o período de 2008 a 2010. Pretende-se assim fornecer elementos relacionados aos aspectos geomorfológicos da região que tornem possível o entendimento mais objetivo do alto índice de ocorrência de acidentes nesse trecho da rodovia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Martins Passos Ferreira, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Mestrando em Sensoriamento Remoto – INPE.

Sergio Donizete Faria, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto do Departamento de Cartografia do IGC/UFMG.

Bráulio Magalhães Fonseca, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Geografia – IGC/UFMG.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). Anuário estatístico dos transportes terrestres – AETT 2009. Brasília: Agência Nacional de Transportes Terrestres, 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2011.

AUGUSTIN, C. H. R. R.; FONSECA, B. M.; ROCHA, L. C. Mapeamento geomorfológico da Serra do Espinhaço Meridional: primeira aproximação. Geonomos, v. 19, n. 2, p. 50-69, 2011.

BALTAZAR, O. F.; BAARS F. J.; LOBATO, L. M.; REIS, L. B.; ACHTSCHIN, A. B.; BERNI, G. V.; SILVEIRA, V. D. 2005. Mapa Geológico: com nota explicativa. Belo Horizonte, 2005. Escala 1:50000. In: Projeto Geologia do Quadrilátero Ferrífero: Integração e Correção Cartográfica em SIG, 2005.

CAMARGO, A. B. M. Mortalidade por causas externas no estado de São Paulo e suas regiões. Tese de doutorado. FSP/USP, São Paulo, 2002. 227 p.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE (CBH DOCE). Diagnóstico consolidado da Bacia do Rio Doce. Dezembro, 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 out. 2011.

CHESNAIS, J. C. Les morts violentes dans le monde. Population & Sociétés, nº 395, novembre 2003. Institut National d’Ètudes Démographiques.

COELHO, A. L. N. Situação hídricogeomorfológica da bacia do Rio Doce com base nos dados da série histórica de vazões da estação de Colatina – ES. Caminhos de Geografia. Uberlândia, v. 6, n. 19, p. 56-79, 2006.

COELHO, A. L. N. Alterações hidrogeomorfológicas no Médio-Baixo Rio Doce/ ES. Tese de doutorado. Universidade Federal do Espírito Santo, Niterói, 2007. 227 p.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES (DNIT). Diretrizes básicas para elaboração de estudos e projetos rodoviários/Instruções para acompanhamento e análise. Brasília: DNIT, Instituto de Pesquisas Rodoviárias, 2010. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/ manuais/diretrizes_ basicas_instrucoes_para_ acompanhamento_publ_ ipr_739.pdf>. Acesso em: 18 out. 2011.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES (DNIT). Locais concentradores de acidentes (8 ou mais). Brasília: DNIT, Coordenação geral e operações rodoviárias, 2008, 2009 e 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2011.

DIAS JUNIOR, C. S. O impacto da mortalidade por causas externas e dos homicídios na expectativa de vida: uma análise comparativa entre cinco regiões metropolitanas do Brasil. In: 2º Congresso Português de Demografia, Lisboa, 2004.

EZEQUIEL, W. SEPLAG explica série de iniciativas viáveis com funcionamento da RMVA. Diário do Aço, Minas Gerais, 14 de nov. de 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Divisão Regional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2011.

MAGALHÃES JUNIOR, A. P.; SAADI, A. Ritmos da dinâmica fluvial neo-cenozóica controlados por soerguimento regional e falhamento: O Vale do Rio das Velhas na Região de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Geonomos, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 42-54, 1994.

MARENT, B. R.; SALGADO, A. A. R. Mapeamento das unidades do relevo da porção nordeste do Quadrilátero Ferrífero – MG. Revista Geografias, Belo Horizonte, v. 6, n. 1. p. 118-139, 2010. MINAS GERAIS. Atlas de mortalidade por causas externas em Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria Estadual de Saúde, 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Brasil 2004: uma análise da situação de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Brasil 2009: uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

PADILHA, A. V. Programa levantamentos geológicos básicos do Brasil: Itabira SE.23-ZD-IV. Estado de Minas Gerais. Brasília: CPRM, 2000. Escala 1:100.000.

SAADI, A. A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens. Geonomos, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 41-63, 1995.

SOUZA, C. J. O.; SILVA, V. C. B. A contribuição didática do trabalho de campo na compreensão da paisagem da Região Metropolitana de Belo Horizonte e entorno a partir da cartografia e dos vestígios sociais e físicos. In: X Encontro Nacional de Prática de Ensino em Geografia - ENPEG. Porto Alegre, 2009.

TORRES, C. E. G. A importância da inserção do custo dos acidentes de trânsito na análise da viabilidade econômica de projetos de infraestrutura viária: uma análise de equilíbrio geral computável para as rodovias BR-116, BR262 e BR-381 em Minas Gerais. In: Anais do XIV Seminário sobre a Economia Mineira. Diamantina, maio de 2010.

Downloads

Publicado

2012-06-01

Como Citar

Ferreira, R. M. P., Faria, S. D., & Fonseca, B. M. (2012). A Geografia dos acidentes na BR-381 entre Belo Horizonte e Governador Valadares: o que pode ser explicado pela morfoestrutura regional?. Revista Geografias, 84–97. https://doi.org/10.35699/2237-549X.13331

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)