Fatores e processos envolvidos no desenvolvimento de formas cársticas em rochas siliciclásticas em Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Fabiana Pena Fabri Universidade Federal de Minas Gerais
  • Cristina Helena Ribeiro Rocha Augustin Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..13355

Palavras-chave:

Relevo, Feições cársticas, Rochas siliciclásticas

Resumo

Feições cársticas desenvolvidas em rochas não carbonáticas têm chamado a atenção de pesquisadores em todo o mundo. Este é o caso das rochas silicicláticas, que, até recentemente, por serem consideradas pouco solúveis, não eram incluídas entre as litologias passíveis de formação de relevos cársticos. No entanto, pesquisas em áreas quartzíticas e areníticas têm apontado para a ocorrência de feições com características até então restritas a substratos rochosos de fácil dissolução química. Este estudo busca apresentar e discutir os fatores envolvidos na elaboração dessas formas de relevo na região de Itambé do Mato Dentro, no Espinhaço Meridional, um conjunto montanhoso localizado no estado de Minas Gerais. Para isto, utilizou metodologia com base na quantificação desses fatores, bem como em sua avaliação qualitativa, com o objetivo de comparar os fatores responsáveis pelo desenvolvimento das cavernas descritas com outros apontados pela literatura, como é o caso do gradiente hidráulico. Resultados mostram que, na área, este não apresenta a mesma importância verificada em outras áreas de relevo cárstico em rochas siliciclásticas. As análises também demonstraram a importância da composição mineralógica das rochas na aceleração dos processos de intemperismo químico e físico, e sua importância para o desenvolvimento das feições cársticas na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDREYCHOUK, V.; DUBLYANSKY, Y.; EZHOV, Y.; LYSENIN, G. Karst in the Earth’s Crust: its distribution and principal types. Poland: University of Silesia/ Ukrainian Academy of Sciences/ Tavrichesky National University-Ukrainian Institute of Speleology and Karstology, 2009. ASTER. Advanced Spaceborne Thermal and Reflection Radiometer. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2009.

CENTRO DE ESTUDO, PROTEÇÃO E MANEJO DE CAVERNAS – CECAV. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2009

COMPANHIA MINERADORA DE MINAS GERAIS - COMIG. Mapa Geológico da Folha Conceição do Mato Dentro – SE-23-Z-D-I. 1:100.000, 1996.

CORRÊA NETO, A. V. Cavernas em Quartzitos da Serra do Ibitipoca, Sudeste de Minas Gerais. In: Anais do Seminário de Pesquisa sobre a Serra do Ibitipoca, p. 43-51, 1997.

CORRÊA NETO, A. V.; DUTRA, G. A Província Espeleológica Quartzítica Andrelândia, sudeste de Minas Gerais. In: Anais XXIV Congresso Brasileiro de Espeleologia, p. 57-64, 1997.

DOERR, S. H. Karst-like landforms and hydrology in quartzites of the Venezuelan Guyana Shield: Pseudokarst or “real” Karst? Zeitschrift fur Geomorphologie, Vol. 43, p. 1-17, 1999.

FABRI, F. P. Estudo das cavernas quartzíticas da região de Itambé do Mato Dentro. Belo Horizonte, 2011. 179p. Dissertação de Mestrado em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

FORD, D.; WILLIAMS, H. P. Karst geomorphology and hidrology. London: Chapman & Hall, 1989. 601p.

GALÁN, C. Disolución y gênesis del karst en rocas carbonáticas y rocas silíceas: un estudio comparado. Munibe, Vol. 43, p. 43-72, 1991.

GROSSI SAD, J. H.; MOURÃO, M. A. A.; GUIMARÃES, M. L. V.; KNAUER, L. G. Geologia da Folha Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais. Projeto Espinhaço em CD-Rom, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Folha Conceição do Mato Dentro / MG. SE. 23. Z. D. 1.1:100.000, 1997.

JENNINGS, J. N. Sanstone pseudokarst or karst? In: YOUNG, R. W.; NANSON, G. C. (eds.). Aspects of Australian Sandstone Landscapes. Australian and New Zealand Geomorphology Group Special Publication, Vol. 1, p. 21-30, 1983.

KRAUSKOPF, K.B. Introdução à Geoquímica. São Paulo: Edusp, Vol. 1, p. 197- 214. 1972.

LLOPIS LLADÓ, N. Fundamentos de Hidrogeologia Cárstica: Introdução a La Geoespeleogia. Madrid: Blume, 1970. 269 p.

MARTINI, J. Karst in the Black Reef Quartzite near Kaapsehoop, Transvaal. Ann. Geol. Surv. South Africa, Vol. 13, p. 115-128, 1979.

PFLUG, R. A geologia da parte meridional da Serra do Espinhaço e zonas adjacentes, Minas Gerais. Dep. Nac. Prod. Mineral/Div. Geol. Mineralogia, Bol. 226, Rio de Janeiro, 1965. 51 p.

PILÓ, L. B. Morfologia cárstica e materiais constituintes: dinâmica e evolução da depressão poligonal MacacosBaú, Carste de Lagoa Santa, MG. São Paulo, 1998. 283p. Tese de Doutorado, Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. São Paulo. CD-ROM.

POUYLLAU, M. Les karsts greseux dans la Gran Sabana (Guyane Vénézuélienne). Bull. Assoc. Géogr. Franç., p. 269-283, 1985.

POUYLLAU, M.; SEURIN, M. Pseudokarst dans les roches gréso-quartzitiques de la formation Roraima. Karstologia, Vol. 5, p. 45-52, 1985.

SAADI, A. A Geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e suas margens. Geonomos, Vol. 3, nº 1, p. 41-63, 1995.

SENA, E.; SOARES, B. F.; TRAVASSOS, L. E. P. Panorama inicial dos estudos pedológicos em regiões de carste tradicional. In: 31º Congresso Brasileiro de Espeleologia Espeleodiversidade: Ensino e Conservação, 2011, Ponta Grossa. Anais CBE. Campinas/ Ponta Grossa: SBE/ UEPG, 2011. p. 111-114.

SILVA, S. M. Carstificação em Rochas Siliciclásticas: Estudo de caso na Serra do Ibitipoca, Minas Gerais. MG. Belo Horizonte. 2004. 143 p. Dissertação de Mestrado em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESPELEOLOGIA-SBE. Normas e convenções espeleométricas, 1991. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2010.

SCHULZ, M. S.; WHITE, A. F. Chemical weathering in a tropical watershed, Luquillo Mountais, Puerto Rico III: Quartz dissolution rates. Geochimica et Cosmogeochimica Achta, Vol. 63, p. 337- 350, 1999.

SZCZERBAN, E.; URBANI, F. Carsos de Venezuela. Parte 4: Formas carsicas en areniscas precambrianas del territorio federal Amazonas y estado Bolivar. Boletin de la Sociedade Venezolana de Espeleologia, vol. 5, p. 27-54, 1974.

UHLEIN, A. Transição Craton - Faixa Araçuaí (Ciclo Brasiliano) no Estado de Minas Gerais. Aspectos estratigráficos e estruturais. São Paulo. 1991. 259 p. Tese de Doutorado em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo.

URBANI, F. Una revision preliminar sobre el desarrollo de cavidades y otras formas relacionadas en las rocas cuarciferas del Grupo Roraima, Guayana Venezolana. Parte 2. Algunos comentarios sobre terminologia. Boletín de Geociencias, Vol. 7, p. 10-14, 1986.

YOUNG, R. W. Quartz etching and sandstone Karst: Examples from the East Kimberleys, Northwestern Australia. Zeitschrift fur Geomorphlologie, vol. 32, p. 409-423, 1988.

YOUNG, R. W.; YOUNG A. R. W. Sandstone Landforms. Berlin: Springer-Verlag, 1992. 163p.

YOUGER, P. L.; STUNELL, J. M. Karst and pseudokarst: An artificial distinction? In: Geomorphology and Groundwater, Brown, A. G. (eds.), WILLEY J. & SONS, London, p. 121- 142, 1995.

WHITE, W. B.; JEFFERSON, G. L.; HAMAN, J. F. Quartzite Karst in southeastern Venezuela. International Journal of Speleology, Vol. 2, p. 309-314, 1966.

Downloads

Publicado

2013-06-01

Como Citar

Fabri, F. P., & Augustin, C. H. R. R. (2013). Fatores e processos envolvidos no desenvolvimento de formas cársticas em rochas siliciclásticas em Minas Gerais, Brasil. Revista Geografias, 82–96. https://doi.org/10.35699/2237-549X.13355

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)