O gosto da morte na vida dos lugares

Autores

  • Eduardo Marandola Júnior

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..15339

Palavras-chave:

geografia hedonista, finitude, espaço-entre

Resumo

A morte é compreendida como constituinte da vida dos lugares por meio do gosto. Degustar os lugares é vivenciá-los não apenas como vida, mas também enquanto morte que já se é, na condição de seres-para-a-morte (Heidegger) que somos. O gosto da morte, neste sentido, não é apenas amargo, mas pode ser o de esperança, rompendo com a associação dicotômica da morte como evento que coloca fim e, portanto, puramente negativo. A vida, por vezes, ela própria é o desespero (Kierkegaard), não pelo medo da morte, mas por sua impossibilidade. O gosto da morte, portanto, também constitui os lugares e aquilo que somos, tanto para quem morre quanto para quem assiste a morte de outrem, tanto na angústia quanto na busca de sentido da vida. Pensar o gosto da morte pode ser um caminho para reconhecer a força hedonista que constitui nossas geografias, no espaço-entre que é a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM FILHO, Oswaldo Bueno. Topofilia, topofobia e topocídio em MG. In: DEL RIO, Vicente; OLIVEIRA, Livia de. (Orgs.) Percepção ambiental: a experiência brasileira. 2ªed. São Paulo: Studio Nobel, 1999.

BRILLAT-SAVARIN. A fisiologia do gosto. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. Trad. Diogo Mainardi. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

DE PAULA, Fernanda C. Resiliência encarnada do lugar: vivência do desmonte na linha (Brasil) e em Mourenx (França). 2017. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

GABRIEL, Markus. O sentido da existência: para um novo realismo ontológico. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

GRATÃO, Lúcia H. B.; MARANDOLA JR., Eduardo. Sabor da, na e para Geografia. Geosul, v. 26, p. 59-74, 2011.

HEIDEGGER, Martin Ser e tempo. Trad. Fausto Castilho. Campinas: Ed. da Unicamp, 2012.

KIERKEGAARD, Soren. O desespero humano (doença até a morte). Trad. Adolfo Casais Monteiro. São Paulo: Ed. UNESP, 2010.

MARANDOLA JR., Eduardo. Sabor enquanto experiência geográfica: por uma geografia hedonista. Geograficidade, v. 2, p. 42-52, 2012a.

MARANDOLA JR., Eduardo. Lugar enquanto circunstancialidade. In: MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia (Orgs.) Qual o espaço do lugar? Geografia, Epistemologia, Fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012b. p.227-247.

MARANDOLA JR., Eduardo. Saberes dos corpos alimentados: ensaio de geografia hedonista. Geograficidade, v. 4, N.Especial, p. 16-24, 2014.

MARANDOLA JR., Eduardo. Fenomenologia do ser-situado: crônicas de um verão tropical urbano. 2016. Tese (Livre Docência em Ambiente e Sociedade) – Faculdade de Ciências Aplicadas – Universidade Estadual de Campinas, Limeira

MARANDOLA JR., Eduardo. Morte e vida do lugar: experiência política da paisagem. Pensando: Revista de Filosofia, UFPI, v.8, n.2, p.33-50, 2017.

MONTEIRO, Maurício. A construção do gosto. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

MONTESQUIEU , Charles de Secondat, baron de. O gosto. Trad. Teixeira Coelho. São Paulo: Iluminuras, 2005. MOREIRA NETO, Henrique F. Geografias do fim da vida: fenomenologia do ser geográfico na enunciação da morte. 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

ONFRAY, Michel. A razão gulosa: filosofia do gosto. (trad. Ana M. Scherer) Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

PALHARES, Virginia. Uma geografia hedonista dos saberes e dos sabores. Geograficidade, v.4, N. Especial, p.25-35, 2014.

PORTEUS, J. Douglas. Topocide: the annihilation of place. In: EYLES, J.; SMITH, D. (Eds.) Quantatitive methods in Geography. London: Polity Press, 1988.

RAZENTE, Nestor. Povoações abandonadas no Brasil. Londrina: Eduel, 2016.

ROSA, João G. A Terceira margem do rio. In: _______. Primeiras Estórias. 15 Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. p.79-85.

SERRES, Michel. Os cinco sentidos: filosofia dos corpos misturados. Trad. Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

Downloads

Publicado

2019-09-27

Como Citar

Júnior, E. M. (2019). O gosto da morte na vida dos lugares. Revista Geografias, 71–82. https://doi.org/10.35699/2237-549X.15339