Degradação ambiental na bacia hidrográfica do Rio das Antas, Sudeste do Paraná:

análise quantitativa e qualitativa mediante a utilização da metodologia do IDA

  • Andreza Rocha de Freitas Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro
Palavras-chave: Indicadores ambientais, Áreas degradadas, Análise espacial

Resumo

Os processos de degradação ambiental são intensificados com a implementação de atividades não planejadas, principalmente, no espaço urbano. As bacias hidrográficas são fundamentais em análises desta natureza, pois configuram um sistema bem delimitado espacialmente. Nesta perspectiva, o objetivo deste artigo é compreender a condição da degradação ambiental da bacia hidrográfica Rio das Antas, localizada nos Municípios de Fernandes Pinheiro, Imbituva e Irati, no Sudeste do Paraná. A metodologia adotada na análise da bacia do Rio das Antas é a do Índice de Degradação Ambiental (IDA), proposta por Brandão (2005), onde são considerados como parâmetros a vegetação, os solos, a declividade e a pressão demográfica. Constatou-se que 51,38% da área da bacia apresenta a qualidade ambiental Moderada, pois, são áreas onde as atividades impostas estão causando degradação ambiental. As áreas correspondentes aos Municípios de Fernandes Pinheiro e Imbituva, na foz da bacia, apresentam qualidade ambiental Alta (38,56%) devido à presença da Floresta Nacional de Irati. A classe Subcrítica, localizada na área urbana de Irati, corresponde a 10,05% da área da bacia. Portanto, medidas de contenção da degradação ambiental devem ser desenvolvidas, sobretudo no alto curso da bacia do Rio das Antas, para que áreas sejam recuperadas, protegidas e conservadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-11
Como Citar
Rocha de Freitas, A. (2020). Degradação ambiental na bacia hidrográfica do Rio das Antas, Sudeste do Paraná:. Revista Geografias, 28(1), 22-42. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/geografias/article/view/21485
Seção
Artigos