Geografia, escalas e a lua: do geocentralismo à ontologia

Autores

  • Jahan Lopes UNICAMP

Palavras-chave:

Pensamento geográfico, Cartografia, Escalas, Ontologia

Resumo

O trabalho visou a aprofundar o estudo da escalaridade diferencial proposto por Lacoste. Para tanto, formou-se um arcabouço conceitual: desde a observação que olha, a orientação que guia, a referência que estabelece relação e o referencial que direciona a partir do Eu geográfico; que se direciona (comumente) para o centro da Terra. Assim, para conduzirmos uma análise colocamos a Lua além da Terra para compreensão das escalas e, com isso, percebeu-se que existe um “paradoxo da escalaridade”; afinal, ao olharmos para Lua temos uma escala pequena, assim como olhando dela para a Terra temos também uma escala pequena, assim, a problemática ontológica se elucida, pois, as escalas não são fixas como se pensava, talvez pelo costume de olhar para os mapas que se orientam para a Terra estudando sua superfície em diversas escalaridades – todas com o mesmo ponto fixo –, acaba-se por ter o centro da Terra como ponto de fuga, contudo, podemos colocar o centro em qualquer objeto do mundo de objetos, sejam reais ou abstratos, chegando à proposição geodescentralista de escalas, para tanto, em uma perspectiva ontológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Como Citar

Lopes, J. (2021). Geografia, escalas e a lua: do geocentralismo à ontologia. Revista Geografias, 29(1), 103–120. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/geografias/article/view/25288

Edição

Seção

Artigos