ROUSSEAU E A GRANDE PARTILHA OCIDENTAL

a ideia da exclusividade da natureza humana

Autores

Palavras-chave:

Rousseau, Lévi-Strauss, Filosofia, Antropologia, Animalidade, Humanidade

Resumo

Na filosofia de Rousseau expõe-se a paulatina construção de uma ideia ocidental de humanidade: a história de como o ser humano assim denominou-se ser, bem como a história do abuso dessa denominação. Trata-se, sobretudo, da crítica sobre a construção de um mito da dignidade exclusiva da natureza humana, tema que percorre as obras de diferentes filósofos, dos modernos aos contemporâneos, dos ocidentais aos não ocidentais. O presente artigo aborda, a partir de Rousseau e em diálogo com outros autores, o “ciclo maldito” característico da modernidade, uma ideia que separa os humanos dos animais e segrega os humanos entre si. Começa-se por apartar o ser humano da natureza e constituí-lo como um ser à parte em um processo de monopolização progressiva do valor da existência: aparece em um primeiro
momento o especismo, subsequentemente a desigualdade sociopolítica, o etnocentrismo e outras formas derivadas de exclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERT, Bruce. “L’Or cannibale et la chute du ciel: Une critique chamanique de l’économie politique de la nature (Yanomami, Brésil)”. L’Homme, tome 33 n°126-128. La remontée de l’Amazone, 1993. pp. 349-378.

BANDERA, M. D. “A origem da alteração e a alteração de origem: antropologias de Rousseau”. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

______. “A perfectibilidade segundo Rousseau”. Cadernos de Ética e Filosofia Política”, [S. l.], Vol. 1, Nr. 34, pp. 132-142, 2019a. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/153604. Acessado em: 5 de março de 2021.

______. “O olhar distanciado: o programa etnológico de Rousseau”. Discurso, [S. l.], Vol. 49, Nr. 2, pp. 137-153, 2019b. Disponível em https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/165480. (Acessado em 5 de março de 2021).

BUFFON. (1749). “Histoire naturelle”. Tome III. Paris: H. Champion, 2009.

CASTRES, Pierre. “A sociedade contra o estado”. Tradução de Theo Santiago. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

DERRIDA, Jacques. “O animal que logo sou”. Tradução de Fábio Landa. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

DIDEROT. “Œuvres philosophiques”. Paris: Éditions Gallimard, 2010.

INGOLD, Tim. “Editorial”. Man, New Series, v. 24, nº 7, 1992. pp. 693-696.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. “A queda do céu: palavras de um xamã yanomami”. Tradução Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. “Ideias para adiar o fim do mundo”. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LÉVI-STRAUSS, C. (1973). “Jean-Jacques Rousseau, fondateur des sciences de l’homme” (1962). In: Anthropologie structurale deux. Paris: Plon, 1996.

______. “Jean-Jacques Rousseau, fundador das ciências do homem”. In: Antropologia estrutural dois. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2013. pp. 45-55.

______. “La pensée sauvage”. Paris: Plon, 1962.

______. (1962). “Le Totémisme aujourd’hui”. In: OEuvres. Éd. V. Debaene, F. Keck, M. Mauzé e M. Rueff. Paris: Gallimard (Col. Bibliothèque de la Pléiade), 2008.

______. “Mitológicas II: do mel às cinzas”. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

______. “Mythologiques: du miel auc cendres”. Paris: Plon, 1966.

______. “O pensamento selvagem”. Tradução de Tânia Pellegrini. Campinas: Papirus, 1989.

______. “Postface”. L’Homme, Nr. 154-155, pp. 713-720, 2000.

______. “Totemismo hoje”. Tradução de Malcom Bruce Corrie. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

LÉVI-STRAUSS, C.; ERIBON, D. “De perto e de longe”. Tradução de Léa Mello e Julieta Leite. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

______. “De près et de loin”. Paris: Odile Jacob, 1988.

MONTAIGNE. (1580). “Essais”. Tome II. Paris: Garnier-Flammarion, 1979.

ROUSSEAU. “Rousseau: Escritos sobre a política e as artes”. Organizado por Pedro Paulo Pimenta... [et al.]. Tradução de P. P. Pimenta, M. G. Souza, L. R. S. Fortes, F. Yasoshima, T. A. Vargas, C. B. Lourenço, I. G. Soares e M. C. R. Nagle. São Paulo:

Ubu; Ed. UnB, 2020.

______. “OEuvres Complètes de Jean-Jacques Rousseau”. Éd. B. Gagnebin et M. Raymond. Paris: Gallimard. 5 Vol. (Col. Bibliothèque de la Pléiade), 1959-1995.

SAHLINS, M. “The western illusion of human nature”. Chicago: Prickly Paradigm Press, 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. “A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia”. São Paulo: Cosac Naify, 2002a.

______. “O nativo relativo”. Mana, Vol. 8, Nr. 1, 2002b, pp. 113-148. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0104-93132002000100005. (Acessado em 28 de junho de 2020).

Downloads

Publicado

2021-12-07

Como Citar

Dela Bandera, M. D. B. (2021). ROUSSEAU E A GRANDE PARTILHA OCIDENTAL: a ideia da exclusividade da natureza humana. Revista Kriterion, 62(150). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/kriterion/article/view/25047

Edição

Seção

Artigos